Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 21 de maio de 2019.
https://www.espacovital.com.br/images/jus_colorada_5.jpg

Eleições diferentes no Internacional



As amargas experiências vivenciadas no Internacional, fruto de escolhas apressadas, levaram o clube à realidade de um déficit financeiro importante. Ele é o resultado dos encargos do financiamento de uma dívida que vem sendo acumulada desde a primeira gestão Píffero e não solucionada pela modesta gestão Luigi.

Tenho insistido que não há mágica no futebol e muito menos salvador da pátria. Nada, mas nada mesmo, em um clube de futebol depende de uma única pessoa.

Essa afirmação é tão verdadeira que, caso não aceita, teríamos que concluir que as mesmas mãos que nos conduziram aos melhores momentos foram também as que nos levaram à pior episódio da nossa história.

Compadrio não é o pressuposto para a composição de uma gestão competente.

Falar a verdade com o torcedor também não é saudado como uma postura sadia. Via de regra, com maior ou menor criatividade, ao final de cada insucesso, deparamos com as mais estapafúrdias desculpas, como se o jogo visto pelos dirigentes fosse outro e não aquele visto criticamente pelos demais torcedores.

Seja no tema finanças, seja no tema formação de um time, o aspecto que maior crítica recebe do torcedor é o do trato com as categorias de base. Elas não revelam na medida necessária, atletas para o preenchimento das carências, assim como não permitem o incremento de negócios que possam fazer frente ao déficit crescente.

Não há uma sincronia estratégica entre a condução da chamada base e o time principal. Deveríamos sim, já nos primeiros passos de um atleta em formação, preencher as exigências de um perfil estabelecido com anterioridade.

Lamentavelmente, o atual vice de futebol remontou o chamado Inter B, aquele que me orgulho de ter desmontado em nome da decência.

Não há negociações promissoras para a venda de jogadores, mas apenas o emprego de expressivos pagamentos para as contratações de atletas não promissores. É um desastre que acarreta o fracasso no futebol e a difícil realidade de um vestiário caracterizado como zona de confronto.

Futebol é disputa! Disputa com os adversários e entre os jogadores pela posição. Não existirão jamais bons jogadores se o espírito reinante não for o de ambição pessoal.

É nesse aspecto que o dirigente de futebol deve atuar. Atuar estimulando o que os atletas tenham a dar de melhor em favor do clube que paga os seus salários.

Pois bem, o que não é dito e nem festejado, é que diante de uma vitória da chapa Medeiros o vice continuará sendo o Mello.

Essas eleições serão marcadas pelo ineditismo. Pela primeira vez será possível acessá-la por meio das diversas ferramentas da web. Além disso, assim como necessitamos de atitude da direção, carecemos de um planejamento prévio, escrito, um programa de atuação.

Diferentes porque o eleitor, para escolher refletirá com profundidade.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

O Internacional de Ildo Meneghetti, Hugo Chávez, Olívio Dutra e Jair Bolsonaro

“Na última quarta-feira foram realizados protestos em Porto Alegre por universitários da UFRGS. Como em todas as manifestações, havia bandeiras de partidos políticos identificados como à esquerda no espectro político e de outros movimentos sociais. Surpreendeu-me negativamente verificar um grupo de manifestantes, utilizando sinalizadores vermelhos e ostentando uma faixa que indevidamente dizia: ´Inter antifascista´. Nossa agremiação é vermelha, popular e internacional, mas não confundam as coisas: somos apenas um clube de futebol”. 

O racismo e o futebol

“Nesta quarta-feira (8), no jogo entre Peñarol e Flamengo, parte da torcida uruguaia, chamava os jogadores brasileiros de ´macacos´.  Alguns, imitavam com gestos o animal em questão, aliás revelando um talento atávico. Isso me fez lembrar um episódio ocorrido no Estádio Olímpico, em 2011, defronte às sociais do dono da casa, quando o Zé Roberto (foto) aguardava para entrar em campo”

Tinga, eu e a velhice

“Escrevo sobre esse admirável ex-atleta do Inter, não apenas para revelar uma experiência, mas para afirmar o quanto é difícil adequarmos a idade e as nossas limitações à vida”.

Coração vermelho, vida que segue...

“Um recado a colorados e gremistas. Dias e noites intermináveis no Instituto do Coração fomentaram, em mim, profundas reflexões. Agora mais domesticado, mais adocicado, cumprimento o adversário pela conquista do Gauchão, que eu queria para o Internacional”.

Os 110 anos de Inter!

* Um pout-pourri de tópicos * O que temos a aprender com os gringos *  Pensando com a cabeça de quem joga xadrez e não damas, o empate ocorreu no âmbito das nossas possibilidades de pontuação *  Paciência com Guerrero, a partir de amanhã.

“E s t a u t a ?!”...

Depois de identificar o homenageado azul a partir do nome, passei a prestar mais atenção na obra, cheia de detalhes cômicos. Antecipo que não estabeleço uma disputa entre estátuas, pois considero aquela dedicada ao Capitão Fernandão, também horrorosa”