Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 18 de dezembro de 2018.

Também tenho vergonha!



Arte de Camila Adamoli sobre fotos de Google Imagens e Camera Press

Imagem da Matéria

Por Antonio Silvestri, advogado (OAB-RS nº 17.672)
asilvestri@terra.com.br

Vivemos tempos avessos. Já lá se vão décadas desde que o Brasil se vestiu de verde-amarelo e exigiu “Diretas Já”. E elas vieram.

Na sua carona, nasceu uma menina carinhosamente apelidada de Constituição Cidadã, hoje uma jovem senhora. Sugestivo, o nome! Talvez o autor desta iniciativa tenha pensado exatamente num dos principais objetivos a que toda Carta Maior se proponha, seja do Brasil, seja de outra nação: o direito do cidadão de manifestar opinião.

Assisti, estarrecido, à reação do ministro Ricardo Lewandowski frente a uma simples opinião do colega advogado Cristiano Acioli, justamente ele, integrante do STF, a quem foi outorgado o dever de protegê-la.

Aaaah, excelência! Minha idade já passou da meia-noite e o meu tempo de advocacia não mais alcançará o meio-dia. Mas nem lá nuns tais de anos ´seis mais quatro´ me deparei com tamanha incoerência. Meus primeiros passos na vida jurídica são de idos tempos. Muito cedo me foi apresentado o dinossáurico Código de Hamurabi. Depois conheci o senhor Talião; mais adiante sentei com as senhoras Ordenações; um certo Direito Romano andou ocupando lugar; e cá estamos nós, vangloriando-nos de trilharmos na linha de uma certa senhora que atende pelo nome de Democracia.

Mas excelência, nunca me deparei com alguma Doutora Constituição desautorizadora de opiniões.

Diante de tão inusitada reação, encaramujei-me até os confins da quinta parte do pó da essência da minha ignorância, no afã de alcançar algum indício de explicação para tal. Mas só me surge a hipótese de que o STF seja uma entidade revestida de couraça à prova de críticas. O cidadão pode dizer o que quiser, desde que não opine contra o STF.

Na linha da excelência ferida, o STF está além do alcance dos simples mortais.

Tenho a mesma vergonha manifestada pelo Doutor Acioli e, por isso, a minha solidariedade a ele.

Minha solidariedade também à esmagadora maioria da sociedade brasileira, que abertamente assim se tem expressado.

Por fim, minha solidariedade à significativa parcela dos próprios magistrados deste país, cujos rostos andam ruborizados por conta dessa mesma vergonha.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Foto de Ueslei Machado, reprodução da revista IstoÉ

Operação Salva Lula e os criminosos do colarinho branco

 

Operação Salva Lula e os criminosos do colarinho branco

Revista IstoÉ, em interessante artigo de seu diretor editorial Carlos José Marques, revela que já foram 78 recursos apenas no caso do tríplex. Texto critica o STF, falando em “pornografia legal”. Analisa que “o ministro Ricardo Lewandowski esforça-se para que o presidiário petista conceda entrevista em sua defesa alardeando injustiças imaginárias”. E arremata que, no caso do ex-presidente e de outros criminosos de quilate no âmbito do colarinho branco, “trata-se de uma estranha patologia nacional: bater à porta de meia dúzia de notáveis autoridades da Lei para conseguir benesses fora do habitual”.

Um alerta para superar tartarugas jurisdicionais diárias

“Chamo a atenção dos colegas sobre um pouco usado dispositivo do NCPC: ´É facultado promover a intimação do advogado da outra parte por meio do correio, juntando aos autos, a seguir, cópia do ofício de intimação e do aviso de recebimento´”. Artigo do advogado Juvenal Ballista Kleinowski (OAB-RS nº 102.262)

Von Jhering no Brasil (1880-1920)

“Herrman von Jhering, filho mais velho do grande Rudolf, viveu no Brasil e, mais particularmente, no RS durante grande parte da sua vida. vale lembrar esse alemão, cuja contribuição para a formação do Estado é deveras importante”. Artigo de Adroaldo Furtado Fabrício, advogado, jurista, ex-presidente do TJRS

A favor da vida

“Sou a favor da vida. Contra a pena de morte e a guerra. A favor de políticas públicas que favoreçam o parto feliz e a maternidade protegida. Mas uma vez absolvi uma mocinha, denunciada por aborto”. Artigo de João Batista Herkenhoff, juiz de direito aposentado.