Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 21 de maio de 2019.

O gaúcho caloteiro



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Em Mato Grosso do Sul, a 60km da capital, Campo Grande, há a comarca de Bandeirantes. A cidade recebe pessoas vindas de diversos rincões brasileiros, dentre elas os sulistas, que ascenderam à região. É nessa comarca que surge o caso envolvendo o o?cial de justiça Antônio João, um servidor dedicado e sério – e um gaúcho notório pela impontualidade em suas obrigações, já conhecido no meio forense como o Senhor Caloteiro.

O juiz determina que uma penhora seja efetivada pelo oficial Antonio. Este, com temor à sua integridade física, leva força policial consigo. Ao chegar à fazenda do devedor, bate palmas, grita, buzina, mas nada... Enfezado, por ?car muito tempo debaixo do sol, à espera do fazendeiro, o servidor começa a gritar, na certeza de que havia alguém na propriedade.

Acode então o ?lho do Senhor Caloteiro, sendo travado o seguinte diálogo:

- Mas bah, quem procuras, tchê?

- Procuro por seu pai, o Senhor Caloteiro.

- O pai não está. Viajou para o Rio Grande e não tem data para voltar.

Desconfiado, o meirinho pede permissão para, com os policiais, dar uma olhada na área. Ninguém é encontrado.

Quando Antônio João e os milicianos estão indo embora, veem, no meio do mato, uma moita se mexer intensamente. De pronto, os policiais apontam as armas na direção daquilo que parece ser a investida de um animal bravio.

Na sequência, o ?lho do Senhor Caloteiro, assustado com a reação policial e as possíveis consequências, passa à frente do grupo e grita:

- Mas bah, pai, se és tu que já vieste lá do Sul, aparece!

Então, sai da moita o Senhor Caloteiro, acometido de coceira por todo o corpo. Ele se escondera atrás de uma plantação de urtiga, folhagem que causa irritação na pele, em razão da presença de ácido fórmico.

Após assinar o mandado e ouvir um sermão do meirinho, o devedor é liberado para tratar de sua incessante coceira e, quiçá, recuperar-se da “longa viagem” entre o Rio Grande do Sul e Bandeirantes.

Uma hora depois, o o?cial de justiça chega ao foro, onde certifica, em miúdos detalhes, a história além de pessoalmente expressar ao juiz a profunda irresignação, acusando a família do Senhor Caloteiro de uma tentativa de enganá-lo.

Curado da comichão, um dia depois o gaúcho Senhor Caloteiro pede a conta e adimple a obrigação.

E até hoje, quando percebe que alguém quer ludibriá-lo, o juiz usa – no círculo dos operadores forenses - a expressão marcante relatada na certidão do oficial de justiça: “Mas bah, pai, se és tu que já vieste lá do Sul, aparece”.

>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>
(*) Resumido a partir de um conto de autoria do juiz Fernando Moreira Freitas da Silva, publicado em “A Justiça Além dos Autos”, editado pelo Conselho Nacional de Justiça.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

A jurisdição terceirizada

 

A jurisdição terceirizada

A proposta instigante de um conselheiro de uma das seccionais estaduais da OAB: comprovar, judicialmente, que a jurisdição é prestada basicamente por assessores e estagiários. É hora de fazer de conta que tudo é ficção.

Charge de Gerson Kauer

O Advogado Fura-Colchão

 

O Advogado Fura-Colchão

Doutor Arencéfalo é o apelido de um advogado muito conceituado. O cognome é uma conjunção de ´Arbelino´, nome do pai dele e ´Encéfalo´, parte do corpo humano que controla o organismo. De repente, a surpresa na comarca: a elegante esposa pede o divórcio. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.

Charge de Gerson Kauer

As duas Têmis

 

As duas Têmis

No curso preparatório a concursos para ingresso na magistratura, um dos professores resolve aferir os conhecimentos gerais e a capacidade redacional dos alunos. Então entrega a cada um uma folha de papel A-4. Pede-lhes que ”escrevam de 20 a 30 linhas sobre Têmis”. Um dos discípulos sustenta e comprova a existência de uma divindade grega e de uma personagem terrena que não gostava de processos. 

Charge de Gerson Kauer

Depois da juizite, o aprendizado

 

Depois da juizite, o aprendizado

Sentado para depoimento pessoal está o autor de uma ação de indenização. Ele cruza as pernas e está com os dois primeiros botões de sua camisa abertos. Pela fenda percebe-se alguns pelos esbranquiçados e uma medalha pequena, pendendo da correntinha de ouro. O magistrado escorrega no elementar, ao ordenar em tom impositivo de extrema juizite: “Descruze as pernas e feche sua camisa! O senhor está em um fórum na presença de um juiz”. Então, vem a surpreendente reação, do professor com 60 de idade.

Charge de Gerson Kauer

Os ricos mocassins do ministro

 

Os ricos mocassins do ministro

Não é Primeiro de Abril, mas quase... Um passageiro vip desistiu da prerrogativa de embarcar no terminal 2 do aeroporto de Brasília, local por onde acessam as autoridades. Talvez querendo medir sua popularidade, o notório calvo misturou-se aos mortais e foi direto ao terminal 1 .Foi então que a vigilante máquina da Polícia Federal bipou...

Charge de Gerson Kauer

Virem-se e estudem!

 

Virem-se e estudem!

Três moçoilas inteligentes terminaram o segundo grau no Interior e passaram em universidade particular na Capital, só que as respectivas famílias não conseguiriam pagar. Resolutas, as três combinaram que iriam “se virar” para quitar as mensalidades. Abriram então uma casa de diversões para o público masculino adulto. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.