Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 21 de maio de 2019.

Mantida decisão que proibiu entrevista de Adélio Bispo à revista Veja



O ministro Gilmar Mendes, do STF, negou seguimento à reclamação por meio da qual a Abril Comunicações S/A pedia a suspensão de decisão que proibiu a realização de entrevista, pela revista Veja, com Adélio Bispo dos Santos, autor do atentando contra Jair Bolsonaro. O crime ocorreu em 6 de setembro deste ano. Adélio foi preso em flagrante no mesmo dia e autuado no artigo 20 da Lei de Segurança Nacional.

Na ação, a editora questiona decisão de desembargador do TRF da 3ª Região (SP) que, ao deferir liminar em mandado de segurança impetrado pelo Ministério Público Federal, determinou a suspensão de entrevista jornalística que seria efetuada com o custodiado em 28 de setembro de 2018, no Presídio Federal de Campo Grande (MS).

Segundo a Editora Abril, a decisão ofende a autoridade do Supremo, consubstanciada no julgamento da Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) nº 130, quando o Plenário declarou a não recepção da Lei de Imprensa (Lei nº 5.250/1967) pela Constituição de 1988.

A dona da revista Veja sustenta que, ao impedir produção de material jornalístico, a decisão teria ocorrido em censura prévia, em ofensa, portanto, os artigos 5º, IX e XIV, e 220 da Constituição Federal.

O SBT apresentou pedido de extensão de liminar, pois alega que também teria sido prejudicado pela decisão do TRF-3.

Para o relator Gilmar Mendes, não há semelhança entre o fundamento da decisão do TRF-3 e o assentado pelo Supremo no julgamento da mencionada ADPF nº 130. O ministro considerou que, ao decidir o caso em questão, o desembargador do tribunal federal não fundamentou em nenhum dispositivo da Lei de Imprensa. “Ademais, da leitura do julgado, vê-se que não houve restrição à liberdade de imprensa, nem qualquer espécie de censura prévia ou de proibição de circulação de informações”, disse.

Mendes destacou que a relação entre a liberdade de expressão e de comunicação e outros valores constitucionalmente protegidos pode gerar situações conflituosas, “a chamada colisão de direitos fundamentais”.

No caso concreto, segundo o relator, o juízo reclamado, ao analisar a situação fática, destacou a importância da proteção das investigações e da prevenção de possíveis prejuízos processuais, bem como a necessidade de proteção do próprio custodiado, cuja sanidade mental ainda é discutível.

Concluiu, diante de tais ponderações, que o momento não era nem é adequado para a realização da entrevista pleiteada. (Rcl nº 32052 – com informações do STF e da redação do Espaço Vital).


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Chargista Aroeira (O Dia)

A conversa judicializada de Lula

 

A conversa judicializada de Lula

O ex-presidente concederá, hoje (26), entrevista a um jornal brasileiro, e outro espanhol. Alguma vez, antes, na história deste país, terá sido dada autorização judicial para presos comuns se manifestarem sobre as masmorras brasileiras?

Chargista DUKE

Presidente do Senado volta atrás e decide levar a abertura de CPI da Lava Toga ao plenário

 

Presidente do Senado volta atrás e decide levar a abertura de CPI da Lava Toga ao plenário

Depois do arquivamento decidido pela CCJ do Senado, Davi Alcolumbre cede ao clamor popular e de colegas e decide levar a matéria à votação de todos os senadores. Mas ainda não há data marcada. O anúncio de Alcolumbre ocorreu em um dia de muitas críticas ao Supremo Tribunal Federal em todo o Brasil. O senador gaúcho Luiz Carlos Heinze sustentou que “cabe agora aos cidadãos de todo o país cobrarem a votação dos senadores de seus respectivos Estados”.