Ir para o conteúdo principal

EV de férias! > Os 15 Romances Mais Lidos de 2019
https://www.espacovital.com.br/images/mab_123_17.jpg

O polêmico desempenho do desembargador Favreto, no controvertido plantão do TRF-4



Arte de Gerson Kauer sobre fotos Wikipedia e Jornal do Comércio (POA)

Imagem da Matéria

 “Ne sutor ultra crepidam”

O Espaço Vital pediu, ontem (09.07), a dez conselheiros seccionais da OAB-RS e, aleatoriamente, a outros dez advogados (as) militantes, objetivas opiniões – via e-mail - sobre o polêmico desempenho do desembargador federal Rogério Favreto no controvertido plantão dominical do TRF-4.

O editor comprometeu-se à não divulgação dos nomes dos opinantes. Das 20 almejadas respostas, vieram 16. Dois dos consultados simplesmente não responderam. Dois retornos apresentaram apenas escusas, “por razões éticas e/ou de foro íntimo”.

Entre os efetivos 16 respondentes, quatro lembraram da expressiva votação alcançada por Favreto (51 dos 56 votos possíveis), quando a OAB-RS, em 20 de outubro de 2010, indicou os advogados habilitados à lista presidencial para a nomeação de vaga pelo quinto constitucional no tribunal federal.

E todos os 16 coincidiram na conclusão: Favreto exorbitou da competência que o “coincidente” (...) plantão lhe permitia.

Vieram, ainda, duas interessantes alusões a um ensaio da Grécia Antiga, titulado pelo provérbio latino “Ne sutor ultra crepidam" [Não vá o sapateiro além das sandálias]. Nele conta-se que certo pintor, de nome Apeles, tinha o costume de exibir suas obras à porta de seu ateliê e esconder-se, atrás de uma cortina, para ouvir comentários de transeuntes.

Um belo dia, um sapateiro passante criticou um dos quadros e notou um ‘erro’ em um dos pés pintados. Imediatamente, Apeles tirou o quadro da exposição, fez o reparo no desenho e o retornou aos olhares públicos.

Na manhã seguinte, percebendo que a sugestão tinha surtido efeito, o sapateiro meteu-se a criticar a perna, o braço, a cabeça, etc. Então, Apeles – que era um homem elegante, de postura firme - saiu imediatamente de seu esconderijo e exclamou: "Ne sutor ultra crepidam".

A expressão caiu no gosto popular com o sentido de “não dê pitacos em assuntos que não sabes, ou que não são de tua competência”.

O sapateiro, depois dos poucos minutos de glória, logo perdeu o prestígio.

Qualquer semelhança com fatos da vida real será mera coincidência.

 Um caso de “estranho amor”

Com a derrota de Maria da Graça Xuxa Meneghel, no STJ, chegou ao fim uma pendenga judicial que durou oito anos entre a apresentadora e o Google. Ela buscava a remoção de milhares de imagens suas e links disponíveis a quem digitasse, no mecanismo de buscas, as palavras “Xuxa” e “pedófila”.

Em maio do ano passado, o TJ do Rio de Janeiro rejeitou a apelação de artista. Houve recurso especial ao STJ, que também foi improvido – o trânsito em julgado ocorreu um dia antes do início do recesso de julho, na semana passada.

A polêmica criou-se a partir da participação de Xuxa no filme “Amor, Estranho Amor”, de 1982 em que ela aparece seminua na cama de um menino menor de idade. Em 2013, a apresentadora venceu uma ação que impediu a Cinearte Produções, distribuidora do filme, de relançar o longa-metragem. (EREsp nº 1316921).

 Uma nova Ordem?

Por causa de um certo clamor feminista, o Conselho Federal da OAB discutiu sem alarido, em março deste ano, a possibilidade de uma mudança no nome da entidade criada em 1930. Passaria a ser Ordem da Advocacia do Brasil.

Mas, tal qual tartaruga forense, o expediente não andou. Até mesmo um abaixo-assinado com o propósito da mudança, lançado na internet, alcançou magras 40 adesões até ontem.

Os advogados e as advogadas já sabem, mas não custa lembrar: para a mudança de nome é necessária a apresentação de um projeto de lei, com toda a tramitação no Congresso, até a sanção presidencial. Assim, pelo menos neste ano de 2018, a OAB continuará sendo a Ordem dos Advogados do Brasil.

A propósito: dos 1.094.210 advogados(as) com inscrição em vigor até ontem, em todo o país, há uma predominância masculina de pouco mais de 30 mil homens. Eles são 562.387; elas, 531.823.

A OAB gaúcha tem maior contingente masculino de 40.878 a 40.104. Só uma seccional tem vantagem quantitativa das mulheres: no Pará, elas ganham por 9.190 a 9.082.

Há um detalhe, porém, que pode estar sinalizando o próximo maior crescimento feminino. No Brasil todo as estagiárias já ganham de 17.350 a 14.716.

 Brasil 2022

A campanha “Que Brasil você quer para o futuro”, da Globo, recebeu desde sexta passada uma enxurrada de mensagens diferentes da mesmice de sempre.

Eram protestos futebolísticos que, com algumas mudanças de fala, eram iguais na essência: “O Brasil que eu quero para o futuro não terá Fagner na lateral direita, nem Fernandinho e Paulinho no meio-campo; muito menos Gabriel Jesus no comando do ataque!”.

Nenhuma delas foi ao ar!


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

José Luiz Trigo - Advogado Empresarial E Dir. Público 12.07.18 | 15:37:11

Des. Favreto merece julgamento, nos termos da reclamação da Dra. Raquel Dodge, da PGR.

Jacob Luciano Gauer - Advogado 11.07.18 | 11:30:43

 Quando o pagamento de favor é ser polêmico... Está mais do que na hora de acabar com a ingerência no Poder Judiciário. É um absurdo que o Executivo nomeie ocupantes de cargos no Poder Judiciário, que é um dos três poderes da República. Capachos da politicagem são brindados a exercer altos cargos no Judiciário. O Quinto Constitucional deve urgentemente ser extirpado da Constituição. É um câncer alimentador da corrupção. No Supremo é um desastre com Dias Toffoli, Levandowski etc.

Alexander Luvizetto - Advogado 10.07.18 | 10:29:59

Sempre fui defensor do quinto constitucional, por ser uma forma de todos os operadores do Direito se fazerem presentes no órgão de cúpula do sistema e, assim, evitar que haja uma tecnocracia hermética dos magistrados num dos Poderes do Estado. Ainda sou. Isso nos impõe, como advogados, ao dever de reconhecer nosso erro nesta e em outras tantas indicações, que seguem critérios muitas vezes frágeis moral e tecnicamente. Temos o dever de indicar colegas que disponham de conduta ilibada.

Gislaine Nunes Fagundes - Advogada 10.07.18 | 10:26:53

Imagino que a OAB tenha preocupações ou deveria ter maiores do que trocar o nome em razão de feminismos ultrapassados e sem qualquer sentido. Chega né, vamos tomar nosso tempo com o que realmente importa. A generalização masculina para referir-se a ambos os sexos não é competência da OAB.

Eliel Valesio Karkles - Advogado 10.07.18 | 09:44:35

A OAB deveria demonstrar que democracia se começa em casa, e trabalhar para ter eleição DIRETA para o Conselho Federal. Mas este assunto não se toca!...

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Arte EV sobre foto Visual Hunt

As duas espécies de prescrição penal e a esperança dos condenados na Lava-Jato

 

As duas espécies de prescrição penal e a esperança dos condenados na Lava-Jato

• Há um prazo para condenar e outro para fazer o réu cumprir a pena. A proposta de Dias Toffoli sugere suspender apenas a primeira delas, que é a prescrição da pretensão condenatória.

 O que acontece (ou não) quando um juiz vai a um motel durante o horário de expediente forense?...

 Lembra das campanhas de “O Patrão Enlouqueceu?”. Pois Rodrigo Maia aderiu.

 Comissão mista do Congresso aprova: empregadores assumirão as despesas com o afastamento dos funcionários por motivo de doença, antes mesmo da realização da perícia do INSS.

Ilustração de Gerson Kauer para capa de edição da Revista Espaço Imóvel/SECOVI/RS - Editada.

Caso gaúcho pode ser paradigmático para chancelar ou restringir o Airbnb

 

Caso gaúcho pode ser paradigmático para chancelar ou restringir o Airbnb

  Criado em 2008 nos EUA, o aplicativo oferece, sempre, em média, 500 mil imóveis residenciais, em 35 mil cidades, em 192 países.

  Decisão do TJRS – que teve recurso especial admitido pelo STJ – proibiu que, em prédio residencial de Porto Alegre, mãe e filho possam alugar dois apartamentos a terceiros via Airbnb.

  Possíveis mudanças no Exame de Ordem.

  Uma página exclusiva da Presidência do STF na internet.

O caso do prefeito gaúcho que nomeou a namorada como chefe da divisão de licitações e contratos no município

•  Decisão do TJRS determina a exoneração da auxiliar: “Transgressão dos princípios constitucionais da impessoalidade e da moralidade”.

•  Tem também o caso do titio gentil como prefeito que nomeou duas jovens sobrinhas advogadas para o secretariado.

•  Juíza estabelece norma para saias e vestidos das advogadas: limite de 5 cm acima do joelho.

•  Vem aí a biografia não autorizada de Eduardo Cunha (MDB-RJ): “Deus tenha misericórdia dessa Nação”...

Imagens: DepositPhotos/Freepik - Montagem: Gerson Kauer

A demorada ação penal que está no “balcão da janela”

 

A demorada ação penal que está no “balcão da janela”

•  Desde o dia 7 deste mês, os 18 volumes de sigiloso processo aguardam impulsionamento na 9ª Vara Criminal de Porto Alegre.

•  Leilão judicial de terreno penhorado do CEJUS - Centro dos Funcionários do TJRS. A alienação será no dia 19 de novembro e objetiva o pagamento dos créditos apurados em 19 ações trabalhistas.

•  Deltan Dallagnol recusa hipótese de promoção para continuar na Lava-Jato em Curitiba.

•  Alexandre de Moraes suspende ação penal contra dois empresários presos na operação Boca do Lobo.

Como Alemanha, Argentina, Estados Unidos, França, Itália e Portugal decidem sobre a execução antecipada da condenação criminal

  As regras que determinam qual grau de jurisdição pode levar um réu à prisão variam de acordo com o sistema jurídico de cada país.

  Rodrigo Maia não vai pautar a PEC sobre a prisão em segunda instância: “É necessário esperar o caminho do Supremo”.

  Contestação entregue quatro minutos depois do fechamento do cartório é intempestiva.

  Mercedes Benz condenada por impor ócio forçado a uma trabalhadora.

  As desigualdades no Brasil seguem crescendo.

Imagem Camera Press

Impasse entre Ajuris e TJRS será decidido pelo Conselho Nacional da Justiça

 

Impasse entre Ajuris e TJRS será decidido pelo Conselho Nacional da Justiça

 A entidade dos juízes e a presidência da Corte gaúcha divergem sobre a regulamentação da assistência à saúde suplementar dos magistrados e servidores do Poder Judiciário do RS.

 Rapidez e urgência: CNJ dá cinco dias para o TJRS se manifestar.

 Julgamento, pelo STF na quinta-feira, de três ADCs definirá a prisão, ou não, após os julgamentos de segunda instância.

• Modulação da tese referente à ordem de apresentação de alegações finais de réus delatores e delatados fica sem data.