Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 11 de dezembro de 2018.
https://www.espacovital.com.br/images/mab_123_11.jpg

Jeitinho brasileiro para agradar magistrados e promotores



Imagem Blog da Floresta

Imagem da Matéria

  “Moda Gilmar”

A Advocacia-Geral da União - que várias vezes, ao longo de três anos e meio, já tinha se manifestado contra o pagamento do elitizado “auxílio-moradia” à magistratura e aos membros do Ministério Público - mudou de lado e de opinião. A “rádio-corredor” do CF-OAB chama isso de “moda Gilmar”.

A AGU admite, agora, que a manutenção dos benefícios financeiros com "caráter indenizatório", para deixar o valor fora do teto constitucional e sem tributação. Vai chancelar os pagamentos já feitos, prosseguindo-se com eles, mesmo na ausência de lei(s) que o(s) autorize(m), mas amparados em resoluções internas dos próprios órgãos (CNJ e CNMP).

Signatário, em setembro de 2014, das liminares que abriram a tesouraria, o ministro Luiz Fux acolheu pedido conjunto das entidades interessadas e da AGU, remetendo, em março passado, as seis ações que discutem a questão à Câmara de Conciliação e Arbitragem da Administração Federal. Ali os interessados costuram um acordo sobre a manutenção do pagamento.

A jeitosa saída tem mais: a transação seria submetida ao Plenário do STF, assim valendo até as futuras edições de leis federal e estadual que dispuserem sobre a matéria.

O Espaço Vital está bem informado sobre a evolução do acordo. Mas a AGU, esta semana, fechou-se em copas: afirmou que "não comenta qualquer dos termos de negociações em andamento, nem pode confirmar se tais afirmações constam da mesa de negociação, porque as tratativas por lei demandam sigilo”.

Aí tem!

 Mudança de opinião

A propósito do auxílio-moradia, o jornal O Globo lembrou, esta semana, que “nem sempre, porém, a AGU pensou dessa maneira”. Em pareceres antigos e recentes, o órgão já se posicionou radicalmente contra os pagamentos.

Em uma das seis ações que estão agora na Câmara de Conciliação, na qual a Associação dos Magistrados Brasileiros pleiteia a manutenção do auxílio, a AGU alegou falta de lei que o regulamente. "A questão aqui colocada é simplesmente a da ausência de previsão legal que regulamente a vantagem pleiteada" - disse o então chefe da AGU Luís Inácio Adams, no documento que é de outubro de 2014.

Em outro trecho, a AGU sustenta que o auxílio é provisório e excepcional na lei. "Não fosse assim, todo e qualquer servidor público estaria apto a receber auxílio-moradia pelo simples fato de se tornar servidor".

Mais: há pouco mais de um ano, já sob a gestão atual (governo Temer), a AGU defendeu no STF a anulação de uma resolução do Conselho Nacional do Ministério Público que autoriza o pagamento de auxílio-moradia a procuradores e promotores. Disse que se trata de estratégia para furar o teto, fixado em R$ 33.763.

Em texto claríssimo digitado e aqui copiado: "Ao qualificar a ajuda de custo para moradia como espécie de verba indenizatória, o CNMP objetiva subtrair referida parcela pecuniária da incidência do teto constitucional".

  Páginas da vida...

...e da morte. Suzana Richtofen deixou a prisão, ontem, em Tremembé (SP) por seis dias, para “saidinha” do Dia das Mães.

Condenada a 39 anos de prisão pela morte dos pais, em 2002, vai desfrutar até terça-feira de um benefício concedido aos presos do regime semiaberto com bom comportamento.

Suzana não tem filhos e matou a mãe. A lei é assim mesmo!

 O promotor “tá loco”...

Petição protocolada pelo advogado Charles Luiz Paim, na 9ª Vara Criminal de Porto Alegre, diz – em nome de um réu – que “o promotor tá muito loco, pois o requerente já respondeu pelos mesmos fatos, inclusive com sentença condenatória em outro processo”. Por isso pediu a baixa do novo feito, catalogado como “produção e tráfico ilícito de drogas”. (Proc. nº 21800004808)

Estagiariocracia e assessorcracia à parte, a juíza Geneci Ribeiro de Campos deve ter entendido que a momentânea “demência” acusatória estava, mesmo, presente. Tanto que sentenciou: “Assiste razão à defesa, uma vez que há litispendência entre o fato narrado na exordial com aquele já sentenciado nos autos do processo 001/2.17.0103188-2. Sendo assim, rejeito a denúncia. Arquive-se com baixa”.


Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Delatores premiados devem R$ 422 milhões às contas da Lava Jato

 A PGR lança uma ferramenta para tentar cobrar de notórios caloteiros que se livraram da cadeia.

• Nenhuma advogada conseguiu se eleger presidente de seccional da OAB. Eram oito candidatas, mas nenhuma teve sucesso.

 TJRS decide que a paternidade socioafetiva - declarada ou não em registro público - não impede o reconhecimento de filiação baseado na origem biológica.

 As atuais diferenças entre Lula e José Dirceu (este, ainda, um homem de supremo poder).

Futura ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos diz que homens e mulheres “não são iguais”

 Damares Alves (foto), anunciada como titular da pasta que será criada em janeiro, é advogada e pastora evangélica. Ela contou ter sofrido violência sexual aos 6 anos. É mãe adotiva de uma filha indígena.

 Um sutil puxão de orelhas dado pelo ministro Paulo de Tarso Sanseverino em dois advogados gaúchos.

 Políticos, esses grandes devedores da Fazenda Nacional...

 Férias pagas parcialmente antes do início do descanso motivam pagamento em dobro. Decisão é do TST.

Julgamento disciplinar de magistrados por suposto envolvimento em política partidária

  CNJ decide, no dia 11, os pedidos de providências contra o gaúcho Luiz Alberto de Vargas (TRT-RS) e outros nove magistrados.

  Vitória da situação advocatícia no RS consagrou uma frase: “A OAB não é partido político”.

  Supremos jeitinhos jurídicos para amenizar a corrupção: “É caixa 2”.

Moro prepara pacote de medidas de combate ao crime organizado

 Entre os pontos que serão analisados pelo Legislativo está a proibição da progressão de regime a presos que mantêm vínculos com organizações criminosas.

 Com o efeito cascata em todo o país, o aumento para o STF traz um impacto financeiro de 1 bilhão e 400 milhões de reais, ao ano.

 O supremo séquito e os balangandans: Toffoli levou seis assessores a encontro dos juízes federais em Buenos Aires.

A juíza federal Gabriela Hardt não toca flauta!

  Vídeo apresentando a magistrada federal da Lava Jato como música amadora é fake!

  Imagens e áudio – de boa qualidade - exibidos em grupos de WhatsApp confundem a magistrada com a flautista Gabriela Machado, do grupo Choronas, de Santos (SP).

  Socicredi não pode usar a marca Sicredi. Decisão é do TJRS.

 Atraso habitual de ônibus do empregador é computado como hora extra em favor de empregado.

  Caso grave de Mal de Parkinson: STJ condena Bradesco a fornecer home care, mesmo sem previsão no contrato.

Resolução do TRF-4 limita a competência dos desembargadores plantonistas

  Para evitar a repetição da lambança do “solta/prende” Lula, ocorrida em 8 de julho, o relator vinculado poderá intervir nas petições, ações e recursos encaminhados ao plantão.

  “Rádio-corredor” do tribunal diz que se trata da “Resolução Anti-Lula”.

 “Rádio-corredor” da OAB-RS prefere a troca de vocativo: “Operação Anti-Favreto”.

 Os riscos de uso político do CNJ: por quê Sérgio Moro antecipou o seu pedido de exoneração da magistratura.

 “O Brasil terá um governo militar eleito e a população precisa se aperceber disso” – uma frase às claras.

  Expectativa para dezembro: a sentença da juíza Gabriela Hardt julgando Lula.