Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 18 de dezembro de 2018.
https://www.espacovital.com.br/images/mab_123_11.jpg

Depois de 17 anos, o nocaute de Paulo Maluf



HUMOR POLÍTICO - Charge de Luiz Fernando Cazo

Imagem da Matéria

O adestrador de tartarugas forenses

Político há 48 anos, Paulo Salim Maluf, 81 de idade atual, chegou a, anos a fio, figurar em 1º lugar na lista dos políticos brasileiros réus do maior número de ações judiciais. Ainda assim, jamais passou mais do que uma temporada, em 2005, de meros 41 dias na cadeia: foi uma prisão preventiva pela acusação de coagir testemunhas no processo que, esta semana o levou afinal a nocaute jurídico.

Entre o início da investigação (1990) sobre o desvio de recursos da obra da Avenida Água Espraiada, em São Paulo (SP) - atual Avenida Roberto Marinho - e a ordem de prisão expedida na última terça-feira (19) pelo Supremo, passaram-se 17 anos. Algo como 6.200 dias.

Nesse longo tempo, Maluf e seus advogados souberam – quais hábeis instrutores de plácidas tartarugas forenses - dar vida longa às chicanas, explorando todos os recursos protelatórios disponíveis e aproveitando-se do frequente andar de pachorra da Justiça brasileira.

O tempo também trouxe vantagens ao deputado: a prescrição de algumas ações judiciais; o benefício por ter completado (em 2001) 70 de idade; livrar-se da Lei da Ficha Limpa na eleição de 2010, mesmo condenado por um colegiado por improbidade administrativa na ação do superfaturamento do túnel Ayrton Senna. No caso, sua hábil defesa convenceu a Justiça eleitoral de que “a improbidade cometida tivera caráter culposo e não doloso”.

Também consta no currículo de Maluf, até hoje, a presença dele na lista dos procurados pela Interpol, com ordem de prisão em 188 países – situação que, apesar de seus forrados recursos financeiros, fê-lo recluso a não poder mais viajar além das fronteiras brasileiras.

Dele dizia-se ser praticante da frase “Eu roubo, mas eu faço” – que ele sempre negou.

Centenas ou milhares de vezes, Maluf jamais admitiu ter cometido crime de corrupção. Um outro bordão passou, recentemente, a ser a sua principal retórica: “Não tenho nem nunca tive conta no exterior”.

Seu currículo passa a ser integrado pela condenação definitiva a cumprir sete anos, nove meses e dez dias de prisão. Compactamente, 2.835 dias.

 Virgindade e vagabundagem

· Horas antes de iniciar o recesso na terça-feira (19), o ministro Luís Roberto Barroso, do STF, mandou notificar o deputado Marco Feliciano (PSC-SP) a apresentar defesa em até 15 dias, numa ação penal movida por Caetano Velloso por injúria e difamação. É que o parlamentar está questionando, nas redes sociais, por que o Ministério Público não pede a prisão do artista já que “é possível encontra-lo dizendo que tirou a virgindade de uma menina de 13 anos”.

Entre o ajuizamento da ação e o despacho inicial do ministro passaram-se rápidos quatro dias. (Pet. nº 7.415)

· Enquanto isso, dormita – desde agosto - no gabinete do ministro Alexandre de Moraes uma ação contra outro deputado da bancada da baixaria, Wladimir Costa (Solidariedade-PA). É aquele político cuja paixão por Temer levou-o a fazer uma tatuagem temporária no ombro, com o nome do presidente).

O deputado falastrão e puxa-saco chamou Glória Pires, Letícia Sabatella, Wagner Moura e Sônia Braga de “vagabundos”. (Pet. nº 7174).

 “Maneira educada”

O PT está orientando seus militantes a reclamarem em massa à ouvidoria do TRF da 4ª Região, onde Lula será julgado no dia 24 de janeiro.

Por meio das redes sociais, o partido informa o link de acesso à corte regional e dá orientações sobre o teor das reclamações: “Nós podemos complicar a vida dos golpistas e não facilitar para eles”.

A meta é encher a caixa de mensagens da ouvidoria, mas com uma ressalva: “De maneira educada e sem ofensas”.

 Agora férias

O colunista expressa um “até breve” aos prezados leitores. Imprescindível para a saúde mental de todos os que labutam, as férias serão gozadas nas próximas semanas. O Espaço Vital entra em “recesso” e – nesse período - a nossa página inicial reprisará os 12 Romances Forenses mais lidos de 2017.

Saúde e paz aos leitores! O reencontro rotineiro fica marcado para a terça-feira 6 de fevereiro. Até lá, na expectativa de um Brasil melhor.


Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Maioria do TRF-2 considera inconstitucional a sucumbência para a AGU

• Nove votos já afirmaram que advogados públicos não podem receber honorários de sucumbência, caso a administração saia vencedora de uma disputa judicial.

 Bye, bye Brasil: 29% dos brasileiros gostariam de deixar nosso país.

 Curso de Direito continuará tendo cinco anos.

 STJ decide a restrição do foro privilegiado também para procuradores da República.

A disputa, por três filhas, sobre a destinação do cadáver do pai falecido há seis anos

  Em vida, o falecido teria manifestado, verbalmente, sua disposição de que, após a morte, seu corpo fosse submetido a um processo de congelamento (criogenia – foto acima), nos EUA, para que com a evolução da Ciência, fosse possível descobrir a causa de sua doença.

  A mina da Votorantim próxima ao rio Camaquã e o atropelamento múltiplo de ciclistas: dois “riscos vermelhos” do RS estão no Atlas Global de Justiça Ambiental.

 Unesco certifica a decisão do STF de equiparar a união estável entre pessoas do mesmo sexo à entre casais heterossexuais como “patrimônio documental da humanidade

Delatores premiados devem R$ 422 milhões às contas da Lava Jato

 A PGR lança uma ferramenta para tentar cobrar de notórios caloteiros que se livraram da cadeia.

• Nenhuma advogada conseguiu se eleger presidente de seccional da OAB. Eram oito candidatas, mas nenhuma teve sucesso.

 TJRS decide que a paternidade socioafetiva - declarada ou não em registro público - não impede o reconhecimento de filiação baseado na origem biológica.

 As atuais diferenças entre Lula e José Dirceu (este, ainda, um homem de supremo poder).

Futura ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos diz que homens e mulheres “não são iguais”

 Damares Alves (foto), anunciada como titular da pasta que será criada em janeiro, é advogada e pastora evangélica. Ela contou ter sofrido violência sexual aos 6 anos. É mãe adotiva de uma filha indígena.

 Um sutil puxão de orelhas dado pelo ministro Paulo de Tarso Sanseverino em dois advogados gaúchos.

 Políticos, esses grandes devedores da Fazenda Nacional...

 Férias pagas parcialmente antes do início do descanso motivam pagamento em dobro. Decisão é do TST.

Julgamento disciplinar de magistrados por suposto envolvimento em política partidária

  CNJ decide, no dia 11, os pedidos de providências contra o gaúcho Luiz Alberto de Vargas (TRT-RS) e outros nove magistrados.

  Vitória da situação advocatícia no RS consagrou uma frase: “A OAB não é partido político”.

  Supremos jeitinhos jurídicos para amenizar a corrupção: “É caixa 2”.

Moro prepara pacote de medidas de combate ao crime organizado

 Entre os pontos que serão analisados pelo Legislativo está a proibição da progressão de regime a presos que mantêm vínculos com organizações criminosas.

 Com o efeito cascata em todo o país, o aumento para o STF traz um impacto financeiro de 1 bilhão e 400 milhões de reais, ao ano.

 O supremo séquito e os balangandans: Toffoli levou seis assessores a encontro dos juízes federais em Buenos Aires.