Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 18 de dezembro de 2018.
https://www.espacovital.com.br/images/mab_123_11.jpg

“Extras” garantem a 71% dos juízes ganhos habituais acima do teto



Blog do AFTM

Imagem da Matéria

Penduricalhos & Cia. Ilimitada

Dois em cada três juízes e/ou desembargadores dos Tribunais de Justiça dos Estados e do Distrito Federal recebem acima do teto (R$ 33.763). A disparidade entre o limite constitucional e o que efetivamente é depositado nas contas bancárias de 11,6 mil magistrados (71,4% do total de 16.246 pessoas) é decorrência de uma brecha que retira do cálculo as chamadas “verbas indenizatórias”.

Entre tais penduricalhos ilimitados estão o dinheiro extra para moradia, alimentação e gratificações – estas formalmente chamadas de “direitos eventuais”. Assim, magistrados chegam facilmente à média nacional de R$ 42,5 mil.

Com base nessa conjunção e comparando folhas de pagamento enviadas pelas cortes ao Conselho Nacional de Justiça, foi possível verificar que o peso dos penduricalhos e suas companhias ilimitadas chega em média, no salário da magistratura estadual, a 33%.

A jornalista Marlen Couto, do jornal O Globo, chegou à minúcia de descobrir que, em um único mês, 52 magistrados brasileiros tiveram remunerações superior a R$ 100 mil. Importante: em todo o levantamento não são levados em consideração outros penduricalhos assegurados por lei: duas férias por ano (ambas com seus respectivos 33,33% de acréscimo), abono permanência e 13º salário.

Acompanhe outros detalhes

• No Rio Grande do Sul, o rendimento médio de magistrados que receberam, em novembro, acima do teto é de R$ 43.061; aqui 7% dos contracheques são engordados por “auxílios” e 20% por “direitos eventuais” – todos sem tributação. O Estado gaúcho é o oitavo melhor pagador na relação de 26 Estados pesquisados.

• A média geral nacional de remuneração é de R$ 42.505. Em nove Estados esse valor é superior. O “campeão” é Rondônia (média de R$ 68,8 mil), seguido por Mato Grosso do Sul e Acre (ambos R$ 50 mil).

•No país todo, 52 juízes e desembargadores têm rendimento superior a R$ 100 mil.

• O pico individual foi de uma juíza do Paraná; em novembro ela embolsou R$ 235 mil.

A história do “auxílio-moradia”

A benesse financeira começou como vantagem restrita – uma “ajuda de custo, para moradia, nas comarcas em que não houver residência oficial para juiz, exceto nas capitais” - segundo a Lei Orgânica da Magistratura. Em 1986, a restrição às capitais foi abolida. O que era exceção passou a ser regra.

Leis estaduais estenderam o pagamento a todos os integrantes de determinados TJs. O STF garantiu o benefício a todos os juízes federais e, depois, a todos os TJs estaduais e aos ramos militar e trabalhista do Judiciário. Há ações em curso que reivindicam o “direito” também aos juízes aposentados. O pretexto: “paridade constitucional”.

Atualmente, três em cada quatro juízes estaduais recebem “auxílio-moradia”, independentemente da cidade onde trabalham e do fato de possuírem ou não residência própria.

Na semana passada, o ministro Luiz Fux, do STF, negou seguimento a uma ação popular contra a decisão sua de autorizar pagamento de “auxílio-moradia” a juízes, promotores e conselheiros de tribunais de contas. Lembrando, foi o mesmo Fux quem, em ´decisão provisória´ (?) de setembro de 2014, estendeu o benefício a todos a magistratura brasileira.

Teto com claraboia

Para o ex-presidente do STF e do CNJ Carlos Ayres Britto, não faz sentido excluir os auxílios do cálculo do teto.

Uma frase dele é espirituosa: “Sempre entendi, em meus votos, que teto é um limite máximo, não admite sobreteto, ultrapassagem. Na medida em que há claraboia nesse teto, perde-se a noção”.

Pouco usada – e até desconhecida - pelos jovens de hoje a expressão ´claraboia´ tem três definições possíveis: “1) Espécie de janela, geralmente no teto, para deixar entrar luz; 2. Qualquer abertura por onde a luz possa penetrar; 3. Entrada ou boca de mina, inclusive de dinheiro”.

Direito de pergunta

Por que os políticos não propõem, também, o “auxílio-moradia” e o “auxílio-refeição” para professores e policiais militares? Exemplificativamente...

Respostas, sugestões e e-mails para 123@espacovital.com.br.


Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Maioria do TRF-2 considera inconstitucional a sucumbência para a AGU

• Nove votos já afirmaram que advogados públicos não podem receber honorários de sucumbência, caso a administração saia vencedora de uma disputa judicial.

 Bye, bye Brasil: 29% dos brasileiros gostariam de deixar nosso país.

 Curso de Direito continuará tendo cinco anos.

 STJ decide a restrição do foro privilegiado também para procuradores da República.

A disputa, por três filhas, sobre a destinação do cadáver do pai falecido há seis anos

  Em vida, o falecido teria manifestado, verbalmente, sua disposição de que, após a morte, seu corpo fosse submetido a um processo de congelamento (criogenia – foto acima), nos EUA, para que com a evolução da Ciência, fosse possível descobrir a causa de sua doença.

  A mina da Votorantim próxima ao rio Camaquã e o atropelamento múltiplo de ciclistas: dois “riscos vermelhos” do RS estão no Atlas Global de Justiça Ambiental.

 Unesco certifica a decisão do STF de equiparar a união estável entre pessoas do mesmo sexo à entre casais heterossexuais como “patrimônio documental da humanidade

Delatores premiados devem R$ 422 milhões às contas da Lava Jato

 A PGR lança uma ferramenta para tentar cobrar de notórios caloteiros que se livraram da cadeia.

• Nenhuma advogada conseguiu se eleger presidente de seccional da OAB. Eram oito candidatas, mas nenhuma teve sucesso.

 TJRS decide que a paternidade socioafetiva - declarada ou não em registro público - não impede o reconhecimento de filiação baseado na origem biológica.

 As atuais diferenças entre Lula e José Dirceu (este, ainda, um homem de supremo poder).

Futura ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos diz que homens e mulheres “não são iguais”

 Damares Alves (foto), anunciada como titular da pasta que será criada em janeiro, é advogada e pastora evangélica. Ela contou ter sofrido violência sexual aos 6 anos. É mãe adotiva de uma filha indígena.

 Um sutil puxão de orelhas dado pelo ministro Paulo de Tarso Sanseverino em dois advogados gaúchos.

 Políticos, esses grandes devedores da Fazenda Nacional...

 Férias pagas parcialmente antes do início do descanso motivam pagamento em dobro. Decisão é do TST.

Julgamento disciplinar de magistrados por suposto envolvimento em política partidária

  CNJ decide, no dia 11, os pedidos de providências contra o gaúcho Luiz Alberto de Vargas (TRT-RS) e outros nove magistrados.

  Vitória da situação advocatícia no RS consagrou uma frase: “A OAB não é partido político”.

  Supremos jeitinhos jurídicos para amenizar a corrupção: “É caixa 2”.

Moro prepara pacote de medidas de combate ao crime organizado

 Entre os pontos que serão analisados pelo Legislativo está a proibição da progressão de regime a presos que mantêm vínculos com organizações criminosas.

 Com o efeito cascata em todo o país, o aumento para o STF traz um impacto financeiro de 1 bilhão e 400 milhões de reais, ao ano.

 O supremo séquito e os balangandans: Toffoli levou seis assessores a encontro dos juízes federais em Buenos Aires.