Ir para o conteúdo principal

Nossa próxima edição será postada na terça-feira 1º de fevereiro de 2022

Uma esmola de 300 reais



Na cidade de forte colonização por alemães, é apregoada audiência na Justiça do Trabalho. O reclamante é um jovem franzino e tímido, pedindo reconhecimento de vínculo empregatício, por ter sido caseiro no sítio do reclamado.

Este é um senhor de gestuais grosseiros e impacientes.

O juiz dá bom dia às partes e seus advogados, questionando-os sobre possibilidade de acordo. O reclamado, então, afirma cheio de mágoas, dedo apontado para o reclamante.

- Acordo? Dei casa, água, luz, comida, um salário mensal pontual e ele agora me apronta essa!

O magistrado contrai a expressão facial, mas tenta suavizar:

- Sei que o senhor pode estar chateado, mas o reclamante trabalhou no seu sítio e diz que foi mandado embora sem receber nenhuma parcela rescisória. Sugiro que proponha um valor, encerrando a discussão hoje mesmo.

O reclamado puxa três cédulas de R$ 100 do bolso e as coloca sobre a mesa, afrontando o caráter formal da solenidade e atropelando:

- Não seja por isso. Dou esta esmola, que deve bastar a esse morto de fome!

Perplexo, o juiz dirige-se ao reclamante:

- O senhor, por gentileza, apanhe o dinheiro e guarde-o no bolso. É seu!

Sem nada entender, mas confiando na determinação – e após ter a aquiescência de seu advogado - o reclamante recolhe e guarda as três cédulas.

E antes que o reclamado siga com impropérios, o magistrado continua mantendo o comando:

- A esmola já foi aceita. Agora, o senhor trate de pensar numa proposta de acordo. Medite ou oriente-se com seu advogado antes de abrir novamente a boca. O lugar onde o senhor está se chama Justiça, e não feudo! E o juiz sou eu.

Veementemente alertado por seu advogado, o alemão duro concorda em pagar mais R$ 2.500 e, assim, acabar com a demanda. Acordo fechado, cheque assinado, formalidades preenchidas, processo encerrado, clima ainda hostil na sala de audiências, o empregador levanta-se e parte sem se despedir de ninguém.

Deixa o foro trabalhista visivelmente contrariado – talvez pensando nos R$ 2.800 despendidos, mais os honorários de seu advogado e as custas - e embarca em sua possante camioneta, partindo com o canto dos pneus etc.

Aconteceu numa cidade da Grande Porto Alegre.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Chargista Duke

Papai Noel visita a sede da OAB

 

Papai Noel visita a sede da OAB

O presidente da OAB chega à sede da instituição. Ele ainda se acomoda quando a secretária adentra aflita. “Doutor, aguarda-o na recepção um senhor de paletó e gorro vermelhos, camisa social verde, gravata cinza clara. Ele diz ser o Papai Noel, mas tem jeito de advogado...”

Pinterest

Shangri-la, a capital da magistratura

 

Shangri-la, a capital da magistratura

Última semana antes do recesso, o Doutor Sofrenildo, advogado zeloso, matutava sobre as perdas do mês, a maioria delas decorrente da impossibilidade de obter seus merecidos alvarás. Um conselheiro da Ordem Internacional dos Advogados sugeriu: “Tome o rumo do Himalaia e procure achegar-se aos condomínios de Shangri-la". Assim foi feito...

Charge de Gerson Kauer

Revelação a portas fechadas

 

Revelação a portas fechadas

Sem segredo de justiça, a apelação em julgamento começa a tratar da alteração do registro civil de uma mulher que fora registrada com nome e sexo masculinos. Começa então um rosário de surpresas.

Charge de Gerson Kauer

A reprovação do estagiário

 

A reprovação do estagiário

No recrutamento de mais um auxiliar para reforçar seu gabinete jurisdicional, o desembargador resolveu aferir a rapidez da Inteligência do candidato que exibia excelente desempenho. O jovem foi, então, desafiado a descobrir em qual box da garagem estava estacionado o automóvel (de placas discretas) do presidente da corte...

CHARGE DE GERSON KAUER/DIVULGAÇÃO EV/JC

Cofrinhos femininos

 

Cofrinhos femininos

Na grande rede de lojas, um de seus gerentes era um homem quarentão que não respeitava as subordinadas mais novas. Segundo uma ação trabalhista, “ele era abusado, fazendo as funcionárias passar por situações vexatórias; chamava-as de 'gostosas'; e sempre dizia querer intimidades com o ´cofrinho feminino´”.