Ir para o conteúdo principal

Edição de terça, 9 de agosto de 2022.
(Próxima edição: sexta dia 12.)

Uma esmola de 300 reais



Na cidade de forte colonização por alemães, é apregoada audiência na Justiça do Trabalho. O reclamante é um jovem franzino e tímido, pedindo reconhecimento de vínculo empregatício, por ter sido caseiro no sítio do reclamado.

Este é um senhor de gestuais grosseiros e impacientes.

O juiz dá bom dia às partes e seus advogados, questionando-os sobre possibilidade de acordo. O reclamado, então, afirma cheio de mágoas, dedo apontado para o reclamante.

- Acordo? Dei casa, água, luz, comida, um salário mensal pontual e ele agora me apronta essa!

O magistrado contrai a expressão facial, mas tenta suavizar:

- Sei que o senhor pode estar chateado, mas o reclamante trabalhou no seu sítio e diz que foi mandado embora sem receber nenhuma parcela rescisória. Sugiro que proponha um valor, encerrando a discussão hoje mesmo.

O reclamado puxa três cédulas de R$ 100 do bolso e as coloca sobre a mesa, afrontando o caráter formal da solenidade e atropelando:

- Não seja por isso. Dou esta esmola, que deve bastar a esse morto de fome!

Perplexo, o juiz dirige-se ao reclamante:

- O senhor, por gentileza, apanhe o dinheiro e guarde-o no bolso. É seu!

Sem nada entender, mas confiando na determinação – e após ter a aquiescência de seu advogado - o reclamante recolhe e guarda as três cédulas.

E antes que o reclamado siga com impropérios, o magistrado continua mantendo o comando:

- A esmola já foi aceita. Agora, o senhor trate de pensar numa proposta de acordo. Medite ou oriente-se com seu advogado antes de abrir novamente a boca. O lugar onde o senhor está se chama Justiça, e não feudo! E o juiz sou eu.

Veementemente alertado por seu advogado, o alemão duro concorda em pagar mais R$ 2.500 e, assim, acabar com a demanda. Acordo fechado, cheque assinado, formalidades preenchidas, processo encerrado, clima ainda hostil na sala de audiências, o empregador levanta-se e parte sem se despedir de ninguém.

Deixa o foro trabalhista visivelmente contrariado – talvez pensando nos R$ 2.800 despendidos, mais os honorários de seu advogado e as custas - e embarca em sua possante camioneta, partindo com o canto dos pneus etc.

Aconteceu numa cidade da Grande Porto Alegre.


Notícias Relacionadas

 

O adultério salvador

Charge de GERSON KAUER

O adultério salvador

A história do bem sucedido empresário quarentão, que escapou da morte na tragédia da TAM, 15 anos atrás. Foi obra dos encantos do “anjo do voo JJ-3054”, uma bem sucedida profissional liberal porto-alegrense.

 

Consulta ginecológica à moda romana

Charge de GERSON KAUER

Consulta ginecológica à moda romana

Ela era uma mulher interessante, sem exuberâncias, estava sempre perfumada, usava saltos altos, cabelos bem penteados. Um dia, ela foi ao consultório de um ginecologista que só atendia “particular”. O recôndito era decorado com objetos típicos das antigas milícias romanas.

 

Uma comarca só de advogados

Charge de GERSON KAUER

Uma comarca só de advogados

Um advogado, um juiz e um promotor conversam sobre a rotina forense, o congestionamento de cartórios, a precariedade de funcionamento dos JECs, as dificuldades para operar o processo eletrônico. “Eu exijo morar num resort” – pede o magistrado. “Eu quero uma ilha que me possa fazer lembrar o Éden” – pretende o representante do Ministério Público...

 

A suprema vibração

Charge de GERSON KAUER

A suprema vibração

A segurança do STF resolveu aplicar o que seus agentes chamam de “cana dura”. É a dica que significa ser minuciosamente exigente na revista dos pertences pessoais de todos os que chegam – mesmo os mais conhecidos e idôneos frequentadores. Vai daí que...

 

Serviços sexuais insatisfatórios

Charge de GERSON KAUER

Serviços sexuais insatisfatórios

Granjeiro do interior gaúcho, após tratar de assuntos comerciais em Porto Alegre, deu uma esticada nas bandas da avenida Farrapos. No local escolhido, sentou-se, pediu um uísque, e outros mais... A percanta combinou o preço e garantiu a excelência da voluptuosidade que prestaria...

 

Pamonha jurisdicional

Charge de GERSON KAUER

Pamonha jurisdicional

Na petição de apelação, o advogado embutiu um recado sutil: “A advocacia vem sendo desrespeitada por magistrados que não se dão ao trabalho de analisar os pleitos que apresentamos. Como somos tratados como pamonhas, informo que gostosas receitas desta iguaria oriunda do milho estão facilmente disponíveis na internet”.