Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre, terça-feira, 14 de setembro de 2021.
(Próxima edição: sexta-feira, 17).

O protesto silencioso



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

O processo tinha tudo de semelhante aos milhares de morosos que mourejam em escaninhos forenses: três anos e meio no primeiro grau e meia dúzia de meses na Corte estadual. A ação não era de alta indagação – mas apenas buscava receber de volta o que a argentária administradora de cartão de crédito cobrara a mais de uma consumidora.

Na comarca interiorana, a ação esperou por juízes titulares e substitutos; ficou para o ano seguinte “por falta de pauta”. E várias vezes recebeu despachos corriqueiros: “No período de substituição, não me foi possível apreciar o feito”; “Junte-se e diga a parte contrária”; “Façam-se os autos conclusos ao titular que proximamente assumir a comarca”.

Petições várias do advogado da autora passaram batidas sem sequer serem examinadas.

A juíza, em duas laudas, concluiu pela improcedência dos pedidos. O advogado da consumidora apelou e, no dia do julgamento, viajou centenas de quilômetros à capital para a sustentação oral. O presidente da câmara deu-lhe a palavra.

O profissional da Advocacia maneou a cabeça, olhou para os lados, ajeitou a gravata, pigarreou e nada disse.

- O senhor tem a palavra, doutor – repetiu o presidente.

O advogado olhou para o teto, consultou o relógio e permaneceu silente. Buscou algo nos bolsos, fez de conta que falaria, mas permaneceu calado.

A relatora pediu ao oficial de justiça que se aproximasse do advogado para verificar se ele estava bem. (E estava).

O presidente voltou à carga:

- Fale, doutor, ou perderá a ocasião!

Passavam-se três minutos de vácuo na sustentação oral, quando o advogado carregou da tribuna:

- Constatei como Vossas Excelências ficaram perplexos e aborrecidos com o meu silêncio. A minha muda performance temporária, na tribuna, foi proposital, para que Vossas Excelências aquilatem como se sentem as partes e advogados quando, anos a fio, pedem e pedem... e o Judiciário se omite. A minha cliente e eu sofremos um silêncio jurisdicional de três anos. O meu silêncio na tribuna, aqui, foi de três minutos, nada mais.

E por aí se foi, até adentrar no mérito da lide e pedir o provimento do recurso.

A relatora e o revisor nada comentaram sobre a inusitada situação e, votando, deram provimento à apelação.

O presidente – que era vogal, no caso - secamente, também proveu. Mas dedicou, após, longos minutos para criticar o advogado:

- Eu não o conhecia, doutor e depois de votar dando ganho de causa à sua cliente, registro o meu inconformismo com a sua atitude descortês, antiética, obtusa e negativamente surpreendente.

O advogado tentou explicar e o presidente seguiu furioso:

- Eu não mais lhe dou a palavra, afaste-se da tribuna. E saiba que doravante, quando eu presidir algum julgamento, jamais lhe facultarei o direito de fazer sustentações orais.

Julgamento encerrado, 3 x 0 para a cliente do advogado protestante, o acórdão foi publicado sem dedicar uma única linha ao quiproquó, limitando-se ao mérito da demanda.

O advogado agora está esperando que um novo processo seu caia na mesma câmara – onde pretende sustentar sem oposição. Por via das dúvidas, já informou à OAB, pedindo acompanhamento institucional.

- Aguardemos que um outro processo do advogado seja distribuído à mesma câmara, para então decidirmos em cima do caso concreto – opinou um conselheiro seccional.

E só se fala nisso na ´rádio-corredor´...

---------------------------------------------------------------------------

A criação da charge

O chargista Gerson Kauer concebeu a ideia original da charge colocando as três figuras que representam os desembargadores lado a lado, na mesma mesa.

Verificando, porém, que a mesa da sessão de julgamentos tem o formato em ´U´, reposicionou as figuras. Não usou a figuração de outros personagens (MP e secretária da câmara) porque não tiveram participação no acontecimento.

Veja, em versão compacta, a evolução do trabalho, desde os rabiscos iniciais, até o acabamento.

Clique aqui.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

Cuidados no uso da piscina

 

Cuidados no uso da piscina

O advogado e a promotora de justiça – ambos radicados em comarcas diferentes – viajaram em comemoração de núpcias para um hotel de luxo na Jamaica. Não imaginavam que passariam por surpresas insinuantes e também constrangedoras.

CHARGE DE GERSON KAUER – DIVULGAÇÃO EV / JC

Aviso de utilidade pública

 

Aviso de utilidade pública

Depois da separação dos conviventes, eles se encontraram ao acaso num bailão. O homem subiu ao palco, pegou o microfone do cantor da banda, e contou ao público qual fora a causa do rompimento conjugal. Saiba o que a mulher relatou depois, para o sisudo juiz, na audiência da ação de reparação por dano moral...

Charge de Gerson Kauer

Os touros campeões

 

Os touros campeões

Já às turras pelo decréscimo do calor conjugal, um casal gaúcho, de meia idade, visita uma feira agrícola na zona rural. Ali, excelentes touros reprodutores estão sendo anunciados por um leiloeiro. O que é que isso pode ter a ver com o divórcio dos dois humanos?...

Charge de Gerson Kauer

Não mais do que de repente...

 

Não mais do que de repente...

Primeira semana de março de 2020, a pandemia ainda era uma suposição distante. Há um coquetel do lançamento de um novo produto de argentário banco. Ao acaso, encontram-se um cidadão (notoriamente conhecido por sua falta de memória) e um juiz aposentado (reconhecido pelo seu nariz empinado).

Charge de Gerson Kauer

Garantia fundamental sexual

 

Garantia fundamental sexual

A câmara cível foi humana - e o acórdão, generoso. E determinou o fornecimento, pelo Estado, a um cidadão de 41 de idade, do andrógeno e esteroide anabólico que é usado no tratamento de baixos níveis de testosterona em homens.