Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre, sexta-feira, 30 de julho de 2021.
(Próxima edição: terça-feira, 3).

As mazelas da acultura da superficialidade



Artigos
Por Luiz R. N. Padilla,
professor da UFRGS e advogado (OAB/RS nº 16.697)

 
Os recentes artigos dos colegas João Francisco Rogowski e Joaquim Falcão, entre tantas reclamações, cada vez mais frequentes, refletem a insatisfação com esse fenômeno acultural de viver superficialmente, e suas mazelas: o vício da improcedência, indenizações pífias e honorários aviltantes.
 
Já registrara o Espaço Vital - em artigo que escrevi - que a encenação jurisdicional começou nos anos noventa.
 
Há 20 anos, os juízes usavam um mês de seus dois de férias para produzir dezenas de sentenças. Ponderar a razão? Mensurar valores? Demora e consome energia! Hoje, o que um experiente juiz precisava um mês, um imaturo estudante faz numa tarde com ´modelões´ e desculpas. Na pressa, sequer folheia, e "era isso".´..
 
Se não houver alguém importante e do círculo de influência a pedir o exame, a praxe é essa, ninguém examina p... nenhuma. O jurisdicionado que vá catar coquinhos! Descarga de consciência? "Se não for isso, recorrem e o tribunal corrige."
 
Risos! Ali também chegou o vício do "achismo". Faz-se seis ou mais recursos até encontrar quem se digne a examinar (REsp nº 13703/RS).

A linha de frente do Judiciário é constituída de jovens que se consideram modernos. Contudo, exalam os ares fétidos da decadência do Império Romano: "Carpe diem!" Acreditam poder não haver amanhã! Cresceram sob o bombardeio de falsas crenças, estímulo à inveja, ao sexismo e egocentrismo. Sofrendo sobrecarga de “informações” irrelevantes, incompletas e distorcidas pela mídia que mistura de realidade, ficção e imagens manipuladas e apologia o aparentar, a superficialidade, e a pseudo-reflexão.
 
Acham "normal" a pressa de viver o presente até o esgotamento, e inverter valores. Como podem achar normal decidir sem ponderar nem estudar? Falta alguém os acordar desse torpor.
 
Quem luta contra, sofre desrespeito, repetidas vezes. Humano, perde a paciência... Ai, invertem os valores! A vítima, é escorraçada! As pessoas bem intencionadas têm sido jogadas, umas contra as outras, por distorções da realidade, preconceitos, bullying, difamações, assédio, ameaças e medo, muito medo e abuso de poder! Percebi o nascimento do fenômeno, como registrou o Espaço Vital em 6 de julho de 2005 ("Desrespeito aos idosos, aos jovens e a todos").
 
Não consegui ser muito claro, porque sofria um intenso assédio na PGE-RS, em represália por combater a corrupção. Sobrecarregado com três vezes mais processos do que os meus colegas de equipe. Um dos procuradores de melhor desempenho na defesa judicial, e que jamais causou prejuízo ao interesse público, demitido sem direito a recurso suspensivo, sob um pretexto. Enquanto outro procurador, envolvido no escândalo do Detran, e preso por corrupção, foi aposentado com proventos integrais!
 
No mandado segurança nº 70018675462, a represália, prometida. Após sete embargos de declaração questionando a desculpa, inventada, pelo relator para obter maioria. aposentou-se. Concluso um ano, o novo ameaçou multa por má-fé. Recurso Ordinário, no STJ. Acessem o link.
 
Causas da corrupção, morosidade da justiça e violência? Vejam em meu blog - o link vai indicado mais adiante.
 
luizrobertonunesos@padilla.adv.br

......................

* Veja no Youtube - Palestra de Mário Sérgio Cortella
 
* Causas da corrupção, morosidade da justiça e violência - Blog do autor deste artigo


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Google Imagens

Projeto de lei autoriza porte de armas para advogados

 

Projeto de lei autoriza porte de armas para advogados

A mudança no artigo 7° do Estatuto da Advocacia. “A pertinência do PL n° 4426/2020, elaborado com o objetivo de garantir as prerrogativas legais do exercício da advocacia. A proposta baseia-se nos princípios da isonomia e está alicerçada nos direitos fundamentais previstos na Constituição de 1988”. Artigo do deputado federal Nereu Crispim

Álbum de família

Um começo de justiça para Mara Rúbia

 

Um começo de justiça para Mara Rúbia

Indenização será de R$ 350 mil. O viúvo demonstrou que o empregador negligenciou nos cuidados na prevenção contra o coronavírus, mesmo sabendo das comorbidades que incluíam a trabalhadora nos grupos de risco. Artigo do advogado Thiago Rocha Moyses

Charge de Gerson Kauer

Resistir para não nos transformarmos em advocacia amestrada

 

Resistir para não nos transformarmos em advocacia amestrada

“Estamos em tempos que parece ter havido um reflexo invertido entre o sonho do renascimento do diálogo e uma certa advocacia amestrada, sempre pronta a atender caprichos imperiais ou, como se diz nas democracias, abusos ou arbitrariedades”. Artigo do advogado Deivti Dimitrios Porto dos Santos, presidente da Subseção de Gravataí (RS).