Ir para o conteúdo principal

Nossa próxima edição será postada na terça-feira 1º de fevereiro de 2022

A dura vida do presidente nacional da OAB



Imagem da Matéria


A dura vida do presidente da OAB

Por Elio Gaspari,
jornalista

Em janeiro, o procurador Ophir Cavalcante, licenciado desde 1998, custava à Viúva R$ 30.062,07 mensais

É dura a vida do presidente da Ordem dos Advogados, Ophir Cavalcante. No último ano ele condenou o tamanho da fila dos precatórios de São Paulo, a farra dos passaportes diplomáticos, as fraudes nos exames da Ordem, a atuação de advogados estrangeiros em Pindorama, o enriquecimento de Antonio Palocci e a blindagem dos "ficha suja". Defendeu a autonomia salarial do Judiciário e os poderes do Conselho Nacional de Justiça.

Como se sabe, Ophir Cavalcante é sócio de um escritório de advocacia em Belém e procurador do governo do Pará, licenciado desde 1998, quando se tornou vice-presidente da seccional da Ordem. Até aí, tudo bem, pois Raymundo Faoro era procurador do Estado do Rio, apesar de não lhe passar pela cabeça ficar 13 anos com um pé na folha da Viúva e outro na nobiliarquia da Ordem.

Em agosto do ano passado, quando o Tribunal Regional Federal permitiu que Senado pagasse salários acima do teto constitucional de R$ 26.723, Cavalcante disse o seguinte: "O correto para o gestor público é que efetue o corte pelo teto e que as pessoas que se sentirem prejudicadas procurem o Judiciário, e não o contrário".

Em tese, os vencimentos dos procuradores do Pará deveriam ficar abaixo de um teto de R$ 24.117. Seu "Comprovante de Pagamento" de janeiro passado informa que teve um salário bruto de R$ 29.800,59. O documento retrata as fantasias salariais onde a Viúva finge que paga pouco e os doutores fingem que recebem menos do que merecem. Isso não ocorre só com ele, nem é exclusividade do Ministério Público do Pará.

O salário-base do doutor é de R$ 8.230,57. Para os cavalgados é isso, e acabou-se.
 
No caso de Cavalcante, somam-se sete penduricalhos. Há duas gratificações, uma de R$ 6.584 por escolaridade, outra de R$ 7.095 por "tempo de serviço" (na repartição, ficou três anos, mas isso não importa); R$ 4.115 por "auxílio pelo exercício em unidade diferenciada" (a procuradoria fica em Belém, mas ele está lotado na unidade setorial de Brasília).

Esse contracheque levou uma mordida de R$ 5.196 do Imposto de Renda. Se o doutor trabalhasse numa empresa privada, com salário bruto de 29.800,59, tivesse dois dependentes e pagasse, como ele, R$ 2.141 na previdência privada, tomaria uma mordida de R$ 6.760.

Finalmente, há R$ 314 de auxílio-alimentação, o que dá R$ 15,70 por almoço.
 
A OAB precisa protestar: o Ministério Público paraense passa fome.

............................

Correções no artigo
(Postadas em 07.03.2012)

1) Ophir Cavalcante, presidente da OAB, é procurador licenciado do Estado do Pará. Ele não integra o quadro do Ministério Público paraense.

2) Raymundo Faoro não era presidente da OAB ao tempo da campanha das Diretas-Já. A essa época, a instituição estava a cargo de Mário Sérgio Duarte Garcia. Faoro presidiu a Ordem de 1977 a 1979.

A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Reprodução/ FUJI_Q

O Grêmio e seus apadrinhamentos

 

O Grêmio e seus apadrinhamentos

“A queda do imortal tricolor tem, como um de seus componentes, uma montanha russa administrativa e futebolística. Nela, processos diretivos e organizacionais não respeitam as mínimas regras das boas práticas e nem o limite legal”. Artigo de José Horácio Gattiboni, torcedor gremista e advogado.

Charge de EVANDRO LUIZ DA ROCHA - Obra vencedora do Grande Prêmio do Salão de Humor de Piracicaba 2019

O processo eletrônico... que daria a sonhada celeridade processual!

 

O processo eletrônico... que daria a sonhada celeridade processual!

“A verdadeira prestação jurisdicional trabalhista deve ser baseada no contato direto entre o trabalhador e seu empregador. Com ela, o princípio conciliatório, a verdade real, e a pacificação dos conflitos sociais através do entendimento humano”. Artigo de Felipe Carmona, advogado e presidente da AGETRA.

Arte EV

Justiça 100% virtual...

 

Justiça 100% virtual...

“A Justiça do Trabalho está em sofrimento pela dificuldade estrutural de compreender trabalhadora(e)s como seres dotados de dignidade e titulares de cidadania”. Artigo de Valdete Souto Severo, juíza do Trabalho em Porto Alegre.

Juliano Verardi / TJRS

Agradando, ou não, a lei é a lei. E deve ser cumprida!

 

Agradando, ou não, a lei é a lei. E deve ser cumprida!

“Como o montante de cada uma das penas impostas aos réus do Caso Kiss supera o patamar de 15 anos - uma vez que fixadas entre 18 anos e 22 anos e 6 meses de reclusão - a decisão do presidente do STF está consoante com a lei, nos termos do artigo 492, alínea “e” do Código de Processo Penal”. Artigo do advogado Amadeu de Almeida Weinmann.

TJ-RS

A condenação que a humanidade exigia

 

A condenação que a humanidade exigia

“Boate Kiss. Tudo fazia parecer, aos menos entendidos, que o processo - como tantos outros - se quedaria nas calendas gregas do esquecimento. Realce à presença de um juiz ativo e corajoso na presidência do julgamento. As penas somaram 78 anos. Artigo do advogado Amadeu de Almeida Weinmann.