OAB/RS suspende preventivamente o advogado suspeito de fraudes em 53 ações judiciais


nacueri nardi legenda

Publicação em 29.06.21

O Tribunal de Justiça do RS foi comunicado pela OAB/RS, nesta terça-feira (29), na primeira hora da tarde, que o advogado Neuceri Nardi (inscrição nº 40.288) foi suspenso cautelarmente do exercício da advocacia, ante a suspeita de seu envolvimento em tentativas de fraudes perpetradas em 53 ações contra o Banco Santander, em dez comarcas gaúchas. A suspensão temporária foi aplicada pelo presidente da entidade, Ricardo Breier.

No comunicado – que o TJ gaúcho encaminhou por cópia, aos diretores dos foros de todas as comarcas e à Diretoria Processual da corte – foi expressado tratar-se de reação da Ordem gaúcha como entidade. A suspensão cautelar (por 90 dias) é a maneira de obstar novos passos fraudulentos, ante a demonstrada conduta incompatível do profissional, além de vislumbrada a possível prática de crime para o exercício profissional.

Na semana passada – quando revelados os primeiros fatos – o presidente da Ordem gaúcha, Ricardo Breier já havia dito ao Espaço Vital que “a nossa entidade vai se inteirar dos fatos, e agirá imediatamente, se evidenciado o comportamento profissional reprovável, ainda mais diante das consequências ante o Poder Público – burlas à prestação jurisdicional - e à sociedade em geral. Esta, sabidamente, deposita confiança na instituição OAB e no Judiciário como Poder”.

A decisão que suspendeu o exercício profissional do advogado foi adotada com fundamento no artigo 49, inciso V, do Regimento Interno da OAB/RS, combinado com os artigos 37, § 1º, 68 e 70 da Lei nº 8.906/94.

No portal da OAB/RS – na busca por informações cadastrais, que é uma consulta pública – na ficha correspondente ao advogado Neuceri Nardi, o sistema responde: zero registro encontrado. (PAD nº 1102483.00070414/202120).

Para entender o caso

Contraponto

Nos telefones divulgados, as ligações que buscaram contato com o advogado Neuceri Nardi resultaram negativas, ou não foram atendidas. Dois e-mails enviados a ele retornaram com a especificação de “endereço eletrônico inexistente”.

Quando os fatos vieram a público em 23 de junho, o advogado Neuceri Nardi disse à RBS Tv que “a busca por clientes e a coleta de documentos para o ingresso na Justiça foram feitas por uma empresa terceirizada, a Ello Consultoria”. Ele afirmou também, "ter contratado essa empresa para fazer o serviço em campo pra mim e essas pessoas passavam os documentos via e-mail com os PDFs desses documentos, e eu não percebi que eles tinham adulterações e utilizei eles nos processos. Agi de total boa-fé, não tem nada que possa me afetar, o meu profissionalismo". Nardi disse também que registrou ocorrência na Polícia Civil, acusando a Ello de fraude.