Indenização de R$ 700 mil para a atriz Camila Pitanga


Com atualização monetária e juros de 1% ao mês, chega a R$ 702 mil a condenação que a Editora Abril deverá pagar à atriz Camila Pitanga pelo uso indevido de imagens da artista colhidas - sem autorização - de cenas do filme “Eu receberia as piores notícias de seus lindos lábios” e publicadas na revista Playboy, edição de dezembro de 2012.

A Playboy deixou de ser vendida nas bancas em abril de 2018, quando já era comandada pela PBB Editora Ltda., que  assumiu a publicação da revista no Brasil em 2015, após a Abril desistir de mantê-la em seu catálogo.

A questão judicial chegou até o STJ e a decisão de mérito, favorecendo Camila - que foi vencedora nas instâncias ordinárias - já transitou em julgado. Em fase de cálculos - que ainda podem ser impugnados - o valor foi reconhecido na semana passada na 1ª Vara Cível do Rio de Janeiro. (Proc. nº 0136385-93.2013.8.19.0001).

Para recordar o caso

cinema, de forma consentida e legal, não autorizava a revista Playboy a fazer uso dessa mesma imagem como forma de concretizar a sua cobiça". (Resp nº 1.726.206).

“Eu receberia as piores notícias dos seus lindos lábios”

O filme - com o título acima - foi uma adaptação do romance do escritor Marçal Aquino, publicado em 2005. A história de amor se passa em uma cidade do sertão do Estado do Pará. É um lugar onde todos são estranhos; um perfeito pano de fundo para uma história de amor e sofrimento.

O filme conta a história de Cauby, um fotógrafo de uma revista semanal que resolveu trocar São Paulo pelo interior do Pará. Cético em relação ao amor e devotado à beleza, ele encontra a bela e instável Lavínia (personagem de Camila Pitanga), mulher de um pastor.

Lá ele trabalha em um projeto artístico, o qual pensa que trará novo significado a sua vida. Mas quando encara a ríspida realidade do lugar, e uma mulher imprevisível, o fotógrafo perde o controle sob seu próprio destino ao vivenciar uma história de amor que força a renunciar sua própria identidade e desafiar a morte de uma maneira sangrenta.

Por meio do personagem de Lavínia, o filme também explora a jornada de uma garota pobre, nascida em Vitória (ES) que deixa sua família cruel para viver nas ruas. Sua chance de retornar à sociedade vem na forma de um pastor que, de certa maneira, traz a ela paz emocional. Mas o encontro com o fotógrafo faz as ambiguidades de seu caráter ressurgirem com força renovada.