Inter: cinco derrotas e quatro empates em nove Gre-Nais sucessivos


Há nove clássicos que o Internacional não derrota o seu principal rival - e o mais grave é que em quatro empates e cinco derrotas não marcou nenhum gol.

Jogamos mal, sem ataque, sem meio-campo e com uma zaga inconfiável. Basta verificar que pelo estranho esquema de jogo, o Lomba recebeu mais bolas atrasadas que o Guerrero no ataque. O nosso jogo foi lateral, passes (quando certos), para os lados embora o gol do adversário fique à frente.

É o mínimo: atacar significa avançar rumo à goleira adversária. Caso o gol não ocorra, há uma grande possibilidade de falta, de escanteio ou até mesmo de penalidade.

O técnico Coudet foi incapaz de alterar o esquema de jogo, mesmo com as cinco possibilidades de substituições. Jogamos exatamente da mesma forma antes e depois do intervalo. Esperávamos mais do treinador, que ele soubesse ver o jogo e propor mudanças. Talvez copiando o Caxias ou o Novo Hamburgo o resultado fosse outro.

Mais uma vez estamos fora da final do Gauchão – onde tudo começa na temporada que se quer exitosa. O único título até agora que pode nos orgulhar, já transcorridos três anos e meio, dos quatro anos da atual direção, é o da COPA SÃO PAULO de FUTEBOL JÚNIOR de 2020 – ganhamos cinco vezes o título. O último vencendo um Gre-Nal.

A Copinha São Paulo é considerada a principal vertente para a revelação de novos jogadores. Onde estão os nossos campeões? O nosso tradicional adversário - que atingiu a invencibilidade em nove clássicos - contou com a participação de jogadores da base, inclusive para abrir o placar.

Aguardei as entrevistas do pós-jogo, pensando que ajudariam a entender o que houve. Ledo engano. Primeiro a do dirigente de futebol que, embora muito polido, cordial com o vitorioso, teve um efeito pouco alvissareiro. Aparentou palidez por ausência de sangue na reação – foi burocrático.

A entrevista do Coudet foi trágica, revelando um técnico mais perdido do que cachorro que cai do caminhão de mudança.

O que me fez refletir sobre o Internacional que temos, foi uma postagem do meu amigo Nobrinho, o jornalista José Evaristo: “O Inter começou o ano sendo campeão da Taça São Paulo. De times jovens, todos sabem. Sabem quantos guris estavam em campo nesta quarta? Nenhum.”