O desabafo da advogada ofendida


A advogada Roberta Martins Marinho Vianna Neves que sustentava oralmente, na sessão virtual sediada em Florianópolis,  falara diretamente de seu escritório em Joinville (SC). Logo após sua sustentação oral - enquanto a relatora votava - ela se viu surpreendida pelo disparate verbal, proferido pelo presidente da 3ª Turma do TRT-SC.

O Espaço Vital conversou ontem cedo com Roberta, pretendendo uma entrevista. Ela agradeceu, escusou-se ante a prostração em que ainda se encontrava e - possivelmente, tentando evitar um desabafo mais candente - dispôs-se a enviar uma manifestação escrita. Foi o que fez à tarde.

“Palavras ofensivas à advocacia”

Eis a mensagem.

“Ante as ofensas e palavras de baixo calão proferidas pelo desembargador José Ernesto Manzi contra a minha pessoa, durante sessão de julgamento da 3ª Câmara do TRT da 12ª Região, expresso que o sentimento inicial foi de muita indignação e revolta. Ainda mais quando o contexto da manifestação revela grave falta de respeito a toda categoria de advogadas.

Além de proferir tais palavras, o desembargador, em outra atitude antidemocrática, não me permitiu o contraditório e seguiu proferindo palavras ofensivas à advocacia, em tom pejorativo e totalmente desassociado do que estava em debate nos autos. Este triste episódio não pode se repetir.

Para evitar isso, conto com o apoio que já estou recebendo de vários colegas advogados, da Ordem dos Advogados do Brasil, tanto da Seccional Santa Catarina, quanto da Subseção de Joinville, a quem desde já agradeço.

As providências legais serão pensadas e tomadas a tempo e modo legal”.