EvidĂȘncias em BrasĂ­lia: o romance entre ministra de tribunal superior e ex-deputado


• Segredo NA justiça (1)

Tem ´affair´ novo em Brasília. A “rádio-corredor” do agora contestado Conselho Federal da OAB contou que uma importante ministra de tribunal superior está saindo com um ex-deputado que segue em evidência. “O romance é sério e não apenas um namorico” – repercutiu o jornalista Ascanio Seleme, no jornal O Globo de sábado (14), especulando até que “pode dar casamento”.

Nos cinco tribunais superiores há 14 ministras do gênero feminino. A partir do rol das desimpedidas, não será difícil aos operadores jurídicos palpitar nomes.

•  Segredo NA justiça (2)

O amor é lindo! Sobre o mesmo ´affair´, outra “rádio-corredor” brasiliense difundiu enfoque diferente. É que o ex-deputado mandara entregar flores no sábado, acompanhada de um cartão com versos de José Augusto e Paulo Sérgio Valle, consagrados por Chitãozinho e Xororó, na muito tocada música Evidências (linda letra!).

Sem juridiquês, assim:

“Eu tenho medo de te dar meu coração /
E confessar que eu estou em tuas mãos /
Mas não posso imaginar o que vai ser de mim /
Se eu te perder um dia”.

Para descontrair e fazer uma terça-feira mais amena – apesar da azáfama da semana – arranje quatro minutos e escute “Evidências”. Faz bem à alma.

• Advogado cassado

O carioca José Carlos Lavouras, fugitivo da Lava-Jato, flagrado pelo “Fantástico” em Lisboa, teve cassada pela OAB do Rio, sua inscrição na quarta-feira passada.

Lavouras vem a ser ex-presidente do conselho de administração da Fetranspor, sócio de 13 empresas de ônibus no Rio, encrencado até a medula na Lava-Jato e foragido em Portugal desde 2017.

“É um currículo resumido, mas de bom tamanho” – como sintetizou o jornalista Lauro Jardim, de O Globo.

• Menos um problema para Eike Batista

É que a Corte de Litígios Empresariais de Miami não reconheceu a jurisdição do Estado da Florida para uma ação movida pelos fundos Meridian Trust e American Associated. Estes haviam investido na OGX e em outras empresas do ex-homem mais rico do Brasil.

Assim, Eike Batista, seu filho Thor, e outros seis endinheirados se livraram da ação fundada em fraudes repetitivas. O juiz estadunidense acolheu os argumentos da defesa de que “a Justiça da Florida não tem poderes para julgar o caso, apenas a do Brasil”.

Sorte de Eike: no nosso país a justiça é lenta, toca em rotação diferente e tem fatores supremos.