Dia dos bobos


Por Rafael Berthold, advogado (OAB-RS nº 62.120)

Rafael@seb.adv.br

Faltam ainda 15 minutos quando o advogado chega à agência do INSS, portando o documento que indica a data e o horário agendados: 1º.04, 10h da manhã.

Já passa das 10h quando ele é recebido pela servidora que faz a triagem. Ela indaga:

O que o senhor quer aqui?

Eu só quero protocolar este recurso.

Isso não é aqui, doutor! O senhor tem que entrar pela outra porta, onde tem outra triagem.

O advogado sai do prédio, contorna-o e ingressa pela outra entrada. Encontra mais uma enorme fila. Para piorar, o servidor encarregado da triagem só chega minutos depois. O causídico começa a se preocupar com seus outros compromissos marcados.

Já passam das 11h, quando o advogado é chamado para a segunda triagem.

Só quero protocolar este recurso - informa o profissional da advocacia.

Ok. Aqui está sua senha. Dirija-se à sala nº 3 e aguarde ser chamado.

O advogado encontra a sala nº 3 abarrotada de gente. Constata, pelo monitor, que existem 150 pessoas para serem atendidas antes dele. Então retorna ao setor de triagem para ponderar:

Senhor, eu agendei o protocolo deste recurso para hoje às 10h da manhã. Cheguei antes do horário, passei por duas triagens, e agora sou o número 150 da fila. E observei que, antes de mim, serão atendidos idosos, portadores de necessidades especiais etc. que levarão muito tempo. Eu só quero protocolar este recurso! É o tempo de um carimbo!

Deixe-me ver o seu agendamento!

O atendente analisa o papel, dá uma gargalhada e exclama:

Primeiro de abril! Hoje é dia dos bobos!

O advogado sente-se aliviado.

Quer dizer que era tudo brincadeira?

Não! Só fiz essa constatação ao ver a data aqui no agendamento. O senhor pode ir para o fim da fila aguardar sua chamada.

E não adianta ligar para a ouvidoria, chamar o supervisor, olhar com cara feia, praguejar aos quatro ventos. O advogado só consegue fazer o protocolo duas horas depois.

E isso que, no atendimento final, a servidora chega a exigir os documentos originais de seu representado. Mas diante da insistência do causídico, a moça conversa com o seu superior que libera o protocolo. Ela volta sorridente.

O chefe liberou o protocolo para o senhor. Ele nunca faz isso. Parabéns! Hoje deve ser o seu dia.

E percebendo a ironia, conclui o advogado:

Sem dúvida. Hoje é o meu dia...