Ir para o conteúdo principal

Edição de TERÇA-feira, 13 de novembro de 2018.
http://www.espacovital.com.br/images/smj.jpg

Carteira verde e amarela para flexibilizar encargos da CLT



Chargista Sinfrônio

Imagem da Matéria

• Carteira verde e amarela

Jair Bolsonaro propõe a criação de um documento para jovens de 20 a 25 anos. O documento será voluntário, e quem aderir terá um contrato de trabalho com direitos reduzidos. O objetivo é diminuir custos para gerar empregos. Ainda não está definido se, após a idade limite, o trabalhador poderá optar ao modelo com todos os direitos.

• Fim da unicidade sindical

O candidato do PSL também defende o fim do imposto sindical obrigatório, extinto na reforma trabalhista, mas quer acabar com a unicidade sindical, para permitir que os trabalhadores tenham liberdade para se associar. Atualmente, só é permitido um sindicato por categoria em determinada base territorial (município). Isso assegura uma reserva sindical às entidades.

 Expediente em órgãos públicos

Fernando Haddad propõe o “Meu emprego de volta” para combater o desemprego entre os jovens. Por esse programa, estudantes de ensino médio poderão dar expediente em órgãos públicos e receber uma bolsa de R$ 500 mensais.

 Revogação da reforma

O candidato do PT quer revogar a reforma trabalhista e criar o Estatuto do Trabalho. Quer assegurar um salário mínimo para os trabalhadores intermitentes (por hora) e a redução da jornada de trabalho. Propõe também a volta do imposto sindical.

 Palavras ao vento

Além de ter dado em nada, a tentativa de Fernando Haddad de cooptar Joaquim Barbosa para declarar apoio público à candidatura do petista irritou o ex-presidente do STF.

Barbosa disse a interlocutores da “rádio-corredor” da OAB brasiliense que, na conversa que tiveram, “Haddad não apresentou novidade alguma em seu programa de governo, além das já anunciadas antes do primeiro turno”.

 Língua solta

O TRF da 4ª Região talvez julgue amanhã (24) uma etapa jurídica importante para o destino de Antonio Palocci. A 8ª Turma pautou decidir quais os benefícios a que o ex-ministro de Lula e Dilma terá direito, como decorrência de sua abrangente delação premiada.

Palocci sonha, claro, com o melhor – e que talvez seja impossível: a liberdade imediata.

 Propina educacional

Na delação de Luiz Carlos Velloso, ex-subsecretário de Transportes do Rio de Janeiro e de seu irmão Juscelino, sobre a suposta propina (R$ 2.140.000) que teria sido paga ao gaúcho Augusto Nardes, chamam a atenção dois documentos – digamos – “educacionais”.

São dois boletos de anuidades escolares (um de R$ 5.100; o outro de R$ 5.700) pagos à Escola Americana de Brasília, em suposto benefício dos filhos do ministro do Tribunal de Contas da União. Na espera dos próximos capítulos, o TCU já decidiu que o afastamento de Nardes não está nas conjeturas imediatas. Só acontecerá se houver a abertura de uma ação penal. Coisa para, talvez, 2019.

A ex-presidente Dilma está estocando esperanças.

 Penduricalho conjugal

Vazou outro trecho da gravação do ex-juiz federal Wilson Witzel (PSC), candidato ao governo do Rio, ensinando – sem cerimônia - a colegas a engenharia financeira para aumentar seus vencimentos.

Além do truque para driblar a tesouraria da Justiça Federal, Witzel revela textualmente: “A Bolsa caiu, eu coloco meu dinheiro lá. Eu sou arrojado. Minha mulher é advogada e tem dinheiro, então posso ser arrojado”.

 No cardápio de Moro

O Ministério Público Federal no Paraná decidiu, na sexta-feira, dar continuidade ao indiciamento de Abílio Diniz e da antiga cúpula da BRF (dona da Sadia e da Perdigão).

A capitulação: organização criminosa, estelionato, crime contra a saúde pública e falsidade ideológica. Pratos jurídicos congelados e apimentados.

 Oportunistas

Ao pedir à Frente Parlamentar da Agricultura a indicação de um possível candidato ao Ministério da Agricultura, para um eventual governo, Jair Bolsonaro atiçou o grupo formado por 261 deputados e senadores. Destes, alguns já falam na edição de uma medida provisória do início de 2019 perdoando dívida dos produtores com o Funrural, estimada em R$ 17 bilhões.

O programa de parcelamento de débitos que acaba em novembro teve modesta adesão no campo. Os devedores estão apostando caraminguás.


Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Vende-se, “cash”, uma excelente adega por R$ 10 milhões

 O caso tem também detalhes gaúchos: viníferos, financeiros e advocatícios.

  Os gastos dos cartões corporativos para atender Alvorada e Jaburu. E não se fala na mala de Rocha Loures.

  Petrobras vai continuar investindo no circo da Fórmula 1.

  O empoderamento feminino na OAB do Rio de Janeiro.

  Remoção do entulho autoritário: mais de 5.000 atos baixados pelas agências “reguladoras”.

Se alguém souber responder, é favor avisar!

 Ensinamentos de Celso de Mello sobre a publicidade dos processos.

 TST decide, em caso gaúcho, que xixi de criança não é insalubre.

• E o manuseio do “número 2” causa insalubridade?

 Ação judicial de empresário para diminuir sua idade em 20 anos

A pergunta de terça-feira: Até quando José Dirceu continuará solto?

 O sonho de Lula que depende de Gilmar...

 Em Brasília, o novel político que quer saber o tamanho da cama no apartamento funcional, onde irá morar com o namorado.

 O período de graça de Bolsonaro vai até 31 de março.

 A função extra de Sérgio Moro: brecar políticos interessados em cargos.

  Os excelentíssimos salários no Superior Tribunal Militar.

  PSL prepara-se para ser o novo rico de 2019.

 O embarque fétido no terminal 2 do Aeroporto Salgado Filho, em Porto Alegre.

 A dúvida do STJ: fornece ou não fornece?

Bolsonaro convida Moro para o Ministério da Justiça

 Mas o juiz federal paranaense só deve aceitar indicação para o STF, provavelmente em 2020, quando Celso de Mello se aposentar compulsoriamente.

 E que tal se Gilmar Mendes resolver antecipadamente jubilar-se, para residir em Lisboa?

  Ayres Britto e Carlos Velloso: alternativas, para janeiro, no Ministério da Justiça.

  O temor do domingo 28, vivido por ministros do TSE.

  Aumento de 50% do interesse de brasileiros morarem em Portugal.

Senador condenado é autorizado pelo STF a realizar trabalho externo no... Senado!

 A simpatia de Bolsonaro por Sérgio Moro pode fazê-lo ministro no Supremo em 2020.

 STJ publica quatro novos temas na Pesquisa Pronta.

 TRE-RS constata que 115 mil gaúchos anularam o voto ao teclarem o ´17´ para governador.

 Inconstitucional lei de Pelotas (RS) que obrigava supermercados a colocarem empacotadores.

 Suspensão da CNH de lojista que devia R$ 80 mil, mas figurava bem nas redes sociais.

“Não existe político no céu”

 Uma anotação em antigo caderninho de notas, encontrado pela PF, na busca e apreensão na casa de uma agente pública enrolada.

• Um conselho de Lula a Haddad: “Nos debates, olhar para a câmera e responder o que bem entender, mesmo que não tenha nada a ver com a pergunta”.

 466 mulheres humildes – gestantes ou lactantes – presas em masmorras brasileiras. E José Dirceu, condenado a 30 anos, solto por aí. Todos são iguais perante a lei?

• O sonho de um compositor brasileiro: “Um país minimamente igualitário em etnias e oportunidades, tendo os três poderes sob ótica, orientação e condução femininas”.

 Os codinomes de Geddel e do mano Lúcio: “Carainho e Bitelo”.

 CCJ aprova projeto que cria juizados especiais criminais para crimes cometidos pela internet.