Ir para o conteúdo principal

Edição (antecipada) de quinta-feira, 11 de outubro de 2018.

Cristian Cravinhos é condenado a 4 anos e 8 meses por tentativa de suborno



Fotos: Polícia Civil de S. Paulo

Imagem da Matéria

Cristian Cravinhos, 43 de idade atual, um dos autores dos crimes no caso Suzane von Richtofen – ocorridos em 31 de outubro de 2002 - foi condenado na segunda-feira (8) , no Fórum de Sorocaba, a quatro anos e oito meses de prisão, em regime fechado pelo crime de corrupção ativa. Cravinhos já havia cumprido parte da pena após a condenação a 38 anos e meio de prisão pela morte de Manfred e Marísia Von Richthofen – e, assim, estava em regime aberto.

A nova condenação se refere a uma tentativa de suborno feita por Cristian a policiais militares para que não fosse preso em um bar de Sorocaba, no interior de São Paulo. O fato ocorreu no dia 17 de abril de 2018. Na ocasião, Cravinhos – abordado após agredir a mulher com quem matinha relacionamento - foi detido com munição calibre 9 milímetros, de uso restrito, sem ter autorização. Nas mesmas circunstâncias, ofereceu o valor de R$ 1.000,00 aos policiais militares para que não o prendessem.

Cravinhos negou as acusações de agressão, porém quando os policiais pediram a documentação, verificaram de quem se tratava de Cristian Cravinhos. Questionaram, então, se o acusado estava com o alvará de progressão do regime – a resposta foi negativa.

De acordo com a nova decisão judicial, Cravinhos iniciará o cumprimento da pena no regime fechado, em razão da reincidência e das circunstâncias judiciais desfavoráveis.

"O réu permanece preso cautelarmente desde 18 de abril de 2018 e, considerando o montante da pena aplicada, observo que ele ainda não cumpriu 1/6 (um sexto) de sua pena privativas de liberdade durante o curso do processo, motivo pelo qual não faz jus à adequação, permanecendo o regime inicial fechado", diz a decisão. Esta estabeleceu também que o réu não poderá apelar em liberdade.

Na decisão a magistrada Margarete Pellizari afirma que "a custódia deve de ser mantida, pela necessidade de garantia da ordem pública, levando-se em conta o desrespeito à Justiça e, mais ainda, a uma das mais respeitáveis instituições, a Polícia Militar".

O julgado monocrático arremata que Cravinhos “foi condenado a altíssima pena por crime de homicídio triplamente qualificado e, em cumprimento de pena, livre por concessão de benesse executória, voltou a ser condenado por tentativa de corromper dois agentes públicos".


Envie seu Comentário

Comentário
Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Espaço Vital.

Se for advogado(a) ou estagiário (a), informe qual a sua Seccional da OAB e o número de sua inscrição.




Mensagem (Máximo 500 caracteres)
Não devem ser usadas palavras inteiras em maiúsculas

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Dois advogados condenados por organização criminosa

As penas somadas chegam a 55 anos de reclusão. Após o ajuizamento de milhares de ações, os acusados apropriavam-se ilicitamente de valores pagos a título de acordo com a parte contrária, ou após indenização por sentença judicial.

MPF pede nova condenação de Lula por corrupção passiva e lavagem de dinheiro

Pedido foi feito, ontem (4), em Curitiba, em ação penal que trata do terreno para o Instituto Lula. As razões finais de acusação abordam o “esquema criminoso de desvio de recursos públicos destinados a enriquecer ilicitamente". Defesa do ex-presidente diz, em nota, que o ex-presidente será absolvido quando for julgado por um "juiz imparcial, isento e independente".

Tiroteio em fórum: juiz baleado e atirador morto

Foi em Vila Rocha, a 1.276 km de Cuiabá (MT). O homem foi ao gabinete do magistrado armado com um revólver calibre 22 e ambos entraram em luta corporal. Ainda de acordo com a Polícia Militar, o suspeito era réu em uma ação por homicídio.