Ir para o conteúdo principal

Edição (antecipada) de quinta-feira, 11 de outubro de 2018.
http://www.espacovital.com.br/images/smj.jpg

Juíza que já foi Miss Distrito Federal estará na equipe de Tóffoli no STF



Foto de Cassiano Grandi

Imagem da Matéria

• Uma beldade no Supremo

Sem confirmação oficial, mas também sem desmentidos, a notícia foi revelada pelo jornalista Irineu Tamanini, que atua no eixo Brasília-Rio de Janeiro desde 1976. Ele já chefiou as assessorias de imprensa do STF, STJ, TSE, TST e Conselho Federal da OAB.

É dele a informação inicial de que o novo presidente do Supremo, Dias Toffoli, acaba de recrutar a mais bela juíza do país para a sua assessoria. Trata-se de Alessandra Baldini, 31 anos, juíza federal do TRF da 1ª Região, ora classificada em Cruzeiro do Sul (AC). Uma foto dela ilustra este “Salvo Melhor Juízo” de hoje.

A repercussão não está na grande mídia, mas em menores veículos de comunicação e na mídia alternativa e independente.

O Espaço Vital complementa: Alessandra Baldini, brasiliense de nascimento, ex-modelo internacional e ex-miss Distrito Federal (2011), assumiu o cargo de juíza federal em janeiro de 2015. Além de nomeada para o TRF-1, foi aprovada antes em outros cinco concursos, em três anos: especialista em regulação da Agencia Nacional de Aviação Civil (Anac), analista do STF, analista do STJ, defensora pública e procuradora do Banco Central.

A “rádio-corredor” da pequena OAB do Acre (1.428 advogadas e 1.858 advogados) – Estado onde Alessandra ainda presta jurisdição – irradiou elogios: “Uma linda mulher, talvez a mais bonita juíza do Brasil, magistrada atuante e competente”.

E transmitiu também uma sutil comparação: “Com sua inteligência, a Doutora Alessandra fez o que o seu mais novo chefe não conseguiu: prestou concursos públicos e foi várias vezes aprovada”.

• “Trabalhar menos e ganhar mais”

No desagravo concedido ontem (17) pelo Conselho Federal da OAB à advogada que foi algemada e presa por exigir o cumprimento de uma previsão processual, o presidente da OAB carioca, Felipe Santa Cruz, foi uma voz candente: “Não somente houve uma violência contra a advocacia, mas contra a mulher. A forma heterogênea de pensar não pode ser capaz de nos segregar”, apontou.

Santa Cruz se referiu ainda à juíza leiga Ethel de Vasconcellos que ordenou a violência: “Quem algema advogado não é advogado e não pode ter carteira da Ordem no bolso”.

E deu uma alfinetada final: “O Judiciário brasileiro, cheio de autoridade, vem se construindo baseado em um binômio: trabalhar menos e ganhar mais”.

• “Vai faltar algema”

Muito emocionada, a advogada Valéria Lúcia dos Santos foi a última a se pronunciar no ato. Ela estava com a voz embargada:

“Estudei muito para ser advogada. Recebi manifestações de centenas de colegas. As mulheres são as que mais sofrem no exercício da advocacia e um depoimento me marcou muito: o de uma advogada que me disse que segue meu exemplo de destemor. A ela eu respondi: ‘Vai faltar algema´”.

O público presente – cerca de 300 pessoas, protegendo-se com guarda-chuvas à frente do Fórum de Duque de Caxias (RJ), onde chovia muito - então, entoou e repetiu o grito: “Vai faltar algema, vai faltar algema”.

• Cruz, credo!

Chegou ao staff de Jair Bolsonaro um ricochete informativo com passagens em Buenos Aires. Ali trata-se com extrema atenção uma informação passada pessoalmente por agentes do Mossad, serviço de inteligência de Israel. Eles teriam alertado as autoridades argentinas que integrantes do Hezbollah fariam duas vítimas na América do Sul: Maurício Macri e Jair Bolsonaro.

A história pode ser rocambolesca, mas é levada a sério na Casa Rosada.

• Mero calendário

Nada a ver com os EUA, mas o lançamento da campanha de Haddad à eleição presidencial teve uma coisa chata.

Foi em 11 de setembro. A data lembra a tragédia da queda das torres gêmeas.

Façam o que eu digo…

Tramita no Senado um projeto de lei (nº 170/2017) que torna inelegíveis os devedores da Fazenda Pública. O autor é... Romário, que tem R$ 657.700 inscritos, em seu nome, na dívida ativa para com a União. Ou seja: se o projeto já tivesse sido aprovado, o senador não poderia concorrer a governador do Rio.

Lembram do ditado “Façam o que eu digo, não façam o que eu faço”?

Faz sentido.

 Programem suas férias!

O Órgão Especial do TJRS aprovou ontem (17), em sessão administrativa, pedido da OAB-RS de suspensão dos prazos processuais, audiências e julgamentos no período entre 20 de dezembro de 2018 e 20 de janeiro de 2019.

A medida, aprovada por unanimidade, também veda, no período, a publicação de notas de expediente.


Comentários

Astor Aze4redo - Consultor 18.09.18 | 15:28:08

11 de setembro golpe contra Allende não poderia ser data melhor. Aqui também deram golpe na candidatura

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Um presente irônico que resultou em condenação judicial

Psicóloga porto-alegrense deu um par de sapatos femininos, de saltos altos, a um recepcionista de academia. Dias antes, os dois tinham discutido sobre o local adequado para que ela fizesse os seus exercícios de glúteos.

Eleições na OAB-RS serão no dia 30 de novembro, no Gigantinho

  Prazo para a inscrição das chapas da advocacia gaúcha vai até 30 de outubro.

  STF decidirá em 5 de dezembro a constitucionalidade de lei sobre os aplicativos (Uber, Cabify, etc.) no Brasil.

  Novecentas medidas provisórias exóticas renderam propinas.

  Sérgio Cabral: 132 anos de prisão (até agora).

  O jeito empolado de Geraldo Alckmin conversar...

Na Assembleia Legislativa do RS o desprezo a cadeirantes

•  Advogada que usava cadeira de rodas constatou que os elevadores estavam estragados e não havia rampas para acesso ao Auditório Dante Barone.

Conhecem a agência General Câmara, do Banrisul? Ela não aceita cheques...

•  Pesquisa revela Alckmin como funcionário público; Marina Silva, enfermeira; e Henrique Meirelles, professor de matemática.

Ação milionária de funcionária contra o Facebook por trauma mental

• Após nove meses de trabalho, moderadora de conteúdo diz não ter apoio para a superação de danos inerentes à profissão. São milhares de vídeos a revisar: “imagens e transmissões ao vivo de abuso sexual infantil, estupro, tortura, bestialidade, decapitações, suicídio e assassinato”.

 Vice-presidente do TJRS explica sobre as dificuldades de acesso aos Juizados Especiais do Foro Central de Porto Alegre.

 Sentença em ação civil pública determina que Editora Abril reintegre 100 trabalhadores, demitidos desde dezembro.

Lavagem de carros: desde o simples ´Serviço Aécio Neves´ (“só aspirar”) até o ´Serviço Lula´ (“completo”).

•  Os preços em lava-jato paulistano variam de R$ 5 a R$ 45.

•  Nos oito anos de Lula e nos cinco anos de Dilma, 99 nomeações de magistrados, nos cinco tribunais superiores e no TRF da 4ª Região.

•  Divergências sobre o controle acionário do Rock in Rio serão decididas em juízo.

•  Novela “O Segundo Sol” vai terminar em delação premiada.

•  Procurador Roger Villarinho nomeado desembargador do TRT da 4ª Região

Em um ano 3,4 milhões de reclamações contra a telefonia brasileira

• Entrementes, das multas dos últimos seis meses (R$ 1,23 bilhão), aplicadas às empresas, só foram pagos R$ 315 milhões.

 Homenagem à primeira mulher da advocacia brasileira.

• INPI concede à estadunidense Gilead Pharmasset (Princeton, NJ, EUA) a patente do “sofosbuvir”: é o remédio usado no tratamento da hepatite C. O custo do tratamento por paciente, em 12 semanas, é de R$ 16 mil.

 Corrupção brasileira ganha exposição em ópera que está sendo exibida em Milão.

 Defensoria Pública defende PMs que algemaram advogada negra: “Resistência e fundado receio de fuga”...