Ir para o conteúdo principal

Edição (antecipada) de quinta-feira, 11 de outubro de 2018.

O surpreendente maranhão



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

O fato se passa numa audiência criminal de conciliação. O casal havia se separado. Depois disso, o ex-marido teria ameaçado a esposa, o que os leva ao fórum para a resolução da pendenga.

A juíza, conciliadora de reconhecido talento, expõe a vantagem da transação e do consequente arquivamento. A mulher concorda em nome da paz, mas exige que o marido lhe entregue “os meus bens pessoais que ficaram na casa dele”.

O marido, previdente, diz que “não há problemas, inclusive estou com os tais bens em meu carro”. Prontifica-se a buscá-los.

Suspensa a audiência por poucos minutos, o homem vai até seu veículo e volta com uma caixa. Coloca-a no chão e, de seu interior, começa a retirar peças e objetos, colocando-os sobre a mesa. A primeira é uma calcinha “sexy”.

- Lembra-se, foi comprada em Paris? – ele provoca.

A mulher dá de ombros. A segunda peça é o sutiã:

- Sem o porta-seios, a calcinha não teria valor, pegue e faça bom uso – diz o homem.

A mulher continua calada, com a cara amarrada. A terceira peça é... – imagine o leitor.

Você não iria poder viver sem ele – o homem então coloca em cima da mesa um sugestivo artefato erótico de silicone.

Nesse momento, a mulher explode:

Guarde isso para você. Isso não é meu... Que absurdo!

Seguem-se palavras de baixo calão, de parte a parte.

É seu!

Não é meu!

É seu, sim senhora. Você até o apelidou de maranhão...

- Mentiroso, safadão, tu é que usavas ele...

A juíza, ruborizada, intervém:

Tirem o maranhão daqui, ou chamo a polícia.

Ninguém toma a iniciativa e, assim, o maranhão jaz sobre a mesa. A juíza reitera: vai chamar a polícia. É aí que o advogado do marido diz que resolveria o problema: pega o maranhão e, conciliador, o enfia embaixo do próprio paletó.

Assinado o acordo, todos deixam a sala. O advogado do marido imediatamente atira o maranhão na lata de lixo do andar.

Com a azáfama, muitas pessoas vão chegando para saciar a curiosidade. Então chega uma servente:

O que é que está acontecendo?

Detalhadamente informada, a serviçal se aproxima, pega o maranhão, enrola-o em um jornal e o leva embora.

A partir da semana seguinte, conta a “rádio-corredor” forense que a servente chega sempre ao trabalho com um sorriso nos lábios, exalando felicidade.

>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>
Resumido a partir de um texto do desembargador Gilberto Ferreira (TJ-PR), publicado em “A Justiça Além dos Autos”, editado pelo CNJ (2016).


Comentários

Izaias Tavares Silvi - Estágiario 18.09.18 | 17:14:42

Kkkkkkkk , essa foi demais!

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

A sogra, ou a soga?

 

A sogra, ou a soga?

“A ação de usucapião ajuizada no foro de cidade próxima ao litoral norte gaúcho se referia a uma pequena área de terra, que passou a ser valiosa porque a cidade cresceu para aqueles lados”. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.

Charge de Gerson Kauer

   Castigo financeiro e caligráfico

 

Castigo financeiro e caligráfico

Autor de 45 ligações obscenas a uma massagista, um homem torpe foi condenado a pagar reparação moral. A vítima concordou em reduzir e parcelar o valor indenizatório só depois que o depravado capitulou: teve que escrever 200 vezes, em apurada caligrafia, que as mulheres devem ser respeitadas.

Charge de Gerson Kauer

O juiz dono da bola

 

O juiz dono da bola

A história do magistrado que – num dos habituais jogos de confraternização da turma forense – foi atingido nos ´países baixos´ por um forte chute dado pelo promotor. E a sentença verbal, proclamada ali mesmo: “O jogo está violento, eu disse que não valia bomba. Então decido: a bola está confiscada pela Justiça”.O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.

Charge de Gerson Kauer

“O seu nome é Fátima, doutor?”

 

“O seu nome é Fátima, doutor?”

Há alguns nomes próprios que se prestam a confusões de gênero, como Darcy, Abigail e Nadir. Entretanto, não se conhece nenhum registro de homem chamado Fátima. Só que a jovem juíza faz uma pergunta típica à estultícia...