Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 21 de setembro de 2018.

Advogada é algemada e retirada de audiência



A advogada carioca Valéria dos Santos foi algemada e retirada de uma sala de audiências, enquanto exercia a profissão, nesta segunda-feira (10), no 3º JEC da comarca de Duque de Caxias (RJ). O nome da juíza leiga não foi divulgado.

Pelas imagens e som se percebe que a advogada – que está acompanhada de sua cliente, autora da ação - pede para acessar e impugnar pontos da contestação do réu, mas é informada que a audiência já está encerrada.

Segundo a OAB carioca, a juíza leiga teria solicitado que a advogada aguardasse fora da sala, mas, como ela insistiu em ver a contestação e permanecer até a chegada de um representante da OAB, a polícia foi chamada para forçá-la a se retirar.

A Comissão de Prerrogativa da OAB-RJ foi avisada do ocorrido por meio de grupo de plantão de prerrogativas no Whatsapp. Nos vídeos, é possível ver a advogada sentada à mesa de audiências requerendo a presença de delegado da Ordem, e a juíza leiga determinando que a profissional da advocacia saísse.

Ainda de acordo com a OAB carioca um representante da seccional se deslocou ao local e acompanhou o caso, tendo solicitado a retirada das algemas, o que foi atendido. 

"Nada justifica o tratamento dado à colega, que denota somente a crescente criminalização de nossa classe. Iremos atrás de todos os que perpetraram esse flagrante abuso de autoridade. Juntos somos fortes” - afirmou o presidente da Comissão de Prerrogativas, Luciano Bandeira.

Veja as imagens no Youtube, que foram disponibilizadas pelo saite Migalhas.


Comentários

Odete Oliveira Maggi - Advogada 12.09.18 | 15:41:50

É inadmissível a voz de prisão a uma colega advogada em pleno exercício de sua profissão. Imagino se essa conciliadora uma dia chegar a ser togada! Ah... mas isso jamais deve acontecer! Espero que passe a ter, a partir desse acontecimento de completo abuso de autoridade, um passado comprometedor. Minhas condolências à colega advogada.

Ricardo Scherer - Advogado 12.09.18 | 09:28:03
É lamentável o que fizeram com esta colega, são pessoas despreparadas e o mais grave é que a advogada estava requerendo algo totalmente viável e de direito. Sempre fui contra a atuação de juiz leigo, inclusive a própria denominação "leigo" e seu significado, ao meu ver é inconciliável com a função.
Valdecir Valério Lopes Da Silva - Advogado 11.09.18 | 22:08:57

É inadmissível que uma juíza leiga tome medidas com poder de polícia para cercear o direito profissional de uma advogada na defesa dos direitos de sua cliente e com grave violação das prerrogativas profissionais no exercício da profissão. Falta competência à Polícia e ao Judiciário que não impediu tamanha arbitrariedade, criando deplorável situação de constrangimento.

Sergio Araujo - Aposentado 11.09.18 | 21:37:37
É lamentável e absurdo o que ocorreu na sala de audiências. Total falta de consideração e respeito por parte de quem presidia a solenidade para com a advogada da parte que estava a exercer o sagrado e legitimo direito de defesa de sua constituinte. Verdadeiro abuso de autoridade. E o TJ/RJ o que fará a respeito?
Hélio De Jesus Da Silva - Advogado 11.09.18 | 14:42:28
Por essas e outras que sou totalmente contra audiência presidida por conciliador e juiz(a) leigo(a).
São incompetentes em todos os sentidos.
Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Projeto de lei estabelece que OAB prestará contas

A movimentação financeira se submeterá a parecer do MPF. O projeto também altera o Estatuto da Advocacia, ao estabelecer que apenas uma inscrição será suficiente para o advogado atuar em todos os Estados.

Desagravo para advogada intimidada por juiz trabalhista

A profissional da advocacia Simone Batista foi destratada pelo magistrado André Ibanos Pereira, na 7ª Vara do Trabalho de Porto Alegre. “A sala de audiências virou palco de abuso de poder, com o magistrado agindo de forma arrogante e intimidadora” – diz a nota da OAB-RS, lida durante a solenidade.