Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira, 21 de agosto de 2018.

A questionável intervenção do Judiciário nas declarações de vontade de esfera privada



Por Marcelo Santagada de Aguiar, advogado (OAB-RS nº 41.900)

Estas linhas são motivadas por notícia recebida no Boletim n° 538 do IBDFAM – Instituto Brasileiro de Direito de Família (www.ibdfam.org.br), que noticiava a inclusão, por ordem de juiz de direito do Estado de Minas Gerais, de netas em testamento de avó que dispunha sob a parte disponível do patrimônio, sob alegação de que foram preteridas por serem filhas fora do casamento do pai. (Proc. nº 0058435-49).

Tomando o cuidado para não cometer leviandades - até porque não conheço a íntegra dos autos ou do testamento - mas a decisão merece críticas em razão da essência, da questão de fundo, explica-se.

Em terras democráticas, onde a Constituição Federal garante a liberdade pessoal, a liberdade de pensar, falar, de ter religião, de ser proprietário, de empreender, de lucrar, entre outras, não nos parece justificável a intervenção judicial estatal na esfera privada da vontade da forma como ocorreu.

Tratando-se da parte disponível do patrimônio, definida claramente pelo Código Civil como aquela parte que a pessoa falecida pode deixar para quem bem entender (vide, por exemplo, os artigos 1.789 e 1850 do CC), inclusive pessoas ou entidades estranhas à família (e em alguns países sabe-se que deixam até para animais de estimação), não se mostra adequada a “correção” de eventual injustiça pelo poder público.

De salientar que a disposição da parte disponível do patrimônio depende unicamente da vontade íntima do testador, sem vinculações ou regramentos, além daqueles referentes ao vício de vontade, é claro. Portanto parece-me absolutamente abusivo o poder estatal acolher questionamento acerca da vontade íntima de uma pessoa.

Nos tempos que vivemos, onde se tem exacerbado protagonismo judicial, derivado de celeumas várias advindas dos outros poderes, não podemos cometer a insanidade de permitir que o Poder Judiciário estenda suas decisões também ao alcance da vontade íntima do cidadão.

Em paralelo absurdo, mas cabível, seria como o Poder Judiciário poder determinar ou forçar alguém a comer algum alimento de que não gosta, beber a bebida que o juiz entende correta - ou seja, avançar sobre a esfera íntima da pessoa e de sua vontade.

No caso em comento, tratando-se de decisão de primeiro grau, se espera que os graus superiores de jurisdição terminem por reformar a decisão, mantendo o Poder Judiciário distante da esfera íntima e privada da vontade, como deve ser.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Arte EV sobre foto meramente ilustrativa de Maysaweippert

A surreal história do advogado que socorreu mulher agredida e... levou um soco!

 

A surreal história do advogado que socorreu mulher agredida e... levou um soco!

“Ela estava levando uma surra, era uma tentativa de homicídio, no perímetro urbano de Xangri-lá (RS). Insistentemente chamada, a polícia não veio. Pra finalizar, a mulher vítima, gravemente lesionada – interrogada mais tarde na delegacia - perdoou o companheiro. Chorei por aquelas a quem falta coragem e pelas que não têm amor próprio”. Relato do advogado André S. Schleich.

Chargista Quinho

Arrumei um emprego de ministro do Supremo!

 

Arrumei um emprego de ministro do Supremo!

“Teve ministro que desrespeitou a Constituição, mantendo os direitos políticos de pessoa que teve seu mandato cassado. (...) Dá para ganhar uns R$ 650 mil ano. (...) Um mandou soltar o afilhado de casamento. (...)E se for bem discreto, dá pra pegar carona em jatinhos e ir a festinhas de arromba em ilhas privadas”. Artigo do jornalista Ascânio Seleme, publicado no jornal O Globo.

Charge do saite Mais Vale Saber

Do sonho ao pesadelo

 

Do sonho ao pesadelo

“Voo atrasado, ou cancelado e extravio de bagagem. As companhias aéreas fazem um cálculo do custo/benefício, preferindo transferir ao consumidor o ônus advindo de suas falhas, ao invés de ampará-lo”. Artigo do advogado Júlio Sá.

Justiça na era digital: a tecnologia como personagem processual

“Considera-se ´tempo morto´ a fase em que o processo fica parado no cartório, aguardando rotinas ordinatórias. Não é difícil que uma simples comunicação processual por carta leve meses, principalmente se em outro Estado da federação”.Artigo do advogado Renan De Quintal.

Diversidade e complexidade: um movimento de oposição para mudar a composição da OAB-RS

Os problemas da classe são objetivos e vão muito além da inauguração de sedes. Eles estão na ponta do exercício profissional cuja voz não chega até o pomposo CUBO (...). Para preservar interesses dos grandes escritórios, a entidade não se dispõe a discutir projeto de lei sobre o piso de contratação”. Artigo das advogadas Luciane Toss e Bernadete Kurtz.