Ir para o conteúdo principal

Edição (antecipada) de quinta-feira, 11 de outubro de 2018.

O direito de amar



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Depois de quase quatro meses de confinamento na casa global, a vencedora do insuportável – mas famoso – Big Brother Brasil recebeu o cheque nominal com a grana pesada, foi ao banco, fez o depósito e – orientada por um sincero gerente – aplicou o montante “numa aplicação de fôlego, mas pouco risco”.

De sobremesa, também contratou seguro total para o Fiesta que, ali mesmo, adquiriu financiado, com juros de 1,99% ao mês.

Saindo do banco, a beldade deu o “aviso imediato” ao companheiro:

- Tu, agora, és o meu ex-bem. Eu tô famosa, boa grana na conta, não te amo mais e estou mudando de vida. Vou tentar a carreira artística.

E se foi a morar num hotel quatro estrelas, de cidade praiana carioca. Cinco dias depois, ela foi citada como ré numa “ação de dissolução de união estável, com partilha de bens”. Nela, o ex-marido sustentou o direito à metade do valor do prêmio – “ainda mais pelo período forçado de abstinência, enquanto a ré se refestelava generosamente perante as câmeras ocultas e outras nem tanto”.

Complementarmente, o ex-gostosão cumulou pedido de reparação por dano moral, por ter ela causado constrangimento “dando causa à infidelidade quando trocou beijos e carícias com outro integrante do programa, mesmo ela alardeando antes que tinha uma pessoa lá fora".

O juiz julgou antecipadamente e indeferiu “os despropositados pedidos masculinos”.

Conforme o julgado, não houve participação alguma do autor no “premiado florescimento da conta da ex-companheira” (...) “e ademais, o mero descumprimento do dever de fidelidade desacompanhado de ilícito de natureza civil não autoriza compensação pecuniária, pois a escolha de outra pessoa é imanente ao direito de amar".

Transitou em julgado. Na agência bancária da cidade praiana, conta-se – apesar do sigilo bancário - que o saldo da conta da ex-BBB continua encolhendo.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

A sogra, ou a soga?

 

A sogra, ou a soga?

“A ação de usucapião ajuizada no foro de cidade próxima ao litoral norte gaúcho se referia a uma pequena área de terra, que passou a ser valiosa porque a cidade cresceu para aqueles lados”. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.

Charge de Gerson Kauer

   Castigo financeiro e caligráfico

 

Castigo financeiro e caligráfico

Autor de 45 ligações obscenas a uma massagista, um homem torpe foi condenado a pagar reparação moral. A vítima concordou em reduzir e parcelar o valor indenizatório só depois que o depravado capitulou: teve que escrever 200 vezes, em apurada caligrafia, que as mulheres devem ser respeitadas.

Charge de Gerson Kauer

O surpreendente maranhão

 

O surpreendente maranhão

O insólito acontecimento durante a protocolar audiência: na conciliação processual de um casal que se separara, surge à mesa um sugestivo artefato erótico de silicone. A juíza ameaça chamar a polícia. E a solução é esconder o objeto provocador do (suposto) prazer por baixo do paletó de um dos advogados.

Charge de Gerson Kauer

O juiz dono da bola

 

O juiz dono da bola

A história do magistrado que – num dos habituais jogos de confraternização da turma forense – foi atingido nos ´países baixos´ por um forte chute dado pelo promotor. E a sentença verbal, proclamada ali mesmo: “O jogo está violento, eu disse que não valia bomba. Então decido: a bola está confiscada pela Justiça”.O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.