Ir para o conteúdo principal

Edição sexta-feira , 20 de julho de 2018.
http://www.espacovital.com.br/images/mab_123_13.jpg

Dez meses de embrulho jurídico do caso que sacudiu advocacia e magistratura de Santa Catarina



Arte de Camila Adamoli

Imagem da Matéria

 “Este julgamento aqui é comprado”

Lembram de um incidente ocorrido na sala de sessões da 1ª Câmara de Direito Civil do TJ de Santa Catarina, em 3 de agosto do ano passado? Um advogado, na tribuna, denunciou que o julgamento tinha sido negociado. No mesmo dia, o incidente foi relatado jornalisticamente, com primazia, pelo Espaço Vital. Recordem os fatos:

  O advogado catarinense Felisberto Odilon Córdova acusou diretamente o então desembargador Eduardo Gallo Mattos Júnior de pedir propina de R$ 700 mil para julgar favoravelmente o recurso de agravo de instrumento, derivado de ação que tramita na comarca de Criciúma (SC).

  Após o voto do relator, desembargador Eduardo Gallo, o advogado pediu uma questão de ordem e foi à tribuna: "O julgamento que está acontecendo aqui é comprado. Eu estou fazendo uma denúncia. Esse cidadão foi abordado com uma proposta que veio do Rio de Janeiro, para receber R$ 500 mil; R$ 250 mil antes, R$ 250 mil depois. E o descarado chegou a mandar para o nosso escritório, que poderíamos cobrir isso por R$ 700 mil" - afirmou.

  Demonstrando profunda inconformidade, o advogado falou alto, gesticulou e chegou a bater em seus próprios óculos que caíram. E prosseguiu: "Isso aqui não é a Câmara dos Deputados, nem o Senado. Isso aqui é um Tribunal de Justiça, e é preciso que a moralidade surja e venha a termo".

  Um vídeo foi gravado com celular por um circunstante – e viralizou nos dias seguintes pelas redes sociais, tendo também sido postado no Youtube. As imagens e o áudio revelam que o advogado também se referiu ao desembargador com os termos “descarado”, "safado" e "vagabundo".

  O magistrado Gallo retrucou, dirigindo-se ao presidente da câmara: “Eu não vou admitir que um advogado me chame de vagabundo e que Vossa Excelência não tome providências. Eu nunca passei por isso na minha vida, eu tenho 25 anos de magistratura. Eu requeiro a prisão do advogado".

 Em seguida, houve a intervenção de terceiros (parecem ser advogados e um servidor da Casa) que procuraram acalmar o advogado denunciante, conduzindo-o para fora da sala de sessões. O advogado – antes de sair - ainda diz ao julgador Gallo que “vou quebrar a tua cara”.

  Em seguida, o desembargador Artur Jenichen Filho – que seria o vogal no julgamento - se manifestou pela “necessidade de refletir sobre uma eventual suspeição, diante dos gravíssimos fatos imputados da tribuna, em face da afirmação de que o julgamento estaria comprometido”.

  Para resolver o impasse, o presidente do colegiado, desembargador Raulino Brünning, pediu vista dos autos, suspendeu o julgamento, mandou oficiar ao Ministério Público e à OAB-SC para acompanharem o caso e encaminhou os autos à presidência do tribunal.

Estes são os fatos pretéritos.

 O desembargador Gallo fora!

Este mês, na sexta-feira 15, o Órgão Especial do TJ-SC, por maioria, excluiu o desembargador Gallo dos quadros da corte – não em função das acusações formuladas pelo advogado Felisberto Córdova, que até agora não foram provadas - mas em decorrência de outras situações.

Gallo já estava preventivamente afastado de suas funções desde 15 de dezembro passado.

Entrementes, na presidência da corte catarinense, o desembargador Rodrigo Collaço indeferiu um incidente de suspeição, formulado pelo advogado Córdova contra o julgamento parcial (um voto), até então proferido. A pretensão foi desacolhida – porque o advogado não fez a mínima prova acerca de suas acusações.

Foi determinado, então, o retorno do agravo à 1ª Câmara, para completar o julgamento.

Tal órgão fracionário da corte catarinense já está com nova composição. Mantem-se o presidente Raulino Brünning; o (ex) desembargador Gallo naturalmente está fora, mas o voto por ele proferido em 3 de agosto de 2017 foi considerado válido; o desembargador Artur Jenichen reclassificou-se na 5ª Câmara de Direito Público.

E o colegiado tem dois novos membros: desembargadores André Carvalho e Jorge Luís Costa Beber.

Na quinta-feira passada (21) retomou-se o julgamento que fora interrompido na tarde do escândalo. A tira é a seguinte:

Em 21/06/2018 - Agravo de Instrumento nº. 0144304-30.2015.8.24.0000 - Origem: Criciúma – A 1ª Câmara de Direito Civil, em sessão ordinária hoje realizada, decidiu suspender o julgamento diante do pedido de vista dos autos efetuado pelo Des. Jorge Luis Costa Beber, após o voto do relator no sentido de conhecer do recurso e dar-lhe provimento. E após o voto-vista do Des. Raulino Jacó Brüning no sentido de:

a) Inacolher a exceção de pré-executividade no tocante ao pleito de excesso de execução, reformando-se a decisão de Primeiro Grau quanto a este tema, restando prejudicada a análise do presente agravo quanto aos pedidos de ´ausência de preclusão para tratar da alegação de excesso de execução´ e de ´excesso de execução´;

b) Dar provimento ao pedido de afastamento da penalidade imposta na decisão dos embargos de declaração; c) negar provimento quanto aos pleitos de fixação de honorários advocatícios e de exclusão da pena de litigância de má fé.

Tomaram parte no julgamento: desembargador Eduardo Mattos Gallo Júnior, cujo voto restou consignado na sessão de julgamento realizada em 03/08/2017; desembargador Raulino Jacó Brüning; e desembargador Jorge Luis Costa Beber.

Presidiu a sessão o desembargador Raulino Jacó Brüning”.

 Outros dados do processo

Agravante: Orgânica Agronegócios S/A (Advogados: Renato Pereira Gomes e João Carlos Duarte de Toledo).

Agravada: Felisberto Córdova Advogados (Advogados: Felisberto Odilon Cordova e Jeferson da Rocha).

Interessada: Balneário Conventos S/A (Advogado: Felipe Chemale Preis).

A parte agravante está, até o momento, levando vantagem.

O prosseguimento do julgamento se dará no dia 5 de julho, às 14 h. com a coleta do voto-vista.

 

  O alto valor e uma curiosidade.

Não há dados oficiais financeiros exatos. Mas um integrante da “rádio-corredor” do TJ-SC, que conhece os autos, ontem irradiava que a questão honorária a ser decidida pela 1ª Câmara de Direito Civil envolve pagar, ou não pagar, uma verba honorária que – atualizada e com juros – “vale aproximadamente R$ 31 milhões”.

Circunstantes que escutaram a informação manearam suas cabeças, afirmativamente.

Detalhe: embora já aposentado compulsoriamente, o desembargador Eduardo Gallo Matos Júnior ainda tem seu nome constando, oficialmente, no saite do TJ-SC como integrante da 1ª Câmara de Direito Civil.

Imagens e áudio do incidente

Relembre a denúncia feita pelo advogado e ouça a reação do desembargador.

Leia na base de dados do Espaço Vital

O fim da carreira polêmica de um julgador


Comentários

Eliel Valesio Karkles - Advogado 26.06.18 | 11:04:07

Que cena lamentável para o Poder Judiciário Catarinense. Uma verdadeira vergonha!

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Armário da comarca: sete anos e meio de lentidão processual em ação penal que tem 25 denunciados por fraude contra o Banrisul.

 Armário da corte: o triste atropelamento de 17 ciclistas e uma ação penal que teima em não terminar.

 Sinal vermelho da Environment Justice Atlas sobre Porto Alegre: precariedade da mobilidade urbana e demora na solução judicial.

 Corregedor nacional da justiça apõe intrigante segredo de justiça no pedido de providências sobre o plantão do TRF-4 que quase soltou Lula.

STF suspende cobrança abusiva de 40% pelos planos de saúde

· Na decisão, Cármen Lúcia afirma que “saúde não é mercadoria, vida não é negócio, e dignidade não é lucro”.

· Auxílio-maternidade a uma mulher que adotou menina de 12 anos.

· Franklin Martins, envolvido no sequestro do embaixador Charles Burke Elbrick, poderá estar na equipe de Dias Tóffoli na presidência do STF.

· Custódia do notebook apreendido na residência do empresário Henrique Constantino, um dos fundadores da Gol.

Reflexos e rescaldos de um plantão controvertido

• AJUFE não defenderá Favreto se ele for denunciado por prevaricação. Na eventual ação penal cabem transação penal e suspensão condicional da pena.

 Das redes sociais: “Outrora atribuída a advogados desqualificados, nosso país acaba de criar a figura do desembargador de porta de cadeia”.

 O “tríplice milagre” realizado por Lula.

•  “Rádio-corredor” forense anuncia candidato de oposição às eleições da OAB-RS. Mas o objetivo é 2021.

O polêmico desempenho do desembargador Favreto, no controvertido plantão do TRF-4

• O Espaço Vital pediu a opinião de 20 advogados sobre a confusão jurídica do domingo. Entre as respostas, veio à baila o ensaio da Grécia antiga: “Ne sutor ultra crepidam”.

 Google vence Xuxa definitivamente. Insucesso da ação que buscava a remoção de imagens e links a quem digitasse, no mecanismo de buscas, o nome da apresentadora e “pedófila”.

 Clamor feminista pretende que a OAB passe a chamar-se Ordem da Advocacia do Brasil. Sonho que fica para 2019 ou 2020.

• Só uma seccional estadual da OAB tem, atualmente, mais advogadas do que advogados.

 Mas as estagiárias já são maioria, na estatística nacional.

Salvo surpresas, Gilmar Mendes fica no STF até 30.12.2030

 Facchin indefere o pedido para que o Senado analise o impeachment do ministro colega. E a PGR não vai recorrer.

 Novo round no julgamento do caso que gerou a acusação de suposta corrupção no TJ de Santa Catarina: ontem, o voto- vista do vogal.

 Advogado gaúcho analisa supremas incoerências recentes do STF

Indenização para Luciano Huck por uso indevido de seu nome em lançamento imobiliário

 Decisão do STJ confirma a condenação da Cipesa, construtora de luxuoso empreendimento residencial em São Paulo, mas isenta a imobiliária que fez a comercialização.

 Conselho Seccional da OAB-RS exclui mais três advogados.

 A internacional Environment Justice Atlas aponta conflitos socioambientais em três casos no RS: um deles é a demora da Justiça gaúcha em decidir o caso do atropelamento coletivo de 17 ciclistas.

 Os gols financeiros que os planos de saúde festejam durante a Copa do Mundo.