Ir para o conteúdo principal

Edição sexta-feira , 20 de julho de 2018.

Sete anos de prisão para ex-presidente do Tribunal de Contas do Rio



Somos Assim On Line

Imagem da Matéria

Jonas Lopes (D) e Jonas Neto (E): pai e filho no mesmo
esquema de corrupção e propinas

O juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro condenou o ex-presidente do Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro, Jonas Lopes Júnior, a sete anos de prisão. Ele foi condenado pelos crimes de corrupção passiva, lavagem de dinheiro, evasão de divisas e organização criminosa.

De acordo com a sentença – em função da delação premiada – Jonas cumprirá um ano e meio de prisão domiciliar em sua Fazenda Josan, imóvel rural na cidade de Além Paraíba (MG). Em seguida, cumprirá dois anos e meio de serviços à comunidade por 15 horas semanais e outros três anos de regime aberto, com comprovação de atividades. “É a pena premiada” – segundo a “rádio-corredor” da OAB do Rio.

A sentença está em linha com o que foi acordado na delação premiada de Jones Lopes Júnior e de seu filho, Jonas Lopes Neto. Além da pena de prisão, pai e filho terão que devolver à Justiça R$ 13,3 milhões. O filho do ex-presidente do TCE-RJ também prestará serviços à comunidade por três anos.

A delação de Lopes pai foi determinante para a operação “O Quinto de Ouro”, que levou à prisão cinco dos sete conselheiros do TCE-RJ. Soltos por ordem do STJ, eles continuam afastados de suas funções. As respectivas ações penais a que respondem ainda não têm sentenças.

Além disso, o ex-presidente do TCE-RJ implicou outros nomes importantes da política fluminense, como o presidente afastado da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), Jorge Picciani.

Segundo Jonas Lopes Júnior, uma mesada dos empresários de ônibus para os conselheiros do TCE-RJ foi acertada na casa de Picciani. Ele teria sido chamado para o encontro depois que o TCE detectou R$ 90 milhões em créditos expirados do Bilhete Único.

Jonas Júnior era conselheiro seccional eleito da OAB carioca, eleito para o triênio 2916/2018. Desde maio do ano passado ele está suspenso preventivamente da atividade advocatícia e afastado do Conselho Seccional da entidade.

O currículo de Jonas Lopes de Carvalho Júnior

Advogado formado pela Faculdade de Direito de Campos dos Goytacazes em 1980.

Tesoureiro da OAB-RJ em 1982.

Procurador da Prefeitura Municipal de Campos (RJ) - posse em 1984.

Empossado conselheiro do TCE-RJ em abril de 2000.

Eleito por unanimidade para o cargo de vice-presidente do TCE-RJ para o biênio de 2007/2008.

Eleito por unanimidade para o cargo de presidente do TCE-RJ para o biênio 2011/2012.

Reeleito por unanimidade para o cargo de presidente do TCE-RJ para o biênio 2013/2014.

Reeleito por unanimidade para o cargo de presidente do Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro para o biênio 2015/2016.

Secretário de Estado Chefe do Gabinete Civil do governador do Rio de Janeiro. Recebeu as medalhas Avante Bombeiro, do CBM-ERJ, e de Mérito Dom João VI, da Polícia Militar do Rio de Janeiro.

Recebeu homenagem dos defensores públicos no 17º Concurso Público do Estado do Rio de Janeiro e o Colar do Mérito da Justiça Eleitoral do Estado do Rio de Janeiro.

Condecorado com o Colar do Mérito Judiciário do TJ do Rio de Janeiro.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Relator da Lava Jato confirma revogação da decisão que mandava libertar Lula

“A qualidade que se auto atribui o ex-presidente não tem nenhuma propriedade intrínseca que lhe garanta qualquer tratamento jurídico diferenciado, ou que lhe assegure liberdade de locomoção incondicional” – escreveu o desembargador João Pedro Gebran Neto. Revogadas todas as decisões proferidas pelo plantonista Rogério Favreto.

STJ nega novo habeas corpus interposto em favor de Lula

Após o conflito jurisdicional do domingo, houve o ingresso de 146 HCs na corte superior. Presidente Laurita Vaz diz que a decisão do plantonista Rogério Favreto, do TRF-4, foi “inusitada e teratológica”.