Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 18 de setembro de 2018.

Sete anos de prisão para ex-presidente do Tribunal de Contas do Rio



Somos Assim On Line

Imagem da Matéria

Jonas Lopes (D) e Jonas Neto (E): pai e filho no mesmo
esquema de corrupção e propinas

O juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro condenou o ex-presidente do Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro, Jonas Lopes Júnior, a sete anos de prisão. Ele foi condenado pelos crimes de corrupção passiva, lavagem de dinheiro, evasão de divisas e organização criminosa.

De acordo com a sentença – em função da delação premiada – Jonas cumprirá um ano e meio de prisão domiciliar em sua Fazenda Josan, imóvel rural na cidade de Além Paraíba (MG). Em seguida, cumprirá dois anos e meio de serviços à comunidade por 15 horas semanais e outros três anos de regime aberto, com comprovação de atividades. “É a pena premiada” – segundo a “rádio-corredor” da OAB do Rio.

A sentença está em linha com o que foi acordado na delação premiada de Jones Lopes Júnior e de seu filho, Jonas Lopes Neto. Além da pena de prisão, pai e filho terão que devolver à Justiça R$ 13,3 milhões. O filho do ex-presidente do TCE-RJ também prestará serviços à comunidade por três anos.

A delação de Lopes pai foi determinante para a operação “O Quinto de Ouro”, que levou à prisão cinco dos sete conselheiros do TCE-RJ. Soltos por ordem do STJ, eles continuam afastados de suas funções. As respectivas ações penais a que respondem ainda não têm sentenças.

Além disso, o ex-presidente do TCE-RJ implicou outros nomes importantes da política fluminense, como o presidente afastado da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), Jorge Picciani.

Segundo Jonas Lopes Júnior, uma mesada dos empresários de ônibus para os conselheiros do TCE-RJ foi acertada na casa de Picciani. Ele teria sido chamado para o encontro depois que o TCE detectou R$ 90 milhões em créditos expirados do Bilhete Único.

Jonas Júnior era conselheiro seccional eleito da OAB carioca, eleito para o triênio 2916/2018. Desde maio do ano passado ele está suspenso preventivamente da atividade advocatícia e afastado do Conselho Seccional da entidade.

O currículo de Jonas Lopes de Carvalho Júnior

Advogado formado pela Faculdade de Direito de Campos dos Goytacazes em 1980.

Tesoureiro da OAB-RJ em 1982.

Procurador da Prefeitura Municipal de Campos (RJ) - posse em 1984.

Empossado conselheiro do TCE-RJ em abril de 2000.

Eleito por unanimidade para o cargo de vice-presidente do TCE-RJ para o biênio de 2007/2008.

Eleito por unanimidade para o cargo de presidente do TCE-RJ para o biênio 2011/2012.

Reeleito por unanimidade para o cargo de presidente do TCE-RJ para o biênio 2013/2014.

Reeleito por unanimidade para o cargo de presidente do Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro para o biênio 2015/2016.

Secretário de Estado Chefe do Gabinete Civil do governador do Rio de Janeiro. Recebeu as medalhas Avante Bombeiro, do CBM-ERJ, e de Mérito Dom João VI, da Polícia Militar do Rio de Janeiro.

Recebeu homenagem dos defensores públicos no 17º Concurso Público do Estado do Rio de Janeiro e o Colar do Mérito da Justiça Eleitoral do Estado do Rio de Janeiro.

Condecorado com o Colar do Mérito Judiciário do TJ do Rio de Janeiro.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Alguns componentes do espetaculoso caso Cancellier

O então reitor era investigado pela suposta tentativa de obstruir uma investigação sobre desvios no programa de educação à distância. No dia da espetaculosa prisão (14.9.2017) foi levado, como se condenado, para a penitenciária de Florianópolis. Teve os pés acorrentados, as mãos algemadas, foi submetido (nu) à revista íntima, vestiu o uniforme de presidiário e ficou em uma cela na ala de segurança máxima.