Ir para o conteúdo principal

Edição sexta-feira , 20 de julho de 2018.

Prescrição bienal afastada em ação trabalhista ajuizada 18 anos após a dispensa



Camera Press

Imagem da Matéria

A 7ª Turma do TST afastou a prescrição declarada em reclamação trabalhista ajuizada por um ex-operador de máquinas das Indústrias Nucleares do Brasil S.A. (INB) 18 anos depois do fim do contrato de trabalho. Ele alega que adquiriu doença pulmonar e auditiva em razão da exposição a material radioativo.

Dispensado em 1991, o trabalhador ajuizou – somente em 2009 - a reclamação buscando indenização por danos morais e materiais. Ele afirma que foi, progressivamente, acometido por doença pulmonar obstrutiva crônica por sílica, enfisema pulmonar e perda auditiva neurossensorial bilateral em altas frequências. Segundo sua argumentação, os problemas foram ocasionados pelo contato contínuo com areias monazíticas por quase duas décadas (de 1972 a 1991).

A Indústrias Nucleares do Brasil é uma empresa brasileira de economia mista, vinculada à Comissão Nacional de Energia Nuclear e atua sob controle finalístico do Ministério da Ciência e Tecnologia. Tem unidades na Bahia, Ceará, Minas Gerais, Rio de Janeiro (sede) e São Paulo - e se anuncia como “um importante elemento do sistema brasileiro de pesquisa e desenvolvimento de tecnologias para o domínio do ciclo e produção de combustíveis nucleares”.

O tratamento físico dos minerais pesados com a prospecção e pesquisa, lavra, industrialização e comercialização das areias monazíticas e obtenção de terras-raras são atividades que competem à INB. É ainda responsável pela exploração do urânio, desde a mineração e o beneficiamento primário até a produção e montagem dos elementos combustíveis que acionam os reatores de usinas nucleares.

O juízo de primeiro grau aplicou a precisão bienal (de dois anos) prevista no artigo 7º, inciso XXIX, da Constituição da República, e o TRT da 2ª Região (SP) manteve a sentença. Para o tribunal paulista, “a prescrição constitui instituto consagrado e tem como finalidade a estabilização e o equilibro das relações sociais, a segurança jurídica e a paz social”.

No recurso de revista ao TST, o operador requereu o afastamento da prescrição decretada e o retorno dos autos ao TRT-2 para exame do mérito da ação. Sustentou que a prescrição bienal não se aplicaria ao caso, pois sua demanda não trata de pretensão a crédito trabalhista, mas da reparação civil prevista no artigo 950 do Código Civil.

O outro pedido, consistente na obrigação de prestação de assistência médico-hospitalar pelo empregador, está previsto na Convenção 115 da Organização Internacional do Trabalho (OIT).

O relator do recurso no TST, desembargador convocado Ubirajara Carlos Mendes, entendeu que, no caso, deveria ser aplicada a prescrição de 20 anos, prevista no artigo 117 do Código Civil de 1916. Segundo o relator, o TRT-2 deixou de aplicar as regras de transição decorrentes da vigência do novo Código Civil em 2002 e da promulgação da Emenda Constitucional nº 45/2004, que transferiu à Justiça do Trabalho a competência em casos de indenização. Desse modo, o prazo para a propositura da ação se encerraria apenas em 2011.

O julgado superior observa que “o TST consolidou o entendimento de que a prescrição trabalhista se aplica à pretensão de indenização por dano moral e/ou material decorrente de acidente ou doença de trabalho em que a ciência da lesão se dá depois da vigência da EC nº 45/2004. Assim, ajuizada a reclamação trabalhista em 2009, não há que se falar em prescrição”, completou. A decisão foi unânime.

O advogado Nilton da Silva Correia atua em nome do reclamante. (RR nº 80940-06.2009.5.02.0082 – com informações do TST e da redação do Espaço Vital).

Os prós e os contras da areia monazítica

Da redação do Espaço Vital

A monazítica é um tipo de areia que possui concentração natural de minerais pesados, podendo ocorrer ao longo de algumas zonas do litoral brasileiro e em determinados trechos de rios. No Brasil, o local de maior concentração dessa areia é o balneário de Guarapari (ES).

A areia monazítica contém uma abundante quantidade de monazita - minério constituído por fosfatos de metais do grupo do cério - e de tório. Possui também significativa quantidade de urânio, que juntamente com o tório é responsável pela sua radioatividade.

O termo "monazita" provém do grego ´monazein´, que quer dizer "estar solitário", o que indica sua raridade.

Tais areias são muito conhecidas por seus supostos efeitos terapêuticos, sendo popularmente utilizadas no tratamento de artrites e inflamações uma vez que, espalhada sobre a pele, produz uma radiação que, segundo os defensores da ideia, estimula os tecidos e favorece o fluxo sanguíneo na região afetada. Não há, entretanto, comprovação científica sobre os efeitos curativos deste tipo de areia. Em sentido contrário, a exposição desnecessária à radiação é cientificamente não recomendada.

Este, aliás, é o mote da ação trabalhista que se refere a fatos de trabalho ocorridos de 1972 a 1991. A ação foi ajuizada somente em 2009 e já tem nove anos de tramitação. Voltará agora à Justiça do Trabalho de São Paulo.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Bruno Galvão

A violação do acesso à Justiça, com a subvaloração da lesão do direito

 

A violação do acesso à Justiça, com a subvaloração da lesão do direito

Caso envolve a relação empregatícia de 20 anos de um trabalhador com a Unimed Federação das Cooperativas. O acórdão do TRT-4 (RS) cassa a exigência de valores líquidos dos pedidos. Julgador lamenta as “últimas várias condenações milionárias de trabalhadores em honorários advocatícios, que são um claro recado para que as pessoas pensem duas vezes antes de entrar com ação na Justiça do Trabalho”.