Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira, 19 de outubro de 2018.

Elogiáveis relações entre advogado e juiz



Em Boa Vista (RR), o advogado Roberto Guedes de Amorim foi sincero ao justificar, por petição, sua ausência a uma audiência em ação penal, designada para 29 de maio, na 1ª Vara Federal dali.

Desculpando-se e sendo claro, escreveu: “Poderia alegar doença, viagem e dezenas de outros motivos; entretanto, pelo respeito que devoto ao douto magistrado, informo respeitosamente que esqueci completamente”.

O juiz Helder Girão Barreto agiu com distinção no despacho: “A ausência do advogado à audiência causou preocupação, pois Sua Excelência nunca faltara e sempre fora pontual. Aliás, a sinceridade do advogado Roberto Guedes não me surpreende, pois conheço sua conduta profissional íntegra e cavalheiresca há quase duas décadas. Que seu exemplo sirva às novas gerações de advogados! Justificativa aceita com minhas homenagens”. (Proc. nº 6486-89.2013.4.01.4200).

Poderia ser sempre assim, Brasil afora, em todas as varas e tribunais.

Mas não é – infelizmente.


Comentários

Mario Fernando Gonçalves Lucas - Advogado. 15.06.18 | 10:56:51

O agir correto do profissional é exemplo que deve ser seguido por todos nós e que deve ser visto de maneira cristalina pelos juízes. Porém, infelizmente, alguns julgadores assim não agem, preferindo que se falte com  a verdade para eles mesmo serem iludidos. Belo exemplo de ambos, externado na notícia acima.

Rodrigo Zampoli Pereira - Advogado 15.06.18 | 10:35:56

Parabéns a ambos, ao advogado e ao magistrado. Realmente, concordo, mas no plural, exemplos a serem seguidos tanto pelo novos advogados (as), pelos advogados (as) master e pela antiga/experiente guarda de advogados (as). A reciproca é verdadeira na minha visão para os / as magistrados (as). 

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Advogada é algemada e retirada de audiência

Num vídeo exibido nas redes sociais, a profissional da advocacia aparece sentada no chão, no JEC Cível da comarca de Duque de Caxias (RJ), cercada por policiais, e com as mãos imobilizadas às costas. Ela reclama: “Sou negra, só quero trabalhar”.Veja as imagens e ouça o som.