Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira, 21 de agosto de 2018.

Elogiáveis relações entre advogado e juiz



Em Boa Vista (RR), o advogado Roberto Guedes de Amorim foi sincero ao justificar, por petição, sua ausência a uma audiência em ação penal, designada para 29 de maio, na 1ª Vara Federal dali.

Desculpando-se e sendo claro, escreveu: “Poderia alegar doença, viagem e dezenas de outros motivos; entretanto, pelo respeito que devoto ao douto magistrado, informo respeitosamente que esqueci completamente”.

O juiz Helder Girão Barreto agiu com distinção no despacho: “A ausência do advogado à audiência causou preocupação, pois Sua Excelência nunca faltara e sempre fora pontual. Aliás, a sinceridade do advogado Roberto Guedes não me surpreende, pois conheço sua conduta profissional íntegra e cavalheiresca há quase duas décadas. Que seu exemplo sirva às novas gerações de advogados! Justificativa aceita com minhas homenagens”. (Proc. nº 6486-89.2013.4.01.4200).

Poderia ser sempre assim, Brasil afora, em todas as varas e tribunais.

Mas não é – infelizmente.


Comentários

Mario Fernando Gonçalves Lucas - Advogado. 15.06.18 | 10:56:51

O agir correto do profissional é exemplo que deve ser seguido por todos nós e que deve ser visto de maneira cristalina pelos juízes. Porém, infelizmente, alguns julgadores assim não agem, preferindo que se falte com  a verdade para eles mesmo serem iludidos. Belo exemplo de ambos, externado na notícia acima.

Rodrigo Zampoli Pereira - Advogado 15.06.18 | 10:35:56

Parabéns a ambos, ao advogado e ao magistrado. Realmente, concordo, mas no plural, exemplos a serem seguidos tanto pelo novos advogados (as), pelos advogados (as) master e pela antiga/experiente guarda de advogados (as). A reciproca é verdadeira na minha visão para os / as magistrados (as). 

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Desagravo para advogada intimidada por juiz trabalhista

A profissional da advocacia Simone Batista foi destratada pelo magistrado André Ibanos Pereira, na 7ª Vara do Trabalho de Porto Alegre. “A sala de audiências virou palco de abuso de poder, com o magistrado agindo de forma arrogante e intimidadora” – diz a nota da OAB-RS, lida durante a solenidade.