Ir para o conteúdo principal

Edição sexta-feira , 20 de julho de 2018.
http://www.espacovital.com.br/images/mab_123_13.jpg

Político exitoso de sete mandatos, Pompeo de Mattos tem ação trabalhista contra o Banco do Brasil



Arte de Camila Adamoli sobre foro Camera Press

Imagem da Matéria

 O deputado reclamante

Escriturário de carreira do Banco do Brasil – do qual passou a maior parte do tempo licenciado para, ao longo de 28 anos, exercer sete mandatos eletivos (um de vereador; um de prefeito de Santo Augusto/RS; dois de deputado estadual; três de deputado federal) - o gaúcho Pompeo de Mattos (PDT) é o personagem de um novo tititi na “rádio-corredor” da Justiça do Trabalho de Porto Alegre.

É ali, na 21ª Vara, que o deputado figura como reclamante contra o BB, de quem busca indenização: horas extras, reparação por dano moral, reversão da causa da despedida e indenização pela perda de uma chance.

Diz a petição inicial que “tivesse o empregador agido de acordo com os ditames legais e da boa-fé objetiva, o reclamante não teria precipitado sua aposentadoria, e poderia ter aguardado o prazo para adesão ao programa de afastamento incentivado”.

Pompeo pediu demissão no banco, alegadamente por pressão, ambiente de trabalho não saudável e assédio moral. Alega ter sido colocado em condições de ostracismo e inação compulsória quando do seu retorno em 2011.

O processo transformou-se num “embrulho jurídico” com componentes incomuns, a começar com o não comparecimento do reclamante à audiência de instrução em 6 de dezembro do ano passado. Desde então, o processo anda mais para os lados do que para a frente. Com dois anos e um mês de existência, está, desde 9 de abril, numa das pilhas da secretaria da vara.

Um arremate financeiro: o deputado queria a gratuidade da justiça, mas desistiu desta benesse das custas. É que o juiz Jefferson Luiz Gaya de Goes determinou ao reclamante exibir cópias de suas últimas declarações de renda.

O magistrado e a cidadania sabem, óbvio, que qualquer deputado federal recebe R$ 33.763 mensais. Mais as verbas de gabinete. (Proc. nº 0020592-10.2016.5.04.0021).

Os amaldiçoados

A maldição do impeachment segue tarrafeando gente de peso. Para lembrar: a) Eduardo Cunha foi preso em 19 de outubro de 2016, 40 dias depois de Dilma ser defenestrada; b) Aécio Neves caiu em desgraça, a partir de maio de 2017; c) Michel Temer continua presidente, mas não pode pisar nas ruas; d) recentemente chegou a hora do relator das pedaladas fiscais, Augusto Nardes.

De Nardes, a Polícia Federal vasculhou a casa no final de maio, em sigilo determinado pelo ministro Dias Toffoli - mas o segredo da devassa foi furado pela revista IstoÉ.

Em maio de 2016, Nardes foi peça-chave na derrubada de Dilma. O relatório dele é que deu pretexto formal para o processo de impeachment. Às vésperas do julgamento, o integrante do Tribunal de Contas da União deixou uma frase para os anais: “O País não pode mais passar a mão na cabeça das autoridades em detrimento do povo brasileiro – cabendo-nos dar um basta a isso”.

Na ensaiada conjunção não demorou quem sugerisse o nome de Nardes como futuro candidato ao Planalto.

A propósito, saiu da boca do indesejável Fernando Collor, em 1992, uma frase inesquecível: “O tempo é o senhor da razão”.

Mais tarde descobriu-se que o então presidente alagoano não era o autor do pensamento – que fora extraído da literatura de Portugal.

 Um trilhão de reais

O Instituto de Pesquisa Locomotiva, de Renato Meirelles e Carlos Alberto Júlio, apresentou esta semana, em São Paulo, o resultado de um levantamento sobre a inclusão feminina no mercado brasileiro de trabalho. A tabulação revelou que o tempo médio gasto, pelas mulheres, com afazeres domésticos e/ou cuidando de pessoas da família, totaliza 92 horas por mês.

E o arremate: se recebessem pelo trabalho doméstico o que lhes é pago, em média, como salário no mercado formal de trabalho, as mulheres ganhariam R$ 1 trilhão e 66 bilhões por ano.

Elas merecem!

  Ao cabo e ao fim...

Sabe aquela gigante da televisão por assinatura, acesso à internet e telefonia fixa, chamada Net? Pois o Ministério Público do Rio de Janeiro denunciou cinco diretores da empresa por “fraude à fiscalização tributária”.

É que - segundo o MP-RJ, em ação penal que está na 25ª Vara Criminal carioca - “os denunciados, deliberadamente, usaram a base de cálculo reduzida do ICMS devido pela empresa, de 25% para 10%, quando sabiam que essa diminuição era mais aplicável”.

O montante atualizado do “alcance” bate quase nos R$ 300 milhões.

A informação sobre a enganada performance de diretores da Net é do jornalista Ancelmo Gois. A propósito, o Espaço Vital complementa: a Embratel – que tem como controlador o bilionário mexicano Carlos Slim - possui 96,16% da Net. Os restantes 3,84%, pertencem à EGPar, que é uma sociedade entre o Grupo Globo e a própria Embratel.

Mais: desde novembro 2011 a Embratel pertence à América Móvil, que é a controladora da Claro e de outras empresas do mesmo bilionário cidadão.

Claro, tudo coisa de graúdos.


Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Armário da comarca: sete anos e meio de lentidão processual em ação penal que tem 25 denunciados por fraude contra o Banrisul.

 Armário da corte: o triste atropelamento de 17 ciclistas e uma ação penal que teima em não terminar.

 Sinal vermelho da Environment Justice Atlas sobre Porto Alegre: precariedade da mobilidade urbana e demora na solução judicial.

 Corregedor nacional da justiça apõe intrigante segredo de justiça no pedido de providências sobre o plantão do TRF-4 que quase soltou Lula.

STF suspende cobrança abusiva de 40% pelos planos de saúde

· Na decisão, Cármen Lúcia afirma que “saúde não é mercadoria, vida não é negócio, e dignidade não é lucro”.

· Auxílio-maternidade a uma mulher que adotou menina de 12 anos.

· Franklin Martins, envolvido no sequestro do embaixador Charles Burke Elbrick, poderá estar na equipe de Dias Tóffoli na presidência do STF.

· Custódia do notebook apreendido na residência do empresário Henrique Constantino, um dos fundadores da Gol.

Reflexos e rescaldos de um plantão controvertido

• AJUFE não defenderá Favreto se ele for denunciado por prevaricação. Na eventual ação penal cabem transação penal e suspensão condicional da pena.

 Das redes sociais: “Outrora atribuída a advogados desqualificados, nosso país acaba de criar a figura do desembargador de porta de cadeia”.

 O “tríplice milagre” realizado por Lula.

•  “Rádio-corredor” forense anuncia candidato de oposição às eleições da OAB-RS. Mas o objetivo é 2021.

O polêmico desempenho do desembargador Favreto, no controvertido plantão do TRF-4

• O Espaço Vital pediu a opinião de 20 advogados sobre a confusão jurídica do domingo. Entre as respostas, veio à baila o ensaio da Grécia antiga: “Ne sutor ultra crepidam”.

 Google vence Xuxa definitivamente. Insucesso da ação que buscava a remoção de imagens e links a quem digitasse, no mecanismo de buscas, o nome da apresentadora e “pedófila”.

 Clamor feminista pretende que a OAB passe a chamar-se Ordem da Advocacia do Brasil. Sonho que fica para 2019 ou 2020.

• Só uma seccional estadual da OAB tem, atualmente, mais advogadas do que advogados.

 Mas as estagiárias já são maioria, na estatística nacional.

Salvo surpresas, Gilmar Mendes fica no STF até 30.12.2030

 Facchin indefere o pedido para que o Senado analise o impeachment do ministro colega. E a PGR não vai recorrer.

 Novo round no julgamento do caso que gerou a acusação de suposta corrupção no TJ de Santa Catarina: ontem, o voto- vista do vogal.

 Advogado gaúcho analisa supremas incoerências recentes do STF

Indenização para Luciano Huck por uso indevido de seu nome em lançamento imobiliário

 Decisão do STJ confirma a condenação da Cipesa, construtora de luxuoso empreendimento residencial em São Paulo, mas isenta a imobiliária que fez a comercialização.

 Conselho Seccional da OAB-RS exclui mais três advogados.

 A internacional Environment Justice Atlas aponta conflitos socioambientais em três casos no RS: um deles é a demora da Justiça gaúcha em decidir o caso do atropelamento coletivo de 17 ciclistas.

 Os gols financeiros que os planos de saúde festejam durante a Copa do Mundo.