Ir para o conteúdo principal

Edição sexta-feira , 20 de julho de 2018.

Condenação de advogada gaúcha que falsificou carteira de trabalho de cliente



O TRF da 4ª Região manteve, por unanimidade, a condenação da advogada Marcia Figueiredo Kersch (OAB-RS nº 76.854) por falsificar a Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS) de uma cliente, em ação previdenciária movida contra o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). O recurso de embargos de declaração foi negado no final pela 8ª Turma e a ré deverá começar a cumprir pena imediatamente,

Não há trânsito em julgado, cabendo – em tese – recursos aos tribunais superiores. O julgamento negou provimento à apelação da advogada e proveu o pedido do Ministério Público para a exasperação da pena.

A acusação

A inicial acusatória narra o seguinte: “No dia 24 de junho de 2010, na Subseção Judiciária de Porto Alegre (15ª Vara Federal), na condição de advogada, a denunciada fez uso de documento público por ela anteriormente falsificado, consistente na Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS) de M.S.R.M., autora da ação previdenciária (nº 5055301-49.2011.404.7100) movida em face do Instituto Nacional do Seguro Social – INSS”.

Segundo o MPF, “após o julgamento de improcedência do pedido de concessão de auxílio-doença/aposentadoria por invalidez pelo Juízo de primeiro grau, a denunciada interpôs recurso à Turma Recursal, juntando aos autos cópia da CTPS da autora adulterada com a inserção de vínculo empregatício inexistente e que comprovaria a qualidade de segurada da recorrente”.

A denúncia diz que Márcia incluiu vínculo empregatício inexistente ao histórico laboral de M.S.R.M. O contrato de trabalho constante à fl. 17 da CTPS, referente ao labor de 'doméstica', na residência de João XXX, no período de junho de 2002 a julho de 2006, não corresponde à realidade, não encontrando alicerce nas informações do CNIS e tampouco confirmado pela própria suposta doméstica. Esta, ouvida pela Polícia, afirmou que entregou sua CTPS à acusada ainda em 2008 e ela própria negou peremptoriamente o vínculo laboral mencionado.

Apreendida a CTPS no escritório da advogada acusada e realizada perícia, o laudo documentoscópico concluiu que “os preenchimentos manuscritos que constam na página 17 da CTPS partiram do punho escritor de Marcia Figueiredo Kersch”.

A denúncia foi recebida em 3 de setembro de 2014.

Detalhes da ação penal

A advogada foi condenada por falsificação de documento em novembro de 2015 a dois anos de reclusão em regime inicial aberto e apelou ao tribunal. O MPF também recorreu.

Ela sustentava haver ausência de provas de que seria a responsável pela rasura na CTPS da cliente. Ponderava ainda que a prova pericial não bastaria para a sua condenação, pois não teriam sido colhidas amostras grafológicas dos familiares da cliente, que poderiam ter feito a alteração.

Marcia Figueiredo Kersch também arrematava “haver a existência de dúvida quanto à autoria”, devendo ser interpretada em favor dela, com consequente absolvição. Ela tem escritório em Viamão (RS) e, segundo o cadastro disponível no saite da OAB-RS, sua situação é “normal”.

Conforme o relator, desembargador federal João Pedro Gebran Neto, ficou devidamente comprovado que a ré agiu consciente e voluntariamente com o objetivo de obter o benefício previdenciário. “Os peritos foram taxativos em suas conclusões, apontando que a anotação laboral fictícia partiu do punho da acusada” – afirma o voto. Este também considerou que a defesa nada produziu que pudesse anular esse elemento probatório – considerado “robusto”, pelo tribunal limitando-se a aventar a tese de que algum terceiro desconhecido seria o responsável pela falsificação.

Gebran aumentou a pena para 2 anos e 4 meses com base na agravante de violação ao dever profissional. A restrição de liberdade será substituída por restritivas de direitos, com execução imediata.  (Proc. nº 5046130-63.2014.4.04.7100 – com informações do TRF-4 e da redação do Espaço Vital).

Leia a íntegra da ementa

APELAÇÃO CRIMINAL - PENAL E PROCESSO PENAL. PRESCRIÇÃO. PENA EM ABSTRATO. NÃO OCORRÊNCIA.

USO DE DOCUMENTO PÚBLICO FALSO. ARTIGOS 304 E 297 DO CÓDIGO PENAL.

MATERIALIDADE, AUTORIA E DOLO COMPROVADOS. DOSIMETRIA. AGRAVANTE. VIOLAÇÃO DE DEVER PROFISSIONAL. ART. 61, II, G, DO CÓDIGO PENAL.

1. Ausente trânsito em julgado para a acusação, que recorre postulando a exasperação das penas, não há se falar em prescrição retroativa, mas apenas do prazo prescricional estipulado em função da pena em abstrato, que, no caso, é de 12 (doze) anos (art. 109, III, do Código Penal), período não decorrido entre quaisquer dos marcos interruptivos vigentes na situação concreta.

2. Pratica o delito capitulado no art. 304 c/c art. 297, § 3º, II, do Código Penal quem, consciente e voluntariamente, faz uso de CTPS com falsa anotação de vínculo empregatício objetivando o deferimento judicial de benefício previdenciário.

3. Devidamente comprovadas a materialidade e a autoria do delito de uso de documento público falso, bem como o dolo do agente. Condenação mantida.

4. 'A dosimetria da pena é matéria sujeita a certa discricionariedade judicial. O Código Penal não estabelece rígidos esquemas matemáticos ou regras absolutamente objetivas para a fixação da pena.' (HC 107.409/PE, 1.ª Turma do STF, Rel. Min. Rosa Weber, un.,j. 10.4.2012, DJe-091, 09.5.2012), devendo o ser tomado em conta os princípios da necessidade e eficiência, decompostos nos diferentes elementos previstos no art. 59 do Código penal, principalmente na censurabilidade da conduta.

5. Incide a agravante do art. 62, II, 'g', do Código Penal, se o acusado cometeu o delito com violação a dever profissional.

6. Apelação da defesa desprovida. Apelação do Ministério Público Federal provida para exasperar as penas, nos termos da fundamentação.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Relator da Lava Jato confirma revogação da decisão que mandava libertar Lula

“A qualidade que se auto atribui o ex-presidente não tem nenhuma propriedade intrínseca que lhe garanta qualquer tratamento jurídico diferenciado, ou que lhe assegure liberdade de locomoção incondicional” – escreveu o desembargador João Pedro Gebran Neto. Revogadas todas as decisões proferidas pelo plantonista Rogério Favreto.

STJ nega novo habeas corpus interposto em favor de Lula

Após o conflito jurisdicional do domingo, houve o ingresso de 146 HCs na corte superior. Presidente Laurita Vaz diz que a decisão do plantonista Rogério Favreto, do TRF-4, foi “inusitada e teratológica”.