Ir para o conteúdo principal

Edição sexta-feira , 20 de julho de 2018.

Recurso especial com sabor de queijo francês



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

O assessor da ministra do STJ estava às voltas com uma ação que condenara, nas instâncias inferiores, uma portentosa empresa multinacional de serviços online e softwares por ofensas veiculadas, nas redes sociais. A vítima fora um cidadão brasileiro, assacado por um desconhecido terceiro. A recorrente argumentava “não poder ter controle sobre a inclusão de informações”.

De repente, o servidor judicial constatou uma receita de “Risoto au Fromage et Tomatte” acrescentada às razões de recurso especial. Não se tratava do já tolerado erro de “copia-e-cola”, mas de uma folha à parte, íntegra. Ela fora inserida como anexo, contendo dicas de como cozinhar, com excelência, a iguaria que leva nozes picadas, manjericão fresco etc.

Foi uma gozação geral no gabinete.

Voltando ao plano jurídico, no dia seguinte a relatora despachou, facultando "aos advogados que subscreveram a petição, o desentranhamento do documento (fl. 601 - uma receita de risoto), pois o mesmo não integra e nem tem relação com o presente processo".

No tititi brasiliense, algumas das “rádios-corredores” da capital federal chegaram a especular que um “zeloso capinha” (denominação dada a servidores da corte para, na sala de sessões, praticarem mesuras e resolverem problemas de última hora) chegara a um extremo puxa-saquismo.

O “capinha” teria testado e preparado, em casa, a mesma iguaria – que batizara de “Risoto Especial Judicial” - levando-a, tal como uma despojada mas afetuosa quentinha, para que a ministra provasse.

O sabor teria sido aprovado com louvor.

Serviço Espaço Vital
Veja a cópia da receita, tal como entranhada nos autos processuais.
E – se achar interessante – experimente em casa. É para seis pessoas.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

Pensão alimentícia de ministro do STF

 

Pensão alimentícia de ministro do STF

Numa ação de alimentos, de uma menina de 4 anos, contra um dos craques da seleção brasileira, uma curiosa decisão inicial: a fixação da obrigação mensal de R$ 37.476, “o valor do maior subsídio pago a um ministro do Supremo Tribunal Federal”.

Charge de Gerson Kauer

Plano empregatício de gravidez programada

 

Plano empregatício de gravidez programada

Numa empresa em que a predominância de trabalhadores é feminina, insólitas planilhas baixadas pelos patrões. A interferência na autonomia das mulheres, a respeito de seus projetos de vida, de felicidade e dos desejos dos seus corpos.Quem pretender engravidar “deverá comunicar seis meses antes da data provável da desejada concepção”.

Charge de Gerson Kauer

Prêmio para o magistrado

 

Prêmio para o magistrado

O juiz recém instalado na comarca vai ao restaurante mais famoso da cidade, que é de propriedade de ativo advogado. O magistrado pede o famoso “leitão da casa” para recepcionar, no almoço dominical, sua noiva e os pais dela. Então, a chocante surpresa: algo de estranho no recheio do opíparo quitute... O que acontece depois? A história é contada pelo advogado Carlos Alberto Bencke.

Charge de Gerson Kauer

   Justiça pelos próprios gritos

 

Justiça pelos próprios gritos

O cidadão cinquentão, divorciado, estressado pelo excesso de trabalho, vai em busca de novidades sexuais. Na hora da despedida, desacerta-se financeiramente com os prestadores do serviço. Na semana seguinte, os credores procuram o Juizado Especial Cível. Mas tudo é pura ficção da “rádio-corredor” forense.

Charge de Gerson Kauer

O “Livro do Juiz”

 

O “Livro do Juiz”

O “Doutor Inclemente”, magistrado circunspecto, às vezes trata seus auxiliares com rispidez. Ele tem um estranho hábito: em todas as suas atividades e aparições – inclusive as protocolares – ele leva às mãos um livro cujo título tem letras graúdas. É o VADE MECUM.

Charge de Gerson Kauer

Distribuição de chupeta (s)

 

Distribuição de chupeta (s)

A entrega de chupeta a um médico que, em audiência, se opunha à pensão alimentícia que teria que pagar. Mas - segundo a “rádio-corredor” forense - os bicos ortodônticos também eram oferecidos pelo juiz a advogados com quem ele estaria em linha de confronto jurídico.