Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira, 19 de outubro de 2018.

Os riscos de fechamento do Asilo Padre Cacique



Por Edson Brozoza, presidente da instituição e advogado (OAB-RS)
edson@brozoza.com.br
www.asilopadrecacique.com.br

Basta qualquer pessoa ter um pouquinho de boa vontade, dois neurônios e saber as quatro operações aritméticas fundamentais para concluir que, se a situação financeira do Asilo Padre Cacique, em Porto Alegre, não melhorar consideravelmente até o final de 2018, é grande a possibilidade de, no ano de seu 120º aniversário, ter que encerrar sua atividade filantrópica, realocar os idosos carentes e fechar suas portas.

Não se trata de “terrorismo”, mas de uma constatação séria e realista.

Reassumi a presidência da instituição em 15 de maio de 2018 e encontrei a seguinte situação financeira:

· BALANÇO DE 2014: Em 31/12/2014 tivemos um superávit de R$ 1.356.707,72;

· BALANÇO DE 2015: Em 31/12/2015 tivemos um superávit de R$ 1.094.195,10;

· BALANÇO DE 2016: Em 31/12/2016 tivemos um déficit de R$ 881.600,28.

· BALANÇO DE 2017: Em 31/12/2017 tivemos um déficit de R$ 2.553.127,27;

· BALANÇO DE 2018: Em 31/12/2018 (projeção baseada no balancete de abril/2018) se nada mudar, teremos um déficit de R$ 5.250.354,84.

Com essa projeção negativa de mais de R$ 5 milhões de dívidas para 31 de dezembro de 2018, somente o empresariado (pessoa jurídica), por meio do incentivo fiscal de 1% do Imposto de Renda a pagar, poderá salvar o Asilo Padre Cacique da “falência”.

Mas não são boas as expectativas. Como o empresariado gaúcho sempre alegou que investia no Fundo da Criança por não ter retorno o investimento feito em benefício da pessoa idosa, nosso conselheiro Adão Vargas elaborou um anteprojeto que, em 2010, foi transformado na lei criadora do Fundo Municipal do Idoso em todo o País.

Com isso, além do incentivo fiscal de 1% para as crianças, o empresário poderá também contribuir com 1% do Imposto de Renda a pagar sobre seu lucro no trimestre ou no ano, sem prejuízo dos percentuais que ele poderá destinar à cultura e ao esporte.

No entanto, mesmo assim, nos últimos quatro anos o empresariado gaúcho preferiu enviar para Brasília mais de R$ 2 bilhões de benefício fiscal que poderiam ter sido destinados aos idosos do nosso Estado do RS, sem acréscimo de um centavo sequer para os cofres da empresa doadora.

A propósito, o “projeto de custeio” mantido no Fundo Municipal do Idoso de Porto Alegre, no valor de R$14.238.514,38 (que manteria o Asilo Padre Cacique pelos próximos três anos), recebeu do empresariado, até 31 de dezembro de 2017, o aporte de apenas R$ 733.958,32, ou seja, de míseros 5.2%...

Não vou desanimar!

Para lembrar rapidamente a história da instituição: o Asilo Padre Cacique é uma organização não governamental sem fins lucrativos, fundado em 19 de junho de 1898, pelo padre baiano Joaquim Cacique de Barros. Com o passar dos anos foi adequando-se às legislações da Política Nacional do Idoso, definindo seus cuidados a idosos a partir de 60 anos.

Atualmente abriga 120 idosos entre homens e mulheres. Destes, em torno de 40% não tem nenhum vínculo familiar, e por esta razão dependem de uma relação afetiva com os funcionários e voluntários da instituição.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Quem é a vítima?

“O criminoso é o maior capitalista que se conhece. Mas é perverso. (...) Debater violência urbana pressupõe alguns princípios inegociáveis, como o Estado não ser condescendente com o crime, pois isso é uma questão de humanidade para se poder viver em comunidade”. Artigo da juíza Betina Meinhardt Ronchetti, da 1ª Vara Criminal do Foro Alto Petrópolis, Porto Alegre.

“Sempre se fez assim”

“Ora, quem lê editais forenses? Mas essa é  a pergunta errada. A exata é: quem consegue ler os editais?” Artigo de Adroaldo Furtado Fabrício, advogado e ex-presidente do TJRS.

Civilidade, afinidades, perícias e outros aprendizados

“Nos casos de danos morais resultantes de acidentes e doenças do Trabalho, viu-se que o Direito Civil já trata o subtema responsabilidade civil de modo muito diverso que se ensinava nas faculdades nas antepenúltimas décadas do século passado”. Artigo de Ricardo Carvalho Fraga, vice-presidente do TRT-RS.

A divisão sexual do trabalho e seus efeitos sobre as mulheres

“O compartilhamento de tarefas e a alteração de estruturas de produção como fatores de libertação e igualdades sociais”. Artigo de Marilane de Oliveira Teixeira, economista e doutora em desenvolvimento econômico e social.