Ir para o conteúdo principal

Edição terça-feira , 17 de julho de 2018.

1968: a redenção de uma geração tricolor



Base de dados do blog Corneta do RW

Imagem da Matéria

Por Pedro Hübner Wortmann, advogado e historiador
Pedrowortmann@advogados.com

O ano de 1968 não foi um período fácil para os historiadores e jornalistas, em virtude de diversos eventos que eclodiram e foram capazes de deixar uma identidade ou um modo de pensar para as gerações seguintes.

No Brasil, a “Passeata dos Cem Mil” foi um espasmo de atuação da sociedade civil contra a ditadura militar; o mês de maio na França redefiniu comportamentos da juventude para os seus sucessores; os discursos do Dr. Martin Luther King se transformaram no alicerce na luta pelos direitos civis nos Estados Unidos.

A seu turno, o historiador Eric Hobsbawm nomeou o período como a “Era dos Extremos”. E o jornalista Zuenir Ventura, ao se debruçar sobre o ano de 1968, prefere dizer que este nunca acabou. No que diz respeito ao Grêmio, ambos estão certos.

Isto porque, neste ano o Imortal Tricolor comemorará o heptacampeonato de uma das gerações mais vitoriosas de sua história (1955-1968). Seus quadros forneceram personagens que ainda hoje permeiam o imaginário de qualquer torcedor.

Entre os craques: Joãozinho, o maior artilheiro do Grêmio em campeonatos gaúchos; Juarez e Alcindo, ainda entre os maiores goleadores do clube; Airton Pavilhão, talvez o nosso maior zagueiro; Marino, último jogador a marcar quatro gols em um único Gre-Nal; Milton Kuelle e sua extensa lista de serviços ao clube.

A referência a estes nomes é meramente ilustrativa, porém é extensa e proporcional aos grandes feitos, entre eles a conquista de 12 campeonatos estaduais em treze; o primeiro time de fora da Argentina a ganhar do Boca Juniors na Bombonera por quatro gols; a superação do hexacampeonato do nosso rival ao acumular sete conquistas seguidas em 1968, marca de enorme simbolismo para uma época em que as competições nacionais eram inalcançáveis; inacreditáveis 23 vitórias em 49 clássicos disputados contra o Internacional; a visibilidade nacional por disputar nove vezes a Taça do Brasil como único representante gaúcho e enfrentando times históricos como o Santos (de Pelé) e o Palmeiras (de Ademir da Guia).

Portanto, senhores, o ano de 1968 serve para celebrar os feitos daqueles personagens que pavimentaram com muito suor a nossa trajetória. Se Hobsbawm vivo fosse, diria que foi um período extremo para o nosso torcedor: 23 vitórias em Gre-Nais, hegemonia esmagadora em campeonatos regionais e vitórias simbólicas contra times brasileiros e estrangeiros, reduzindo ao ostracismo outros times do nosso Estado.

Da mesma forma, Zuenir Ventura escreveria em sua coluna do jornal O Globo que o ano de 1968, do nosso ainda inédito heptacampeonato gaúcho, do coroamento de uma geração, de fato nunca acabou.

>>>>>>>>>>

Sendo assim, o blog Corneta do RW e Aires Zingano Designer promoverão confraternização no próximo dia 2 de junho às 12h. - no restaurante Copacabana, local em que foi composto o hino do nosso clube pelo mestre Lupicínio Rodrigues - com a presença confirmada de 10 jogadores daquela geração, para que possamos agradecê-los e acarinhá-los.

Eis os confirmados para a celebração: Zeca Rodrigues, Loivo, Milton Kuelle, Raul Kneman, João Severiano, Flecha, Volmir, Helio Pires, Juarez e Paíca. E Mengálvio ainda depende de confirmação, tendo em vista que reside em Santos.

Estamos tentando localizar ainda Altemir, Suli e Cardoso. Caso tenham informações a respeito destes craques da época gloriosa, pedimos entrarem em contato com o cornetadorw@gmail.com . Os demais jogadores foram devidamente convidados, mas por impedimentos particulares não poderão participar da confraternização.

Serviço - Como arremate, uma dica a propósito do evento de 02.06: reservas podem ser feitas pelo e-mail copacabana@restcopacabana.com.br . Avante gremistas!


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Lei de Proteção de Dados Pessoais aproxima o Brasil dos países civilizados

“Quem controla os dados, controla a vida das pessoas. Por isso o Direito se preocupa com o que as organizações fazem com eles. A nova lei brasileira cria mecanismos para que os indivíduos tenham o controle sobre seus dados, para que possam decidir sobre suas próprias vidas”. Artigo de Demócrito Reinaldo Filho, desembargador do TJ-PE

Charge Correio do Sul

Simplesmente vergonhoso

 

Simplesmente vergonhoso

Editorial do jornal O Estado de S. Paulo:  “Como se não bastasse promover o aparelhamento do Estado nos anos em que esteve no governo federal, o PT postula abertamente que as pessoas indicadas pela legenda continuem a trabalhar em seu benefício”.

"Fomos enganados pela TAP!"

Atenção viajores, acautelem-se! Arquiteta porto-alegrense, que retornou esta semana de Lisboa ao Brasil, conta que ela e o marido compraram passagens TAP mas tiveram, compulsoriamente, que  embarcar num desconhecido avião branco. Sem logotipos e desequipado – nem prefixo tinha - pertence a uma suposta Hi Fly. Alguém conhece?

O arbítrio é a evolução do Direito Penal ?

“A escancarada vulgarização da corrupção em todos os níveis da administração neste país tem justificado a aplicação da lei penal de forma um tanto arbitrária”. Artigo do advogado Fábio Bittencourt da Rosa.

Charge de Renato Peters

Teto desaba na vontade política

 

Teto desaba na vontade política

“O teto constitucional, limitado ao subsídio de ministro do STF, constitui uma norma esvaziada. Os próprios ministros da Suprema Corte são os primeiros a fazê-lo. Quando um deles acumula funções no TSE, passa a perceber verba que excede o teto”. Artigo do advogado Fábio Bittencourt da Rosa.