Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 18 de maio de 2018.
http://www.espacovital.com.br/images/mab_123_13.jpg

“Quem Ensinou Fui Eu”: cantoras mato-grossenses para descontrair evento nacional da magistratura



Arte de Camila Adamoli sobre foto Camera Press

Imagem da Matéria

 Ensinamentos sertanejos

Realiza-se, este mês, de 24 a 26, em Maceió (AL), o 23º Congresso Brasileiro de Magistrados. O evento – que terá “programação científica” – tem o apoio institucional de uma associação de cartórios – a ANOREG-BR, que congrega os titulares de serviços notariais e de registro do Brasil – são cerca de 13 mil cartórios, Brasil afora. São patrocinadoras a operadora de planos de saúde Qualicorp e duas estatais: Caixa Federal e Itaipu Binacional.

Em vídeo promocional enviado aos participantes, as irmãs Maiara e Maraísa – que embalarão o encerramento do evento – cantam rimas ironizando “quem tá aí tirando onda com meu ex-namoradinho”. É assim:

Quem ensinou fui eu / Se ele te beija gostoso / Dá um amasso cabuloso / Quem ensinou fui eu / Se ele faz a noite inteira / Pede pra falar besteira / Quem ensinou fui eu...”

Magistrados, juristas e indefectíveis políticos serão palestrantes do evento jurídico, que tem detalhes curiosos. Da programação constam as falas dos deputados federais Maurício Quintella (PR-AL – ex-ministro dos Transportes do governo Temer), Carlos Sampaio (PSDB-SP), Paulo Abi Ackel (PSDB-MG) e Agnaldo Ribeiro (PP-PB). Eles vão discorrer sobre “Repartição das competências e diálogo institucional”.

A senadora Ana Amélia Lemos (PP-RS) falará sobre “Judicialização da política?” e o contraponto será do governador anfitrião Renan Filho (PM-AL, filho de Renan Calheiros) sobre “Politização da justiça?”.

Em foco, também, o “Papel do STF na democracia”. No caso, o palestrante será o ministro Ricardo Lewandowski.

 A ação decana

A mais antiga ação penal – e por que não chamá-la de decana? - em tramitação no Supremo, é contra o senador Valdir Raupp (MDB) e vai permanecer naquela corte. Aberto em 1998 quando o catarinense (de São João do Sul) Raupp era governador de Rondônia, o processo trata do desvio de R$ 2,8 milhões em valores da época. Hoje, corrigidos, seriam R$ 12,9 milhões.

Calculadora à mão para também contar juros legais, seriam no total quase R$ 44 milhões. Não fica muito longe da dinheirama (R$ 51 milhões) que havia, em setembro do ano passado, no discreto bunker do inocente Geddel.

Detalhe: o processo contra Raupp está com todas as etapas cumpridas e desde 2012 aguarda inclusão na pauta de julgamentos. O relator é o ministro Celso de Mello. (AP nº 358).

  A propósito

O ministro Luís Roberto Barroso fez, no dia 4 de abril, duras críticas ao sistema prisional brasileiro. Ele votava no habeas corpus do ex-presidente Lula, quando aproveitou para explanar sobre a “seletividade do sistema penal brasileiro”.

Três frases contundentes de Barroso: “No Brasil tornou-se muitíssimo mais fácil prender um menino com 100 gramas de maconha, do que prender um agente público ou um agente privado que desviou R$ 10, 20, 50 milhões. Essa é a realidade do sistema penal brasileiro. Ele é feito para recolher um menino pobre e não consegue prender essas pessoas que desviam por corrupção e outros delitos por milhões de dinheiro”.

 Problema grave

O jurista Joaquim Falcão, da FGV Rio e ex-membro do Conselho Nacional de Justiça, participou no domingo (6) de um seminário na Universidade de Oxford, na Grã Bretanha. Abordou as eleições de outubro e lembrou que “nenhum dos postulantes ao Planalto abordou a ineficiência da Justiça brasileira”.

O palestrante arrematou com uma frase que contém, no plural, um adjetivo raramente ouvido quando se trata de analisar a performance dos doutos: “A morosidade da prestação jurisdicional é um dos mais graves problemas do Brasil”.

Aliás, na semana passada, no julgamento que restringiu o foro privilegiado, o ministro Dias Toffoli chamou a atenção para absurdos nas Constituições estaduais de Roraima, Piauí e Rio de Janeiro, que também conferem a prerrogativa a... vereadores. No caso carioca, o mais grave quantitativamente, a primazia protege 1.241 apaniguados.

Mas, observem! O Ministério Público do Rio entrou, há tempos, com ação de inconstitucionalidade para acabar com essa “sopa de letrinhas”. Mas, desde 1991, os colegas de Tóffoli – e ele próprio - ainda não julgaram a tal de Adin.

São 27 de anos de...armário na corte.


Comentários

Bernadete Kurtz - Advogada 08.05.18 | 12:13:24

Nunca pensei, que após 48 anos de exercício da advocacia, veria o que estou vendo no Judiciário Brasileiro: a) falta de compostura (vide Gilmar) ; b) a perua Marília Castro Neves, do Rio de Janeiro; c) a agente de trânsito condenada a indenizar juiz que dirigia sem documentos ; d) pressão para receber vantagem ilegal e imoral ("auxílio-moradia"); e) a prepotência se alastrando que nem guanxuma. Na conjunção, estes congressos custeados por quem eles julgam. E pra arrematar, a moldura musical com a dupla Maiara e Maraísa só demonstra mau gosto.

Eliel Valesio Karkles - Advogado 08.05.18 | 11:06:32

Empresas "patrocinadoras" depois deverão ser "julgadas" pelos mesmos... Assim, não dá!...

Banner publicitário

Mais artigos do autor

OAB-RS suspende advogado por 180 dias

Ex-dono do Grupo Educacional Facinepe, Faustino da Rosa Júnior (OAB-RS nº 65.305) tem seu nome envolvido em irregularidades na oferta de cursos de pós-graduação. Ele (E) chegou a distribuir títulos de “Doutor Honoris Causas” a pessoas famosas como Silvio Santos

Jeitinho brasileiro para agradar magistrados e promotores

•  O auxílio-moradia – sem lei, mas com acordo a ser homologado no STF – vai ficar valendo para sempre. Fora do teto constitucional e sem pagar imposto de renda. Saiba como!

•  A Advocacia-Geral da União teria mudado de opinião. “Rádio-corredor” do CF-OAB diz que é a “moda Gilmar”.

• Suzana Richtofen matou os pais em 2002. Mesmo sem ter filhos, vai curtir uma “saidinha” pelo Dia das Mães, durante seis dias...

•  Juíza acolhe reclamação de advogado porto-alegrense: “o promotor tá loco”.

Representação criminal da OAB contra a venda de carteiras de advogado

•  Anúncio no saite Mercado Livre oferece “OAB – Carteira Registrada” à venda por R$ 1.000 (à vista). Pagamento também pode ser feito via cartões de crédito, em 12 parcelas de R$ 97,29 (preço final: R$ 1.167,48).

•  Homem que fez ostentação pública do adultério indenizará a ex-esposa.

•  A ficção vai acrescentar um personagem (“Dario Prudente”) à sina dos políticos nordestinos que perderam a vida no auge da carreira.

•  Temer, o impopular, prega “critérios de educação cívica”...

Já são 1.086.011 advogados brasileiros registrados

•  Curiosidades na diversidade de gêneros na advocacia do país: 62 casos de travestis, transexuais e transgêneros usando seus nomes sociais em substituição ao nome civil. Destes, seis registros são no RS.

•  Entre os advogados dos maiores escritórios do Brasil, apenas 2% são negros.

• STJ define o lapso etário para indenizações de seguros em casos de suicídio.

•  E uma historinha sobre o primeiro 1º de Maio nas frias celas de Curitiba.

OAB-RS desagrava advogada que recebeu “tratamento indigno e constrangedor”

· Ato que criticou modo de agir da juíza Elisabete Maria Kirschke foi realizado defronte ao prédio do Foro de Canoas (RS).

· TST condena empresa a pagar as diferenças salariais do período em que uma gerente de faturamento cobriu as férias de uma gerente comercial, ao mesmo tempo em que exercia seus próprios encargos.

· Exames invasivos femininos são proibidos pelo CNJ em concurso para ingresso na magistratura.