Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 18 de maio de 2018.
http://www.espacovital.com.br/images/jus_colorada_caricatura.jpg

A política e o futebol



Convivemos com uma rejeição à política. Falar nela é provocar a repulso da maioria das pessoas. Isso não é por acaso.

Os nossos políticos não têm dado demonstrações de espírito público e de grandeza de propósitos. É quase uma regra a de que os objetivos fiquem restritos aos interesses meramente pessoais.

Mas, se a política e os políticos estão sob a análise da população à medida que se aproximam as eleições, pouco, ou quase nada, é dito acerca da sua incidência no cenário desportivo.

Bem, ela pode ser encarada em duas vertentes.

Uma, com menor complexidade, é a presença nos conselhos e nas diretorias, de associados que paralelamente desempenham ou buscam desempenhar, a representação política institucional. Muitos prefeitos, governadores, senadores, vereadores, deputados e até mesmo membros do Poder Judiciário, não escondem as suas preferências no futebol.

Por outro lado, considerando o contexto vivido, como explicar ao associado a necessidade das movimentações internas, a preparação dos grupos de associados para a disputa democrática dos espaços?

Não é fácil.

É comum nos depararmos com o comentário peremptório: “temos que torcer e não fazer política”.

Não resta dúvida que a nossa primeira tarefa é torcer, é a de almejar o sucesso ilimitado do nosso time. Mas, mesmo torcendo, não podemos esquecer da realidade. Quem determina as diretrizes para o desenvolvimento das atividades é a direção. Contratações de jogadores e do técnico, posicionamento diante das dificuldades, relações com a imprensa, atividade financeira, etc. é tudo restrito à direção.

Logo, se não estamos contentes com o que reputamos errado, o caminho é fornecer a solução e lutar por ela, considerando os espaços existentes no regramento normativo do clube.

Há um segundo comentário igualmente desestimulante: “se estás contrário a algo, por que não participas e fazes diferente?

Ora, em qualquer estrutura organizada, é reservado um papel e espaço àqueles que não estão abrigados pela gestão. Esses, sem nenhum desejo de inviabilizarem a instituição, apresentam-se como alternativa baseados em propostas concretas submetidas aos eleitores – quadro social.

Eventual gesto para unir, o estender das mãos e o respeito à diversidade de propostas diretivas, são próprias à situação, àqueles que exercem o poder político.

Isso o torcedor tem que entender, pelo sistema existente poucas são as formas de unir e, sem dúvida, uma delas decorre da generosidade política de quem está à frente, na direção e propõe o compartilhamento dos espaços.

Àqueles que insistem em não reconhecerem a necessidade das movimentações políticas nos clubes, das formulações de programas que desbordem dos limites dos grupos políticos, um aviso: lembram das últimas eleições e das suas consequências?

Não basta escolher, é preciso avaliar.

DESPEDIDA - Nesta semana perdemos um profissional da imprensa desportiva que deixará saudades.

Falo do Ricardo Vidarte, uma figura e tanto. Ele transpirava alegria e felicidade. Tomara que o seu exemplo fique em nós e em seus familiares.
-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

· Roberto Siegmann escreve Jus Vermelha às sextas-feiras.
· Lenio Streck escreve Jus Azul às terças-feiras.


Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Falta uma resposta do Ministério Público!

“É preciso coragem! A necessidade de uma investigação no futebol do Inter. É lá que são celebrados os grandes contratos, alguns inexplicáveis. E é lá que alguns ex-dirigentes passaram a exercer atividade profissional”. 

Adeus ao Dr. Fábio

“Em um determinado momento, ele trouxe luz aos clubes e, mais do que isso, recursos financeiros antes inexistentes. Isso  proporcionou um crescimento jamais vivenciado pelos clubes de futebol”

Mulheres no futebol

“Pertenço a uma geração que testemunhou, anos 60, as maiores barbaridades em relação ao escasso e heroico público feminino. Felizmente, depois, os nossos estádios foram tomados por rostos bonitos, camisetas bem vestidas, graça e menos brigas (...) Mas teve o caso, no jogo da Libertadores desta semana, da prisão de um homem de 30 anos, por ter passado a mão na bunda de uma torcedora. A pena ridícula: proibição de entrar no estádio por 17 jogos”.

Falta respeito com o Internacional

Fora a incomparável situação dos técnicos e dos jogadores para uma reação eficiente, há a política do mimimi da direção. O chororô fica restrito aos microfones das emissoras de rádio locais”.

A imprensa gaúcha também é vermelha

“Já faz algum tempo que venho lendo que no RS viceja a tal de ´IVI´(Imprensa Vermelha Isenta). Para a surpresa geral, sou obrigador a concordar: somos esmagadoramente superiores!”

Parabéns!

“O Internacional, apesar de eventuais dificuldades, tem uma torcida que permite sempre olhar para frente, reunindo novas ideias para ultrapassar obstáculos e resgatar seus melhores momentos”.