Ir para o conteúdo principal

Edição sexta-feira , 17 de agosto de 2018.

Justiça de Goiás envia recuperação judicial da Stemac para Porto Alegre



A crise da Stemac - que fabrica geradores elétricos e entrou esta semana com pedido de recuperação judicial devido a uma dívida de R$ 700 milhões - teve dois novos prolongamentos nesta quinta-feira (19).

Primeiro: a Justiça do Trabalho em Porto Alegre bloqueou R$ 2,2 milhões de contas bancárias da empresa para pagamento de débitos trabalhistas.

Segundo: em Goiás, o juiz da 3ª Vara Cível de Itumbiara, José de Bessa Carvalho Filho, que recebeu o pedido de recuperação, decidiu enviar o processo para a comarca da capital gaúcha. A decisão sobre a recuperação foi tomada pelo magistrado, um dia após a Stemac, que tem origem no Rio Grande do Sul, protocolar o pleito no município goiano.

Na decisão, o magistrado acolheu o entendimento protocolado pelo escritório porto-alegrense Woida, Magnago, Skrebsky, Colla & Advogados Associados, que representa o Sindicato dos Metalúrgicos de Porto Alegre (Stimepa). Em petição, as advogadas Juliane Durão e Fernanda Livi – do mencionado escritório - argumentaram que, ao ser efetivado em Goiás, o processo de recuperação judicial poderia inviabilizar o acesso aos credores.

A Stemac pode recorrer da decisão que, para entrar em vigor, ainda precisa ser publicada no Diário Oficial de Goiás. A ação na área do Trabalho foi movida pelo Sindicato dos Metalúrgicos na quarta-feira (18). O valor bloqueado é referente a uma dívida com 260 trabalhadores que foram demitidos em 2016 e ainda não receberam a totalidade dos valores das rescisões.

De acordo com o diretor do Stimepa, Alfredo Gonçalves, os metalúrgicos aceitaram a proposta inicial da quitação em oito parcelas, mas, ao longo do ano passado, a empresa teria parado de realizar os pagamentos. "Há pouco tempo, houve outra audiência na Justiça do Trabalho na qual a empresa se comprometeu a cumprir o acordo, mas ainda não honrou seus compromissos" - aponta Gonçalves.

Segundo o diretor, os mais de 400 trabalhadores ainda ligados à Stemac no Estado do RS têm enfrentado dificuldades para receber os salários, que estão sendo pagos em parcelas semanais. "A empresa passou a atrasar salários e a não depositar o FGTS desde setembro de 2017", afirma o dirigente sindical.

Procurada, a Stemac disse, em nota, que ficou surpresa com o bloqueio nas contas e afirmou que vai recorrer. "Estão sendo adotadas pela empresa todas as medidas judicias cabíveis no caso", afirmou a diretoria.

"A partir do status de recuperação judicial, todos os pagamentos deverão obedecer a uma ordem do juízo da recuperação judicial", completa a Stemac.

A empresa reconhece as pendências trabalhistas, mas diz que o valor devido ainda não foi quitado em decorrência das dificuldades financeiras da companhia, as mesmas que levaram ao pedido de recuperação judicial.

Sobre a transferência da tramitação da recuperação judicial de Goiás para o Rio Grande do Sul, a empresa não respondeu a uma solicitação do Espaço Vital.

Leia a íntegra da matéria, com mais detalhes, no saite do Jornal do Comércio. Clique aqui.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Confirmada condenação de ex-prefeito de Gramado por improbidade

Pedro Henrique Bertolucci (PP) e a empresa Padan Empreendimentos ressarcirão R$ 121 mil e pagarão multa civil de R$ 60 mil. Ambos ficaram proibidos de contratar com o Poder Público, ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, durante 10 anos.

Três malas com 246 iPhones

Receita Federal flagra, em Guarulhos (SP) passageiro que chegava de viagem dos Estados Unidos.