Ir para o conteúdo principal

Edição terça-feira , 17 de julho de 2018.
http://www.espacovital.com.br/images/mab_123_13.jpg

Espaço especial para a mala do juiz...



Google Imagens

Imagem da Matéria

 A mala do juiz

Os passageiros do voo nº 4156 da Azul, de Porto Alegre para Curitiba, na quarta-feira (11), já estavam acomodados quando uma das aeromoças disse a um senhor que ocupava o assento 2D (na segunda fileira do lado direito da aeronave) que sua bagagem seria acomodada em outro local, um pouco mais adiante.

É que vamos ter que colocar aqui a mala do juiz” – explicou a comissária.

Foi nesse momento que Sérgio Moro entrou no avião e se acomodou no assento (2A) junto à janela da primeira fileira do lado esquerdo da aeronave. Antes, o magistrado não circulara pelo setor de embarque.

O jornalista Pedro Venceslau, do Estadão, que estava na poltrona 2C, do outro lado do corredor, tentou entrevistar Moro, mas ele apenas disse que “não seria possível, pois preciso trabalhar, mesmo a bordo”. O lugar ao lado do importante e adorado (por muitos) viajor ficou vago.

Ao perceber quem era o juiz que chegara, o passageiro cuja mala fora deslocada, assentiu patriótico e afirmou, dirigindo-se discretamente a Moro: “Parabéns, o senhor fez muito pelo Brasil”. Em seguida, a porta foi fechada.

Os que viram cochicharam, apoiando a pertinência da colocação da mala do juiz próximo a ele, no compartimento superior.

Eram 11h da manhã, quando o avião taxiou e se foi à capital paranaense, para um tranquilo voo com céu de brigadeiro.

 Porto Alegre é demais

Porto Alegre nos dói! Uma arquiteta estacionou seu carro ontem (12), às 8h40, no centro da cidade. A quadra escolhida estava vazia.

Como o compromisso dela era às 9h, aguardou sentada no veículo e ficou observando. Um flanelinha ficou rondando. Logo chegou outro automóvel, cujo condutor, um idoso, dirigiu-se ao parquímetro. O guardador foi junto e fez a abordagem. Em seguida outros três automóveis, simples e velhos, estacionaram e seus condutores não pegaram tickets no parquímetro e se foram a passos.

A arquiteta saiu de seu carro, dirigindo-se à máquina. O prestativo flanelinha avisou: “O parquímetro está estragado, não vai dar para a senhora pegar o ticket”.

Ela foi em busca de outra máquina a 50 metros de distância e conseguiu cumprir sua tarifada obrigação de cidadã. Uma hora e meia depois, concluiu o relato ao Espaço Vital: “Está claro que alguém estraga o parquímetro, para pedir dinheiro em troca de supostos cuidados aos veículos, ou para dar cobertura àqueles que estacionam sem pagar”.

Quem seria(m)?

Detalhe: as cenas reais foram na Rua General Câmara, entre a Riachuelo e a Praça Marechal Deodoro. A 20 metros do TJRS; a 100 m da Assembleia; e a 150 m. do Palácio Piratini.

Como dizem (parciais) versos de José Fogaça: “Porto Alegre me dói... Não diga a ninguém”...

Melhor seria como cantam outros versos do mesmo poeta: “Porto Alegre me tem... A saudade é demais... É lá que eu vivo em paz!”

Em paz?

 Quando eles não querem...

O senador Lasier Martins (PSD-RS) protocolou projeto de lei que autoriza a prisão após a condenação em segunda instância.

Detalhando: 1) O réu poderá ser preso após decisão recursal por um colegiado; 2) Mas não será tratado como culpado antes que ocorra o trânsito em julgado.

Em síntese: não seria violado o princípio constitucional da presunção de inocência.

Romero Jucá (PMDB-RR) e seus amigos já se manifestaram contrários.

E – segundo a bem informada ´rádio-corredor´ do Conselho Federal da OAB – Marco Aurélio, Lewandowsky e Toffoli “não gostaram”.

 Extermínio

Foram 44.056 as mortes de pessoas no trânsito brasileiro, em cidades e em rodovias estaduais e federais, no ano de 2017.

São números oficiais da grande carnificina brasileira.

Não nos serve o consolo de que haja ainda três países em pior situação: China, Índia e Nigéria. Cada um destes, com mais de 45 mil óbitos/ano.


Comentários

Lauri Krüger - Advogado 13.04.18 | 14:32:35

Comento o tópico QUANDO ELES NÃO QUEREM. Ressalto que a proposição é de Lasier Martins, jornalista, letrado, com formação superior em mais de uma área. Imagine se fosse proposta por um leigo, por alguém de poucas luzes ou por um energúmeno qualquer...

Banner publicitário

Mais artigos do autor

STF suspende cobrança abusiva de 40% pelos planos de saúde

· Na decisão, Cármen Lúcia afirma que “saúde não é mercadoria, vida não é negócio, e dignidade não é lucro”.

· Auxílio-maternidade a uma mulher que adotou menina de 12 anos.

· Franklin Martins, envolvido no sequestro do embaixador Charles Burke Elbrick, poderá estar na equipe de Dias Tóffoli na presidência do STF.

· Custódia do notebook apreendido na residência do empresário Henrique Constantino, um dos fundadores da Gol.

Reflexos e rescaldos de um plantão controvertido

• AJUFE não defenderá Favreto se ele for denunciado por prevaricação. Na eventual ação penal cabem transação penal e suspensão condicional da pena.

 Das redes sociais: “Outrora atribuída a advogados desqualificados, nosso país acaba de criar a figura do desembargador de porta de cadeia”.

 O “tríplice milagre” realizado por Lula.

•  “Rádio-corredor” forense anuncia candidato de oposição às eleições da OAB-RS. Mas o objetivo é 2021.

O polêmico desempenho do desembargador Favreto, no controvertido plantão do TRF-4

• O Espaço Vital pediu a opinião de 20 advogados sobre a confusão jurídica do domingo. Entre as respostas, veio à baila o ensaio da Grécia antiga: “Ne sutor ultra crepidam”.

 Google vence Xuxa definitivamente. Insucesso da ação que buscava a remoção de imagens e links a quem digitasse, no mecanismo de buscas, o nome da apresentadora e “pedófila”.

 Clamor feminista pretende que a OAB passe a chamar-se Ordem da Advocacia do Brasil. Sonho que fica para 2019 ou 2020.

• Só uma seccional estadual da OAB tem, atualmente, mais advogadas do que advogados.

 Mas as estagiárias já são maioria, na estatística nacional.

Salvo surpresas, Gilmar Mendes fica no STF até 30.12.2030

 Facchin indefere o pedido para que o Senado analise o impeachment do ministro colega. E a PGR não vai recorrer.

 Novo round no julgamento do caso que gerou a acusação de suposta corrupção no TJ de Santa Catarina: ontem, o voto- vista do vogal.

 Advogado gaúcho analisa supremas incoerências recentes do STF

Indenização para Luciano Huck por uso indevido de seu nome em lançamento imobiliário

 Decisão do STJ confirma a condenação da Cipesa, construtora de luxuoso empreendimento residencial em São Paulo, mas isenta a imobiliária que fez a comercialização.

 Conselho Seccional da OAB-RS exclui mais três advogados.

 A internacional Environment Justice Atlas aponta conflitos socioambientais em três casos no RS: um deles é a demora da Justiça gaúcha em decidir o caso do atropelamento coletivo de 17 ciclistas.

 Os gols financeiros que os planos de saúde festejam durante a Copa do Mundo.

O “auxílio-malhação” não chegou a colocar juízes e desembargadores em forma...

• CNJ breca funcionamento de academia judicial, exclusiva para magistrados e familiares, paga com dinheiro público.

 No STF, “rádio-corredor” aponta a Suprema Trinca. E quem são os integrantes da “câmara de gás”? Por que uma Turma é chamada de “jardim do Éden”?

 49% dos brasileiros dizem não saber o que significa uma pessoa transgênero.

 Abuso na Câmara: em três anos, R$ 9,9 milhões de gastos com jatinhos e helicópteros.