Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 18 de setembro de 2018.

Possibilidade de pagamento em dinheiro para todos os aplicativos de transporte



A Câmara de Vereadores de Porto Alegre iniciou ontem (9) a votação das primeiras emendas de 27 propostas ao Projeto de Lei de Executivo (PLE) nº 16/17, que regula o serviço de transporte privado individual de passageiros por aplicativos, como Uber, Cabify e 99 Pop.

Os vereadores aprovaram seis emendas e subemendas na sessão. A principal delas muda o artigo 9º do texto original, enviado à casa pelo prefeito Nelson Marchezan Júnior (PSDB), possibilitando que o usuário faça pagamento em dinheiro em todos os aplicativos disponíveis em Porto Alegre.

O PLE atualmente delimita que o pagamento seja feito exclusivamente via aplicativo, por cartões de crédito ou débito. A forma de pagamento aprovada muda o funcionamento dos aplicativos em si, disponibilizando que os condutores escolham a forma de pagamento desejada, se em dinheiro ou cartão.

O único aplicativo que permite isso, atualmente, é o 99 Pop, ao passo que o motorista da Uber só sabe a forma de pagamento do passageiro após aceitar a corrida; o Cabify aceita apenas pagamento via cartão.

Foi aprovada também uma emenda que visa alterar a forma de taxação tributária nos aplicativos, contrapondo o que prevê o projeto, que cobra a Taxa de Gerenciamento Operacional (TGO) de 20 Unidades Financeiras Municipais (UFMs) - valor que representa R$ 80,29 - mensais por veículo, independentemente do número de viagens realizadas.

A emenda aprovada institui a TGO no valor de 0,025 UFM por corrida, o que gira em torno de R$ 0,10 por viagem.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Frustrada tentativa de manipular a jurisdição

STJ define que a desistência da recorrente não impede o julgamento de recurso. Caso envolve a confirmação da condenação de operadora de saúde a fornecer medicamento para o tratamento de câncer e cria um precedente.

Legalidade de multa aplicada à Unimed por negar cobertura de serviço em cirurgia

A operadora se recusava a cobrir os honorários do responsável pela instrumentação.  Acórdão do TRF-4 diz que “foge à normalidade surpreender o usuário submetido a procedimento cirúrgico, com cobrança de honorários de instrumentador, que deve necessariamente estar inserido na equipe médica”.

Quis ganhar no grito, mas desistiu...

A Agência Nacional de Saúde Suplementar conforma-se com a liminar concedida pela presidente do STF. O diretor setorial da ANS, Rodrigo Aguiar, verborragicamente, diz que “a intenção era ampliar as proteções ao consumidor e promover maior bem-estar na sociedade!...