Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 18 de setembro de 2018.

Não foi o assessor...foi o juiz mesmo!



Curioso despacho em uma ação em que – em causa própria – um advogado litiga, na comarca de Tupanciretã (RS), contra o Instituto de Previdência do Estado.

A folhas tantas, o juiz da causa, Marco Luciano Wächter, três anos e meio de carreira na magistratura gaúcha (posse em 18.09.14), escreve assim:

Trata-se de embargos em que o Dr. Oscar Siqueira Alvares fala muito, mas não diz nada. Simplesmente, e em resumo, não ´curtiu´ que este magistrado utilizou o verbo ´tachar´ na decisão dos embargos de declaração em que acolhi seu pedido. Disse que possivelmente a decisão tenha sido da lavra de um assessor e não do magistrado. Ledo engano, a redação é minha. E uso o verbo ´tachar´ em todas as minhas decisões de embargos de declaração e vou continuar usando. Não vejo nenhum problema no uso do verbo”.

O arremate verborrágico do despacho do juiz é simplório: “Não curtiu? Paciência! A vida segue”.

O Diário de Justiça Eletrônico do TJRS também publicou a pérola. A vida segue. (Proc. nº 1.16.0001413-6).


Comentários

Sidnei Antonio Mesacasa - Advogado 20.03.18 | 19:12:24

Um amigo mais experiente me disse certa feita: "Cuida para que não precises do Judiciário para resolver teus problemas". Cada vez mais válido o conselho...

Eliel Valesio Karkles - Advogado 20.03.18 | 14:36:17
Novos tempos... A sensatez indo embora!
Luis Augusto Waschburger - Advogado 20.03.18 | 11:09:35

Que momento vive o Judiciário! Que o destino nos proteja!

Marcel J. Santos - Trabalhador Em Telemarketing 19.03.18 | 19:39:06

É, o juiz em seu solipsismo jurídico dentro de uma extensão máxima. Afinal, quando compareci em uma audiência no Juizado Especial, a juíza disse que "poderia tudo".

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Por “uma Justiça melhor”, Brasil sediará a 9ª Conferência da IACA

Será de 16 a 19 de setembro em Foz do Iguaçu. “Tolerância zero para a corrupção” é um temas do evento. Presidente da Suprema Corte da Suécia fará a conferência de abertura. Brasileiro Sérgio Moro palestrará sobre “Combate permanente à corrupção no mundo”.

Magistrados podem, ou não, julgar ações em que haja atuação de familiares?

A AMB busca, em ADIn, a inconstitucionalidade do art. 144 do CPC. Este dispõe que há impedimento do juiz em ação “em que figure como parte cliente do escritório de advocacia de seu cônjuge, companheiro ou parente, consanguíneo ou afim”. Em rebate, a AGU sustenta a constitucionalidade do dispositivo.