Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 21 de setembro de 2018.
http://www.espacovital.com.br/images/mab_123_13.jpg

Os presos que estão “nas nuvens” e também na terra de Sartori e Schirmer



Chargista Izânio

Imagem da Matéria

 

  Nuvem calma para presos gaúchos

A falta de vagas nos albergues que abrigam presos do semiaberto provoca uma situação incomum em Porto Alegre: condenados respondem por seus crimes soltos, sem monitoramento. Segundo dados da Superintendência de Serviços Penitenciários, na sexta-feira (23), eram 661 detentos nesta situação.

No Estado do RS, 8.102 apenados estão no regime semiaberto e 2.216, no aberto. Desse total de 10.318, apenas 2.196 são monitorados por tornozeleiras.

Como controle (?), os apenados em liberdade devem se apresentar no Instituto Penal Padre Pio Buck, semanalmente, até que uma vaga seja aberta. São os chamados "presos na nuvem", conforme a Vara de Execuções Criminais. Já a superintendência intitula a situação como "estabelecimento Susepe".

Em 2016 o Supremo editou a Súmula Vinculante nº 56: “A falta de estabelecimento penal adequado não autoriza a manutenção do condenado em regime prisional mais gravoso”.

Desde então, a situação se agravou em Porto Alegre. Há cada vez mais apenados “nas nuvens”. Não é exagero imaginar que alguns deles continuem praticando ilícitos, em terra firme... na terra de José Ivo Sartori e de César Schirmer.

 A vez do Rio

O presidente da OAB do Rio, advogado Felipe Santa Cruz, provavelmente será o candidato único, em fevereiro de 2019, à sucessão nacional da Ordem, substituindo o gaúcho Cláudio Lamachia. A desistência, já, do suposto principal adversário, o vice-presidente do Conselho Federal, Luis Cláudio Chaves, deixou o caminho livre para o advogado carioca.

Passa triênio, volta triênio, e as eleições nacionais da entidade continuam sendo indiretas.

Coisa estranha...

 A causa do ano

Primeiro capítulo: a advogada Esther Flesch – que foi integrante do escritório Trench, Rossi e Watanabe durante 20 anos – foi desligada por causa do ´tsunami´ da delação da JBS. Segundo capítulo: ela entrou com ação contra seu ex-empregador.

A “rádio-corredor” da Justiça do Trabalho carioca pintou, nesta segunda-feira (26), os valores da demanda: Esther quer R$ 50 milhões. O escritório propõe R$ 15 milhões. Só se fala nisso.

 Retribuições divinas?

A 3ª Turma do STJ julga, nesta terça-feira (27), o recurso especial da Igreja Universal do Reino de Deus, tentando reverter a indenização de R$ 20 mil, que foi condenada a pagar a um casal gaúcho.

A controvérsia: suposta coação para a doação de dízimo.

A ação revela que a mulher teria sido induzida pelos pastores a se desfazer de parte de seu patrimônio (celular, fogão e móveis) para fazer os pagamentos que resultariam em “retribuições divinas”.

Creem? (REsp nº 1455521).


Comentários

Rafael Wiezzer - Autonomo 27.02.18 | 08:27:52

Comento o julgamento pelo STJ do recurso da Igreja Universal. Neste mundo tem trouxa pra tudo! Só falta o Lula & Cia. criarem uma igreja - aí haverá a maior concorrência pelo dízimo...

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Mais 24 anos e dois meses de poder para Toffoli

 Se não quiser, antes, se aposentar voluntariamente, o atual presidente do STF será ministro até 14 de novembro de 2042, véspera de seu 75º aniversário.

 O atual decano Celso de Mello pode chegar a 30 anos, um mês e 22 dias em atividade na Suprema Corte.

 Presidente do BNDES admite que “foi um erro o banco ter concedido empréstimos para exportações a países como Cuba e Venezuela”.

 Uma ação do Botafogo cobra, no Rio, R$ 50 milhões do ex-presidente Maurício Assumpção por má gestão.

 No RS não se fala mais na devassa das contas do ex-presidente do Inter.

Política irracional brasileira: Congresso prepara a criação de 400 novos municípios

 O jeitinho de políticos locais na criação dos próprios distritos eleitorais: 400 novos cargos de prefeito, outro tanto de vice-prefeitos, no mínimo 2.000 secretários e 3.600 vereadores. Mais os assessores e os penduricalhos.

 No STJ, uma ação da Apple contra a Gradiente, discutindo o direito do uso da marca iPhone no Brasil.

 A desvantagem de ser condenado por corrupção e a vantagem de receber uma pena por “caixa 2”.

O Grêmio Porto-Alegrense entra para o seleto grupo de “três clubes brasileiros que alcançaram o equilíbrio financeiro”.

Fraudes para ressuscitar prazos processuais perdidos

 O esquema lesou um banco, várias agências dos Correios e a prestação jurisdicional.

• Depois da condenação pelo TRF-4, Lula ingressou com 17 recursos. Um a cada 13 dias.

 Como a Justiça dos EUA trata advogados que defendem criminosos.

 Crise na Argentina derruba a fabricante dos incomparáveis sorvetes Freddo.

União pagará transplante quádruplo de criança brasileira nos EUA

• Menino de três anos precisa receber novos estômago, intestino, baço e fígado para sobreviver a uma síndrome rara. No Brasil, esse tipo de cirurgia é feito somente em adultos.

• Cármen Lúcia arquiva os pedidos de suspeição e impedimento contra Gilmar Mendes.

• Mudança na jurisprudência trabalhista. Decisão do TST concede adicional de insalubridade a camareira de hotel.

Olho vivo em suposta pesquisa sobre as eleições da Ordem gaúcha!

E-mail maroto - que se “identifica” como OabRsEleição2018 – pede a participação de advogados.

Senado aprova projeto de lei que extingue o reconhecimento de assinaturas e a autenticação de documentos.

Ex-sócio da Empiricus, preso pelo FBI, também lesou o grupo Zaffari (RS). Enquadramento penal prevê reclusão que pode chegar a 70 anos.

Afinal, o que é “empírico”?...

Afinal, Ronaldo Fenômeno rende-se à Justiça e paga indenização (R$ 100 mil) a jornalista gaúcho

  Origem da ação remonta a uma “folgazã folgada da folia”, em boate da Coréia do Sul, durante a Copa de 2002, quando José Aveline Neto tentava clicar Ronaldinho Gaúcho dançando no colo de acompanhantes.

  Mais futebol: uma ação de universidade paulista contra a CBF. Tite, por seu desempenho como “garoto propaganda”, é o pivô da controvérsia.

  Uma indenização de R$ 21 milhões para o Icasa (clube do Ceará) que não subiu para a Série A por causa de um erro da CBF.

  E o “futebol jurídico-político” que alcança o ex-prefeito de Osório Romildo Bolzan Júnior, atual presidente do Grêmio. Condenação em ação civil pública fica próxima dos R$ 4,5 milhões.