Ir para o conteúdo principal

Edição sexta-feira , 17 de agosto de 2018.

Advogado impetra habeas corpus para liberar automóvel e...



Arte de Camila Adamoli sobre foto 180 Graus.Com

Imagem da Matéria

A demora, pela Polícia Civil do Maranhão, em periciar um carro que tinha sido roubado – e que restou recuperado - resultou num embate entre um desembargador e a Seccional da OAB maranhense. O dono do veículo, que é o advogado Valter Bonfim Teíde Bezerra Filho, impetrou um habeas corpus para tentar liberar seu veículo. Não teve êxito, mas pelo menos chamou a atenção para o caso, e para a maneira original de advogar.

O carro foi roubado em dezembro de 2017 e recuperado no início deste ano. Apesar da solução prática resolvendo a subtração, o veículo ainda não foi liberado porque falta a perícia da Polícia Civil.

Em primeiro grau, a liminar pedindo a liberação foi negada, o que motivou o HC. O advogado Valter Bonfim justificou o pedido alegando que “o bem, ao ficar muito tempo parado no pátio da Delegacia, está se deteriorando, exposto ao sol e à chuva”.

Na decisão que negou o pedido, o desembargador plantonista Jaime Ferreira de Araújo questionou e criticou a capacidade técnica do profissional, pois o HC serve para proteger a liberdade individual do ser humano, não de um bem.

O magistrado também avalia que “o advogado não detém conhecimentos mínimos para o exercício da profissão”. Por isso, o desembargador Araújo determinou a impressão (cópias) das peças apresentadas para encaminhamento à OAB-MA.

O julgador determinou também que o profissional seja inscrito ´ex-ofício´ pela OAB-MA na Escola da Advocacia local, para reciclar-se e passar por uma avaliação de capacidade técnica.

O desembargador Araújo foi além, em recado à Ordem maranhense: “Não sendo ele aprovado na prova de que se trata, reúna sua diretoria para decidir se cassam, ou não, a carteira daquele que ajuíza ação temerária, que Rui Barbosa, se vivo fosse, teria vergonha de dizer que pertenceria à mesma categoria profissional deste impetrante”. (HC nº  0800561-11.2018.8.10.0000 – Comarca de origem: Buriticupu/MA).

Posição da OAB-MA

O presidente da entidade, advogado Thiago Diaz, criticou a atitude do magistrado. Em vídeo publicado pela Seccional, o dirigente afirmou que “não cabe a nenhum magistrado deste país avaliar a capacidade técnica dos advogados”.

Em repúdio, a OAB-MA afirma que o desembargador cometeu “evidentes excessos extrapolando suas atribuições” (...) e  que “as manifestações do magistrado destoam da relação entre Judiciário e Advocacia, pois a Ordem não se pronuncia sobre erros cometidos por julgadores, por mais crassos que possam ser, assim como sobre decisões proferidas, por mais inadequadas, antijurídicas ou teratológicas que sejam”.

A nota encerra afirmando ser “de bom alvitre sopesar que - sendo Autarquia Federal - a Seccional Maranhense da Ordem dos Advogados do Brasil não admite que venha a ser, em público, interpelada sem o devido processo legal ou instada a fazer ou deixar alguma coisa senão por ordem judicial emanada por Juízo competente, no caso, a Justiça Federal do Brasil e Tribunais Superiores”. (Proc. nº 0800561-11.2018.8.10.0000).

Leia a íntegra da decisão do desembargador.


Advogado impetra habeas corpus para liberar automóve.pdf

Comentários

Carlos Alberto Stimamilio - Aposentado 09.02.18 | 21:23:38
Aprovo a manifestação da OAB/MA. O magistrado foi arrogante, prepotente e ultrapassou em muito as regras de relacionamento que obrigatoriamente devem respeitar o juiz e o advogado. Se o Poder Judiciário não fosse corporativista e tolerante com esses comportamentos de seus integrantes, o assunto poderia merecer uma verificação disciplinar.
Rafael Hoffmann - Servidor Público - Estudante Fe Direito 09.02.18 | 08:48:31

Em uma rápida pesquisa pelo nome do referido magistrado, já encontrei que foi acusado de ofensas a um casal homossexual, alem de agressão física contra um dos mesmos. Ainda, esteve afastado por quase 3 anos do TJ-MA, devido a uma "conduta imprópria" (foi acusado de assédio sexual e afastado por isso), conforme a relatora do CNJ. Esse magistrado é o parâmetro de conhecimento? Alem de escorrer arrogância pelas suas palavras, sua própria conduta já o desqualifica para qualquer coisa.

Clacir Rasador - Empresário Com Formação Em Direito 08.02.18 | 19:33:23

Impressionante a resposta da OAB Maranhense, pois toma uma postura totalmente corporativista em momento impróprio, pois pela incapacidade técnica demostrada, diminui sem dúvida o conceito de "advogado", inclusive pelo erro crasso; parece mais uma tentativa hilária de chamar a atenção do Judiciário, o que se assim o fez, brincou com a Justiça que pode até ser cega, mas não a encontrou dormindo.

Sergio Bueno - Advogado 08.02.18 | 18:49:29

Estou inteiramente de acordo com a manifestação proferida pelo ilustre Presidente da OAB-MA, Advogado Thiago Dias, pois ele foi curto e preciso na resposta dada ao desembargador plantonista Jaime Ferreira de Araújo. Parabéns, presidente!

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Desagravo para advogada intimidada por juiz trabalhista

A profissional da advocacia Simone Batista foi destratada pelo magistrado André Ibanos Pereira, na 7ª Vara do Trabalho de Porto Alegre. “A sala de audiências virou palco de abuso de poder, com o magistrado agindo de forma arrogante e intimidadora” – diz a nota da OAB-RS, lida durante a solenidade.