Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 18 de maio de 2018.

Acórdão critica netas de 30 e 33 anos por “sugarem a avó”



Duas mulheres de 30 e 33 anos, moradoras de Sinop, a 503 km de Cuiabá (MT), entraram na Justiça contra a avó para continuarem recebendo a pensão alimentícia - e tiveram o pedido negado pelo TJ de Mato Grosso. Além disso, elas foram criticadas pelo desembargador Sebastião de Moraes Filho, relator do processo.

Para o magistrado, determinar o pagamento da pensão – pela avó às jovens e saudáveis mulheres - iria contra ao Estatuto do Idoso e oficializaria o ócio. Elas vinham recebendo o pensionamento pago pela avó por força de uma liminar, agora cassada.

No voto, o relator deplora: “Isto é vergonhoso – duas maiores e capazes pretenderem continuar sugando sua avó, não havendo, por mais que se tente, qualquer prova capaz de constituir o seu direito

A decisão contrária ao pagamento de pensão foi seguida pelos demais desembargadores da 2ª Câmara de Direito Privado do tribunal mato-grossense. Com isso, elas vão parar de receber pensão alimentícia da avó, que é mãe do pai delas.

Uma das netas, de 33 anos, tem mestrado e é sócia de uma empresa; a outra, de 30 anos, ainda não concluiu curso superior.

"Maiores e capazes, com mais de 30 anos de idade, uma demonstrando que tem até curso de mestrado e é sócia em uma empresa - não há como albergar pretensão de recebimento de pensão alimentícia contra a avó" – afirmou o relator.

O fato de não ter concluído a faculdade foi usado como justificativa pela mais nova para continuar recebendo a pensão.

Mas o desembargador avaliou que "não é crível que, passando dos 30 anos, a requerente ainda não encontrou trabalho. Se com tal idade não tenha conseguido terminar o curso superior é confissão de que, em verdade, não deseja fazê-lo e sim utilizar do expediente para recebimento de pensão".

As irmãs entraram com uma ação para cobrar o recebimento de pensão alimentícia, em 2005, e à época foi dada uma decisão favorável a elas para que a avó pagasse a pensão diante da inadimplência do filho dela.

No julgamento de mérito da ação, a Justiça de Sinop (MT) julgou descabido o pagamento, pois não houve comprovação de que a avó, pensionista, deveria responder pela inadimplência do pai.

Na decisão, o relator pontuou que o caso não se aplica ao artigo 1.694 do Código Civil, que trata da necessidade do recebimento de alimentos.

O acórdão arremata "tratar-se, em verdade, de atitudes condenáveis sob todos os aspectos, de retirarem de sua avó parte da pensão que percebe, numa situação que afronta a lei, a moral, os bons costumes, sendo elas legítimas litigantes de má fé”.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Arte de Camila Adamoli sobre foto Camera Press

Sônia vira Samuel, mas...

 

Sônia vira Samuel, mas...

Mulher que a Justiça gaúcha autorizou a trocar de prenome e registrar-se como “transexual” busca o direito de alterar seu registro civil para o gênero masculino. Ela não quer se submeter à cirurgia de faloplastia e já tem no STF cinco votos a favor. Mas o acórdão do TJRS alerta: “Os princípios da publicidade e da veracidade dos registros públicos devem corresponder à realidade fenomênica do mundo, para resguardo de direitos e interesses de terceiros”.

CNJ institui regras para registro de nascimento e casamento

As novas rotinas para casos de barriga de aluguel e paternidade sócio afetiva. Para a emissão de certidões de nascimento de filhos gerados por reprodução assistida, o oficial de registro civil não poderá exigir a identificação do doador de material genético.