Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 18 de maio de 2018.

Culpados e inocentes: uma demora de 14 anos a favor de Romero Jucá



Chargista SponHolz

Imagem da Matéria

O Supremo deu, esta semana, mais um (mau) exemplo de sua ineficiência para julgar (e até mesmo absolver) políticos com foro privilegiado. Depois de 14 anos, a corte arquivou um inquérito que apurava se Romero Jucá recebeu propina em obras no seu Estado. O notório senador não foi considerado nem culpado, nem inocente – porque o caso prescreveu.

Os registros mostram que o acúmulo de trabalho no gabinete de Gilmar Mendes ajudou na cronologia que assou a pizza servida ao presidente do PMDB. Há mais dez inquéritos em tramitação contra  ele.

Depois disso, Gilmar assumiu a presidência do STF e ainda aguardou, até setembro de 2011, para pautar a questão de ordem que levantou: ele propôs devolver o caso à primeira instância, mas foi derrotado na votação.

Durante os cinco anos em que foi retardado o inquérito, o calendário correu contra a investigação e ... a favor de Jucá.  Para conferir, basta acessar a página de informações processuais do tribunal. (Inquérito nº 2.116).

A propósito

O senador roraimense ainda responde no STF a dez inquéritos e acredita que todos eles serão arquivados.

Há quem diga que sua nova profecia tem grandes chances de virar realidade.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Advogado diz em petição que está com vontade de “chutar o pau da barraca”

Negativa de prestação jurisdicional pelo juiz deprecado (São Pedro do Sul-RS) é reclamada em petição à juíza deprecante (São Luiz Gonzaga-RS). “É impossível a um idoso como homem e/ou a um velho como advogado, compreender as razões que possam levar um juiz à indisfarçável prática de atos procrastinatórios”. Leia a íntegra da petição de desabafo.

Sem surpresa com o decreto de prisão de Lula

Ministro Marco Aurélio disse que “a justiça deve ser célere, em todos os sentidos". Leia também detalhes sobre o PEN – Partido Ecológico Nacional, autor de uma das ações declaratória de constitucionalidade sobre a prisão somente após o trânsito em julgado.