Ir para o conteúdo principal

Edição sexta-feira , 17 de agosto de 2018.

Foro para ação de reparação: domicílio do autor ou local onde fato ocorreu



A 3ª Turma do STJ confirmou, por unanimidade, o entendimento de que o foro competente para apreciar ações de reparação de dano sofrido em razão de delito é aquele onde reside o autor da ação indenizatória, ou o local onde o fato ocorreu.

No caso julgado, o colegiado negou recurso da fábrica de sandálias Grendene, que tem uma unidade em Sobral (CE), e queria manter ação ajuizada na comarca de Farroupilha (RS), onde tem sua sede principal. O objetivo da ação é coibir a imitação de desenho industrial de sua titularidade por uma fábrica de Juazeiro do Norte (CE).

Segundo os autos, a empresa demandada (RB Indústria e Comércio Ltda.) produz calçado muito semelhante ao produto comercializado pela Grendene, a sandália Ipanema.

Por decisão da 5ª Câmara Cível do TJRS – relator o desembargador Jorge Luiz Lopes do Canto – o foro competente será o de Sobral (CE). O magistrado gaúcho resume que “na ação principal a parte autora objetiva a condenação no pagamento de indenização e a constituição da obrigação de não fazer o produto de sua propriedade industrial (...) e que imediatamente seja paralisada a fabricação e comercialização de todo e qualquer calçado que copie e imite o chinelo Ipanema”.

De acordo com a relatora, ministra Nancy Andrighi, a possibilidade de escolha do foro para propositura da ação concedida ao autor, vítima do ilícito, visa facilitar o exercício de seu direito de obter a justa reparação pelos danos sofridos, confirmando os princípios do devido processo legal e da ampla defesa.

Ocorre que, no particular, a ação não foi ajuizada pela recorrente em qualquer dos foros precitados (domicílio do autor ou local do fato), mas em comarca onde, segundo alega, o produto contrafeito foi exposto à venda por terceiro que não integra a lide”, explicou a ministra.

Farroupilha é a cidade onde a Grendene foi fundada e onde dispõe, até hoje, de uma de suas unidades. As demais são em Carlos Barbosa (RS), Fortaleza, Sobral e Crato (CE) e Teixeira de Freitas (BA).

Os juízos de primeiro e segundo graus, ao apreciarem a controvérsia, acolheram a exceção apresentada pela empresa demandada, reconhecendo a competência da Justiça cearense para apreciar a ação, uma vez que nenhuma das partes tem domicílio na cidade de Farroupilha.

Além disso, foi considerado que o fato jurídico apontado como causa do pleito ocorreu na sede da empresa demandada, que fica em Juazeiro do Norte (CE).

Segundo Nancy Andrighi, como o TJRS decidiu que o fato apontado como causa de pedir ocorreu no local da sede da empresa recorrida, em Juazeiro do Norte (CE) e não na comarca em que a Grendene ajuizou a ação (Farroupilha-RS) é inviável ao STJ alterar a decisão, devido à Súmula 7, que veda a reapreciação de provas em recurso especial.

Leia a íntegra do acórdão.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Confirmada condenação de ex-prefeito de Gramado por improbidade

Pedro Henrique Bertolucci (PP) e a empresa Padan Empreendimentos ressarcirão R$ 121 mil e pagarão multa civil de R$ 60 mil. Ambos ficaram proibidos de contratar com o Poder Público, ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, durante 10 anos.

Três malas com 246 iPhones

Receita Federal flagra, em Guarulhos (SP) passageiro que chegava de viagem dos Estados Unidos.