Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 25 de setembro de 2018.

R$ 1,2 bilhão de honorários advocatícios



No acordo amplamente noticiado para indenizar cidadãos prejudicados pelas manipulações financeiras dos planos econômicos, bancos e poupadores concordaram em pagar cerca de R$ 1,2 bilhão aos advogados envolvidos nas negociações para concluir a transação.

Os valores serão destinados diretamente aos advogados que indicarão, no momento da adesão, os dados de suas contas bancárias para o depósito.

Pessoas que participaram das reuniões afirmam que o pagamento dos advogados quase levou as negociações ao fracasso. Mesmo com os principais termos do acordo fechados há uma quinzena, alguns representantes de poupadores e de bancos insistiam para que as discussões fossem concluídas em março do próximo ano.

Advogados criavam barreiras para arrastar a discussão como forma de pressionar para a inclusão dos honorários.

O impasse só foi superado quando, na sexta-feira passada (8), as partes concordaram em pagar 10% sobre o valor final de cada poupador para os advogados que os representam nas ações individuais. Nas ações civis públicas, os advogados dividirão os 10%. Metade ficará com o profissional e outra parte com a Febrapo (Frente Brasileira pelos Poupadores), pelo trabalho na fase de "reconhecimento da ação coletiva" e sua inclusão no acordo.

A propósito de honorários

Há um tema que interessa aos advogados de todo o Brasil em debate na 2ª Seção do STJ: “Os profissionais da advocacia devem integrar o polo passivo de ação rescisória e correm o risco de devolverem honorários sucumbenciais”?

O caso é oriundo de Porto Alegre e tem a Previ – Caixa de Assistência dos Funcionários do Banco do Brasil como autora.

Anteontem (13), o ministro Antonio Carlos Ferreira apresentou pormenorizado voto-vista: “O advogado não é parte legítima para figurar no polo passivo de ação rescisória ajuizada sob fundamentos que só alcançam a relação jurídica formada entre as partes da demanda originária, revelando-se insuficientes para atingir o direito autônomo do profissional aos honorários sucumbenciais".

Com o pedido de vista do ministro Ricardo Villas-Boas Cueva, decisão só depois do carnaval. (AR nº 5.160).


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Advogada é algemada e retirada de audiência

Num vídeo exibido nas redes sociais, a profissional da advocacia aparece sentada no chão, no JEC Cível da comarca de Duque de Caxias (RJ), cercada por policiais, e com as mãos imobilizadas às costas. Ela reclama: “Sou negra, só quero trabalhar”.Veja as imagens e ouça o som.

Projeto de lei estabelece que OAB prestará contas

A movimentação financeira se submeterá a parecer do MPF. O projeto também altera o Estatuto da Advocacia, ao estabelecer que apenas uma inscrição será suficiente para o advogado atuar em todos os Estados.

Desagravo para advogada intimidada por juiz trabalhista

A profissional da advocacia Simone Batista foi destratada pelo magistrado André Ibanos Pereira, na 7ª Vara do Trabalho de Porto Alegre. “A sala de audiências virou palco de abuso de poder, com o magistrado agindo de forma arrogante e intimidadora” – diz a nota da OAB-RS, lida durante a solenidade.