Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira, 19 de outubro de 2018.
http://www.espacovital.com.br/images/mab_123_11.jpg

Editora não indenizará mulher que teve seu nome e foto incluídos, em livro, como amante do patrão



Amante sem direito ao segredo

Amantes de homens públicos, atenção! Decisão da 10ª Câmara Cível do TJ de São Paulo dispôs que a Editora Schwarcz Ltda. não terá que indenizar uma ex-empregada de Assis Chateaubriand, mencionada na biografia "Chatô - O Rei do Brasil" como suposta amante do jornalista.  A mulher – que buscava indenização mínima de R$ 350 mil - alegou que sua imagem e sua história foram publicadas sem autorização prévia.

Chateaubriand, falecido em 1968, aos 75 de idade, foi um magnata das comunicações no Brasil de 1939 a 1960, dono dos Diários Associados, o maior conglomerado de mídia da América Latina durante mais de 20 anos. Em seu auge, teve mais de cem jornais, emissoras de rádio e tevê, revistas e agência telegráfica.

Conforme o julgado, “a autorização não seria necessária, uma vez que a obra retrata fatos da vida de um dos homens públicos mais influentes do país”.

Consta nos autos que a mulher trabalhou como faxineira por dois anos na casa de Chateaubriand, e que, segundo a obra, escrita pelo jornalista Fernando Morais, ela passava horas no quarto com o empresário, "furunfando”.

A sentença já havia rejeitado o pedido da empregada, entendendo que os fatos narrados e expostos por depoimentos, “comprovam as histórias presentes na biografia”.  O arremate é que “presente a verossimilhança dos fatos narrados no livro em relação à empregada, a obra poderia ter veiculado, sem autorização, a imagem e fatos relacionados à requerente, como coadjuvante da vida de Assis Chateaubriand, importante representante da cultura brasileira, cuja trajetória, assim, deveria ser conhecida em virtude do interesse público despertado". (Proc. nº 0178622-49.2010.8.26.0100).

 Calcinhas e sutiãs em leilão

Lojistas especializados no nicho da moda íntima habilitem-se! Serão vendidos em leilões judiciais (23 de janeiro e 20 de fevereiro), na Justiça do Trabalho do Rio, 16.685 sutiãs, 7.885 calcinhas e 1.700 cintas, na expectativa de arrecadar R$ 726.373,80.

As peças pertencentes ao estoque da fabricante Duloren foram penhoradas na sede da empresa, que fica no Rio. Mas a ordem provém da 10ª Vara do Trabalho de Vitória (ES).

O crédito exequendo é de dois ex-representantes comerciais da Duloren que trabalharam durante cinco anos sem formal vínculo empregatício – afinal reconhecido, e já com trânsito em julgado.  Para facilitar a alienação, a venda das 26.270 será por lotes, que variam de 785 a 2.000 peças. O preço médio mínimo por peça será, assim, de R$ 27,65.

O advogado Domingos Salis de Araújo, que defende os reclamantes, disse que “o desfecho da ação é decorrência de uma prática irregular conhecida como pejotização”. É mais ou menos assim: a empresa contrata os vendedores como pessoas jurídicas, sem assinar a carteira de trabalho, para evitar o vínculo empregatício. No caso capixaba, no final de cada mês os vendedores tinham que emitir notas fiscais para receber seus salários.

A Duloren informou, por meio de sua assessoria de imprensa, que “não comentará o caso”.

Para recordar

Uma das primeiras a abrir esse filão de indenização por “pejotização coagida”, foi - a hoje mais notória do que nunca - Claudia Cruz, esposa de Eduardo Cunha.

Ela prestou serviços como pessoa jurídica para a Tv Globo do Rio, como apresentadora do telejornal Hoje, de 1989 e 2001.

O desfecho foi no TST, em 2008, obrigando a empresa a desembolsar R$ 5 milhões.

 “Energia para a luta”

O notório – e por ora livre – José Dirceu está fazendo campanha para conclamar uma corrente para 24 de janeiro, quando será julgada a apelação de Lula, contra a condenação a 14 anos de prisão.  A mensagem do ex-chefe da Casa Civil lulista é nesta linha: “A hora é de ação, não de palavras, transformar a fúria e a revolta, a indignação e mesmo o ódio em energia para a luta e o combate”.

A propósito, passada a ressaca comemorativa das festas de Ano Novo, as principais autoridades que administram a segurança (?) em Porto Alegre começarão a se reunir assiduamente a partir da terça-feira 3 de janeiro de 2018. Serão, ao longo de três semanas, reuniões quase diárias.

Vão esquadrinhar tudo o que for possível para que a terça-feira 24 de janeiro seja – na medida do possível – um dia normal em Porto Alegre. Haverá uma óbvia aglomeração (pacífica) de jornalistas e emissoras do mundo inteiro.

Mas nada de protestos na Borges de Medeiros, Loureiro da Silva, Esquina Democrática, muito menos na Rua Otávio Francisco Caruso da Rocha e no entorno do prédio do TRF da 4ª Região. Todo os contingentes de Brigada Militar, Polícia Civil, Polícia Federal e Exército estarão de sobreaviso.


Comentários

Iolanda Ramos Noble - Advogada 15.12.17 | 17:21:34
Todos são iguais perante a lei! A privacidade, a honra e a imagem da mulher que dizem, foi amante de Chateaubriand deveria ter sido protegida pela lei. A popularidade do homem não pode ser motivo para exposição, inclusive da imagem da mulher, que era anônima. Se não ganhou a ação isso se deve ao fato, que todos negam e mentem, porque é evidente, de que pobre não tem vez! A dita cuja além de pobre era uma simples faxineira, portanto, desprotegida. Já se fosse rica, ou juíza ... bah!
Banner publicitário

Mais artigos do autor

Publicidade também dos processos judiciais criminais

 Promotor de justiça pede ao TJRS que implemente, com urgência, a pesquisa por nome nas ações penais.

 CNJ pede a desembargador do TRT-RS que explique manifestação política em favor de um dos candidatos à Presidência da República.

 Carnaval político: em 2019 no sambódromo carioca, uma homenagem a Lula ou a um bode do Ceará?

 Pela primeira vez na História, o Brasil melhora no ranking da corrupção da Transparência Internacional.

O jeitinho aritmético ensinado por juiz para ganhar e manter gratificação

  Em vídeo postado no fim-de-semana nas redes sociais, o ex-presidente da AJUFE da 2ª Região orienta como assegurar mais um penduricalho.

  Tartarugas em ação: o tempo médio de duração dos processos, no Brasil, passou de 26 meses para 33 meses.

  Afinal, o lançamento ontem (15) da candidatura de Ricardo Breier à reeleição na OAB-RS.

Legitimidade da esposa para queixa-crime contra autor de postagem que sugere relação extraconjugal homossexual do marido dela

  Caso decidido pelo STF virou tititi em Brasília, pois envolve revelação feita por um senador sobre supostas relações homossexuais entre dois políticos.

  Decisão do STJ considera o proveito econômico para balizar os honorários de sucumbência.

  CNJ afasta juiz por “desvio de conduta”.

 Correção monetária para o ressarcimento de tributos só após o 360º dia.

Simulação de casamento: o caso do sobrinho (19 de idade) que formalmente casou com uma tia-avó (84 de idade) para, quando ela falecesse, embolsar uma pensão de R$ 6.584 mensais

 Advogada porto-alegrense será indenizada pela American Airlines, após furto do conteúdo de mala, em voo internacional.

 Emoções jurídicas: discussão sobre direitos autorais, em shows de Roberto Carlos durante cruzeiros marítimos.

 A cara Justiça brasileira: em 2017, gastou R$ 90,8 bilhões em 31 milhões de processos.

A impossível convocação de uma Assembleia Constituinte desejada por Haddad

 Em qualquer democracia que mereça o nome, a Constituição só pode ser alterada por emendas submetidas a dois turnos de votação na Câmara e no Senado e aprovada por quórum especial (60%) de três quintos.

 Nas cláusulas pétreas não se mexe. Elas estão no artigo 60 da Carta Magna.

 O futuro Presidente da República e os 3% que ele poderá dispor no orçamento.

 A arrecadação do Brasil, do ano que vem, foi estimada em R$ 3,26 trilhões. Do total, R$ 1 trilhão e 560 milhões serão usados para pagar juros, amortizações e refinanciamento da dívida.

A aritmética da oposição às eleições da OAB-RS: chapa com 71 homens e 71 mulheres

 A campanha que tem como um de seus motes “Mulher não vota em quem veta” está sendo cuidada pelo publicitário Alfredo Fedrizzi.

 Em busca da reeleição, Ricardo Breier terá uma mulher como companheira de chapa.

  Empresário Abílio Diniz, o 14º brasileiro mais rico, aproxima-se de Fernando Haddad.

  Henrique Meirelles já gastou R$ 45 milhões em sua campanha, mas tem apenas 2% das intenções de voto.