Ir para o conteúdo principal

Edição terça-feira , 17 de julho de 2018.

O que (também) se faz no casamento?



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

A ação é de anulação de casamento, por “recusa ao relacionamento sexual por parte do varão, assim caracterizando-se erro essencial quanto à pessoa”. Conforme a petição inicial, “apesar da formalização do ato civil de bodas, não houve a consumação do casamento, porquanto o réu negou-se a manter relações sexuais com a autora (...), passando a dormir em outro quarto, dizendo não se sentir atraído sexualmente”. Até que quatro meses depois, ele deixou sintético bilhete, saiu de casa e não voltou.

Na audiência de conciliação, o homem admitiu ter-se recusado à prática sexual. Fluído o prazo de contestação, não constituiu advogado, nem contestou a ação. Ainda assim, o juiz entendeu não ser o caso de anulação do casamento, porque “a recusa ao débito conjugal equivale ao inadimplemento de uma obrigação contratual, não se constituindo erro essencial”.

Seria, na visão do juiz singular, o caso de ingressar com ação de divórcio.

A mulher apelou. Sustentou que a revelia do homem comprova “o descumprimento dos deveres do casamento, e a ocorrência de erro essencial, pois que se soubesse que não haveria relações sexuais, não teria casado com o réu”.

A câmara proveu o recurso da mulher. O relator perfilhou a tese de que “o casamento é um contrato entre homem e mulher que, para a legislação canônica, objetiva a perpetuação da espécie, mas como instituição também significa a partilha da vida, a constituição de família, o auxílio mútuo”.

O revisor caprichou no palavrório: “A satisfação do instinto sexual é uma necessidade fisiológica e como no casamento e união estável as relações são monogâmicas, impõe-se entre os consortes a fidelidade e a lealdade, razão porque a recusa reiterada e injuriosa à manutenção do relacionamento sexual acarreta descumprimento do dever de respeito à integridade psicofísica e à autoestima”.

O revisor foi mais resoluto e desembaraçado: “Dentre as finalidades do casamento, evidentemente está o relacionamento sexual, embora ninguém case só para isso... mas case também para isso”.

A frase transmudou a sisudez do julgamento em uma descontraída avaliação humana. Quem não quer, não casa.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

Pensão alimentícia de ministro do STF

 

Pensão alimentícia de ministro do STF

Numa ação de alimentos, de uma menina de 4 anos, contra um dos craques da seleção brasileira, uma curiosa decisão inicial: a fixação da obrigação mensal de R$ 37.476, “o valor do maior subsídio pago a um ministro do Supremo Tribunal Federal”.

Charge de Gerson Kauer

Plano empregatício de gravidez programada

 

Plano empregatício de gravidez programada

Numa empresa em que a predominância de trabalhadores é feminina, insólitas planilhas baixadas pelos patrões. A interferência na autonomia das mulheres, a respeito de seus projetos de vida, de felicidade e dos desejos dos seus corpos.Quem pretender engravidar “deverá comunicar seis meses antes da data provável da desejada concepção”.

Charge de Gerson Kauer

Prêmio para o magistrado

 

Prêmio para o magistrado

O juiz recém instalado na comarca vai ao restaurante mais famoso da cidade, que é de propriedade de ativo advogado. O magistrado pede o famoso “leitão da casa” para recepcionar, no almoço dominical, sua noiva e os pais dela. Então, a chocante surpresa: algo de estranho no recheio do opíparo quitute... O que acontece depois? A história é contada pelo advogado Carlos Alberto Bencke.

Charge de Gerson Kauer

O “Livro do Juiz”

 

O “Livro do Juiz”

O “Doutor Inclemente”, magistrado circunspecto, às vezes trata seus auxiliares com rispidez. Ele tem um estranho hábito: em todas as suas atividades e aparições – inclusive as protocolares – ele leva às mãos um livro cujo título tem letras graúdas. É o VADE MECUM.

Charge de Gerson Kauer

   Justiça pelos próprios gritos

 

Justiça pelos próprios gritos

O cidadão cinquentão, divorciado, estressado pelo excesso de trabalho, vai em busca de novidades sexuais. Na hora da despedida, desacerta-se financeiramente com os prestadores do serviço. Na semana seguinte, os credores procuram o Juizado Especial Cível. Mas tudo é pura ficção da “rádio-corredor” forense.

Charge de Gerson Kauer

Distribuição de chupeta (s)

 

Distribuição de chupeta (s)

A entrega de chupeta a um médico que, em audiência, se opunha à pensão alimentícia que teria que pagar. Mas - segundo a “rádio-corredor” forense - os bicos ortodônticos também eram oferecidos pelo juiz a advogados com quem ele estaria em linha de confronto jurídico.