Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 21 de setembro de 2018.
http://www.espacovital.com.br/images/jus_colorada_caricatura.jpg

Uma noite em Buenos Aires



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Aqui no Rio Grande não basta ser colorado ou gremista.

Além de torcer pelo sucesso dos nossos respectivos times, torcemos com todas as nossas forças pelo insucesso do nosso "tradicional rival".

Na quarta-feira (29) apenas os puros de alma não sofreram com a expectativa ansiosa da final da Libertadores da América de 2017. O meu neto João e o meu cão Tobias dormiam enquanto o jogo acontecia.

Eu, ah, eu me dediquei à leitura dos novos dispositivos da legislação trabalhista.

Dormi em seguida, acolhido pelo silêncio da noite praticamente deserta em uma Porto Alegre, sem saber o que aconteceu na noite de anteontem em Buenos Aires.

Em todo caso, com a necessária humildade, sem que isso afete o meu extremado coloradismo, sei reconhecer os triunfos alheios.

Com isso dito, estendo os meus braços para dar um abraço resignado no meu amigo Romildo Bolzan.

Logo após o Romildo ter assumido a presidência do rival, fui entrevistado por uma emissora de rádio, sendo perguntado: “O que o senhor gostaria de ter no Inter que o adversário tem atualmente?

Rapidamente, lembrando do colega que foi secretário-geral do Centro Acadêmico Maurício Cardoso quando fui presidente, um jovem sério, dedicado, idealista e lutador, pronunciei o seu nome no ar.

Surpresas à parte, parece que eu tinha razão.

Também não me enganei acerca do paradigma que, então, presidia o nosso querido e vitorioso Internacional.

Bem, agora penso em uma noite em Abu Dhabi, em uma noite árabe, mas tipicamente espanhola. Um bom vinho acompanhado de um real ´jamón pata negra´.


Comentários

Renato J. B. De Bicca - Produtor Rural... 01.12.17 | 19:38:59

Perfeita essa tua quase crônica. Assinaria embaixo. Só que o meu não é Tobias, mas o Ramon (que pelo nome justificava-se torcer pelo Lanus... ). E em Três Coroas, no Recanto do Lago, nem se ouvia qualquer foguete...

Carlos Alberto De Oliveira - Advogado 01.12.17 | 16:50:26

A grandeza de um clube é retratada pela forma com que seus interlocutores se pronunciam. Parabéns pela manifestação, mais uma vez demonstrando que não temos dificuldade em reconhecer o mérito do coirmão, quando os possui.

Cesar Franco De Lima - Empresário 01.12.17 | 09:50:59

Brilhante Roberto, um show de grandeza!

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Sirvam nossas façanhas de modelo a toda terra!

“Nunca imaginei um ex-presidente preso ou um candidato vítima de atentado no Brasil. Também nunca imaginei ter o Judiciário sob o comando de alguém que sequer logrou aprovação em concursos para o cargo de juiz substituto”.

Gre-Nal, a hora da verdade

“Aproveitemos o momento para deixar um pouco de lado as raivas acumuladas, seja pela falência da nossa economia, seja pela destruição moral e ética do nosso país ou até mesmo pela incineração de parte da nossa memória histórica. Somos torcedores e não bárbaros. A convivência faz parte do processo civilizatório”.

Claudiomiro Estrais Ferreira, tanque de guerra, bigorna e matador

“Ele era alvo de piadas e lhe atribuíam a autoria de frases - que não sabemos se disse ou não disse, mas que eram sempre repetidas em tom de veracidade. Não importa: o Claudiomiro com todas as suas circunstâncias, folclóricas ou não, ingressou na história do Internacional”.

TDP – Transtorno delirante paranoide

“De tanto ler acerca da tal de IVI – Imprensa Vermelha Isenta, sou provocado por uma afirmação autofágica do colunista do espaço Jus Azul”.

16 de agosto de 2006

“A data em que o Inter foi campeão da Libertadores. Nunca fui daqueles que oportunisticamente passam fustigando o rival. Aplica-se o óbvio: nós somos nós, e eles são eles. A história não serve para consolo, mas é ela que forja o futuro. Aquela conquista tem um nome que a simboliza: Rafael Sóbis”.