Ir para o conteúdo principal

Edição terça-feira , 17 de julho de 2018.

Migração do plano de saúde dentro do mesmo grupo econômico não tem nova carência



O precedente é de Mato Grosso, mas pode interessar a milhares de cidadãos brasileiros. A migração do plano de saúde dentro do mesmo grupo econômico consiste em renovação de contrato, só havendo novo período de carência nos itens relativos a novas coberturas. A decisão determina à Unimed Cuiabá o atendimento de uma mulher impedida de fazer exames e consultas obstetrícias após mudar para um plano semelhante na mesma cooperativa.

Consumidora havia 12 anos, a paciente recebeu novo cartão restringindo uma série de procedimentos aos quais tinha direito antes, como quimioterapia e internações cirúrgicas. Esses limites foram derrubados depois de reclamação administrativa, porém o atendimento obstétrico continuou proibido, justamente quando ela estava grávida.

A tese defensiva da Unimed Cuiabá foi perolar: seria parte ilegítima porque a mulher firmara novo contrato com a Federação das Unimeds do Estado. Uma constatação do acórdão: “As cooperativas integram o mesmo grupo econômico e seus serviços são divulgados na mídia como se pertencessem a um único grupo, sem diferenciação de comarca ou Estado”.

E um arremate didático: “O fato de o Sistema Nacional Unimed ter se segmentado em várias cooperativas de trabalho médico distintas e com atuação regional não pode pesar sobre o consumidor”. (Proc. nº 109.519/2017).


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Aumenta o número dos aborrecidos com a TAP

Gato por lebre. Advogado gaúcho relata a desagradável experiência tida no Aeroporto Salgado Filho, quando se apresentou para um voo direto de Porto Alegre a Lisboa. E anteontem (4) uma emissora de tevê de Portugal informou que foram quase seis mil reclamações contra a empresa em 2017.

A sardinha...inha – menos pescado e mais azeite na lata

Caso gaúcho chegou ao STJ. A GDC Alimentos, dona da marca Gomes da Costa, foi condenada em ação civil pública, por diminuir a quantidade de pescado – que era completada por líquido – e pagará indenização por dano moral coletivo 

Difícil cancelar seu pacote de férias com a Coobrastur !

TJRS acolhe pedido de rescisão, formulado pela consumidora. Acórdão afirma que “o cancelamento de negócio deve ser simples como a contratação”. Planos vendidos pela empresa dão direito – conforme o valor pago - à hospedagem de 7 até 49 diárias, divididas em blocos de duas ou três 3 diárias, “até perfazerem o montante correspondente ao número de diárias da opção feita”.